SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

22 de setembro: rumo à greve geral

14 de setembro de 2016
jot-794_capa

As instituições que sustentam o golpe querem atacar os trabalhadores e a nação

A cada dia, a cada gesto, a cada ação e anúncio do governo golpista, fica clara a urgência de barrar o programa do golpe que visa o desmantelamento dos direitos trabalhistas e a entrega das nossas riquezas ao capital financeiro.

Não é por outra razão que o governo estadunidense, depois de brindar com os golpistas na abertura da Olimpíada do Rio, declare através de seu vice-presidente, Joe Biden, que “os Estados Unidos vão continuar a trabalhar de modo próximo com presidente Temer, enquanto o governo do Brasil enfrenta desafios urgentes”.

Os “desafios urgentes”, para o imperialismo, estão inscritos na “Ponte para o futuro”, o programa do golpe.

O governo dos EUA e os governos subalternos, os porta-vozes das multinacionais e as podres instituições brasileiras buscam dar sustentação a Temer e exigem as medidas prometidas.

Mas, a cada dia fica mais evidente também, o crescimento do sentimento que se expressa nas manifestações de rua, em eventos culturais e artísticos, em assembleias dos bancários, em campanha salarial, que decretaram a greve: Fora Temer! Diretas já!

Uma exigência que recoloca na ordem do dia a luta contra as instituições que estão aí para subjugar o país aos interesses imperialistas. “Com esse Congresso não dá”, já disseram as ruas em 2013. Não dá mesmo!

A cassação de Eduardo Cunha que comandou o golpe do impeachment não muda em nada a natureza desse Congresso. É preciso fazer a reforma política, através de uma Constituinte Soberana, para pôr abaixo as instituições que sustentaram o golpe e se preparam para concretizar as medidas anti-operárias e antinacionais, inscritas no programa golpista.

A preparação da greve geral por nenhum direito a menos, proposta pela CUT e apoiada por outra centrais sindicais, é a principal alavanca para barrar a ofensiva contra os direitos trabalhistas, contra a reforma da previdência, contra a destruição da saúde e educação públicas e contra a entrega do Pré-Sal.

“Sim à greve; nenhum direito a menos”! É a disposição que a base de categorias dos trabalhadores vem mostrando em assembleias e consultas realizadas. Nos próximos oito dias todo militante sindical tem uma só tarefa: preparar a o dia nacional de paralisação, rumo a greve geral por nenhum direito a menos.

O 22 de setembro tem tudo para ser um verdadeiro “esquenta” para a greve geral. É hora dos sindicatos intensificarem a consulta à base como fator de mobilização e convocar assembleias para aprovar e organizar a paralisação do dia 22.

Mas a preparação do dia 22 não é tarefa exclusiva dos sindicalistas. Ela deve contar com o apoio das organizações estudantis e da juventude. Deve contar com o apoio, notadamente, dos partidos que estão contra o golpe.

Em particular, as campanhas dos candidatos petistas nas eleições municipais estão chamadas a ser um vetor de mobilização e aglutinação na luta contra o golpe e em defesa do PT.

O PT, cuja destruição é peça chave da ofensiva imperialista, não pode titubear. Recuperando a tradição de um partido que nasceu como instrumento de luta dos trabalhadores, é hora de superar todos os vestígios da política que buscou conciliação com as atuais instituições e os inimigos da nossa classe, superar a crise e se reconstruir como um partido dos trabalhadores.

É para o que nos dispomos, com o Diálogo e Ação Petista, ampliando, com todos os petistas que querem resistir, a discussão “Pela Reconstrução do PT” e desenvolvendo a ação junto à luta dos trabalhadores.

Toda a força no dia 22 de setembro, rumo à greve geral, nenhum direito a menos!



Outras publicações

19 de maio de 2017

Lula em Rio Grande/RS em 29 de abril: “Quem está passando fome não pode esperar até 2018.” A força da greve geral, escondida pela mídia, mas presente nas organizações dos trabalhadores e na vida das famílias trabalhadoras, aprofundando o que se anunciava em 15 de março, abriu uma nova situação no Brasil. Apesar do golpista […]


3 de maio de 2017

“Quem está passando fome não pode esperar até 2018” A força da greve geral, escondida pela mídia, mas presente nas organizações dos trabalhadores e na vida das famílias trabalhadoras, aprofundando o que se anunciava em 15 de março, abriu uma nova situação no Brasil. Apesar do golpista e seu Congresso pretenderem prosseguir na guerra, o […]


19 de abril de 2017

Enterrar as contrarreformas e abrir a saída política A poucos dias da greve geral de 28 de abril, se confirma que no 15 de março se iniciou um giro na situação do país, com os trabalhadores retomando a iniciativa. Isso pode se acentuar neste dia de greve geral que se prepara. Uma ampla unidade se […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -