SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

81% são contra a “reforma” trabalhista de Temer

21 de novembro de 2017

Campanha pela sua anulação continua, bem como a resistência

O discurso do governo, Congresso e dos grandes empresários de que a “reforma” trabalhista vai ajudar a criar empregos não convence: 67% da população acha que as mudanças só são boas para os patrões. Outros 15% acreditam que ela não é boa para ninguém. Os dados são da pesquisa CUT-VOX Populi.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, avalia: “Quanto mais se informam sobre a reforma, mais os trabalhadores rejeitam as mudanças na CLT que o empresariado mais conservador e ganancioso mandou Temer encaminhar para aprovação no Congresso”. É por isso que 81% da população rejeita a nova lei, o que se manifesta nas adesões ao Projeto de Lei de Iniciativa Popular, que já atingiu mais de 307 mil assinaturas, segundo levantamento da central.

Band-aid para estancar hemorragia
Ao mesmo tempo, 78% da população afirma que não vota em parlamentar que votou a favor da lei 13.467. Tentando contornar o problema, Temer editou uma Medida Provisória com alguns dos pontos que os senadores deixaram de abordar para garantir a aprovação a toque de caixa. A MP altera alguns itens mais escandalosos, de forma lateral, como é o caso do trabalho intermitente, que continua existindo como bico institucionalizado, mas com direito ao aviso prévio.

Para a gestante, a MP determina o afastamento do trabalho insalubre, mas permite que ela trabalhe em ambientes com insalubridade média ou leve, se apresentar “voluntariamente” atestado médico. São emendas que não alteram o caráter nefasto da lei. De toda forma, em 120 dias a MP precisa ser votada no Congresso, e já enfrenta há meses a contrariedade do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Prejuízos iniciais
Os efeitos já aparecem. Um hospital de São Paulo divulgou que os seus funcionários que trabalham em escala de 12 x 36 horas perderam o direito a compensar os feriados trabalhados com folga em dobro ou pagamento de hora extra, porque a Lei 13.467 afirma que os feriados trabalhados já são automaticamente considerados compensados para quem cumpre esse tipo de jornada. Há o caso do juiz da Bahia que esperou o primeiro dia de vigor da nova lei para condenar um trabalhador que pediu seus direitos na justiça a pagar R$ 8.500,00. Também o da empresa jornalística que avisou seus trabalhadores que vai enviar aditivo contratual instituindo o banco de horas individual.

A Riachuelo, empresa que envolve indústria têxtil e a rede de comércio varejista, vai aplicar a “reforma” trabalhista “imediatamente”, segundo seu presidente. Participando no congresso do MBL no dia 11 de novembro, ele falou contra a jornada semanal dos trabalhadores, dizendo que as pessoas ficam “ociosas” em alguns dias. Riachuelo é aquela que, em setembro, sofreu ação do Ministério Público do Trabalho no valor de R$ 37,7 milhões por manter funcionários terceirizados em condições de trabalho piores do que os funcionários diretos.

Priscilla Chandretti


Presidente do Tribunal Superior do Trabalho contra direitos trabalhistas

Em entrevista à Folha de S. Paulo (06/11), o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Filho, declarou: “É preciso flexibilizar direitos sociais para haver emprego.” Ao explicar as “vantagens” da “reforma” trabalhista, usou o exemplo de que é possível negociar um reajuste salarial menor, mas um vale alimentação maior – o que ele, ocupando o cargo que ocupa, sabe que sempre foi feito. Chega ao cúmulo de dizer que a nova lei criou direitos!

Desde que Gandra é presidente do TST, início de 2016, ele já tomou várias atitudes que mostram que ele tem lado e é o dos patrões. Ives premiou a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Friboi com a “Ordem de Mérito da Justiça do Trabalho”. Foi um dos oradores da cerimônia de lançamento do Projeto de Lei da Reforma Trabalhista, em 2016, elogiando o governo Temer pela flexibilização da legislação trabalhista (aquela à qual ele, como juiz do trabalho, deveria se ater).

Ele tem dito que a nova lei vai desafogar a justiça trabalhista. Ora, se há muitas ações trabalhistas é pelo simples fato de que os patrões desrespeitam direitos dos empregados. Felizmente, Ives Gandra Filho não reflete a posição de centenas de outros magistrados do trabalho que enxergam várias inconstitucionalidades na lei 13.467 e já repudiaram publicamente as suas declarações.



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -