SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

A crise econômica derrotou o chavismo

11 de dezembro de 2015
vnz-eleiçaodez15

Direita pró-imperialista ganha maioria de 2/3 na Assembleia da Venezuela

O fator decisivo para o resultado eleitoral de 6 de dezembro é a crise econômica que assola o país. Inflação recorde, recessão e escassez de produtos básicos, especulação, mercado negro e produtos estocados por empresários. O governo Maduro, nesse quadro, não deu respostas concretas à “guerra econômica” e suas consequências.

É certo que houve campanha da mídia, ingerência do imperialismo, diretamente dos EUA e também de seus aliados na região, (governo da Colômbia e o argentino Macri), mas a derrota contundente do Polo Patriótico, liderado pelo PSUV, indica que muitos trabalhadores e gente do povo, que antes apoiavam o chavismo, usaram o “voto castigo” contra o governo nessas eleições.

O resultado final deu à Mesa de Unidade Democrática (MUD) 112 deputados contra 55 do Polo Patriótico. Uma maioria de 2/3 que permite à oposição revisar tratados Internacionais, revisar a Lei Orgânica do Trabalho (LOTT) – que consagra as conquistas dos trabalhadores nos últimos 17 anos – promover reforma constitucional com referendo e até mesmo convocar uma assembleia constituinte e remover juízes e autoridades públicas.

A direita pró-imperialista e patronal teve uma larga vitória não tanto por sua própria força, senão pelo forte desgaste do governo, o que abre o caminho para uma crise política nas cúpulas do chavismo e no PSUV, num ritmo imprevisível.

Um militante chavista, diante do resultado, disse que não se podia esquecer daqueles que, em nome da revolução, aproveitaram seus cargos para apropriar-se de recursos de todos, de militares que “mancharam o uniforme” para traficar influência e roubar recursos do Estado, nem tampouco dos que tinham cargos no PSUV e impunham seus círculos de corruptos, pisoteando a vontade da base. É um sintoma do clima existente na militância.

O que fazer na nova situação?

Os deputados da MUD já declaram que irão ao choque contra os trabalhadores e os setores populares. Eles querem mudanças nas leis que suprimam o controle estatal na prestação de serviços públicos, no sistema de distribuição de moradias, e, principalmente, nas leis trabalhistas: eliminar a redução da jornada de trabalho para 40 horas, a estabilidade no emprego e outros pontos da LOTT. Também querem anistia para os delinquentes políticos presos (como Leopoldo López) e o retorno dos que abandonaram o país após o golpe fracassado contra Hugo Chávez em 2002.

A nova situação coloca na linha de tiro os direitos trabalhistas, as conquistas sociais e a soberania da nação. Vivemos em época de crise internacional do capitalismo, crise econômica e política nos países vizinhos, fruto de um cerco que se aperta do imperialismo para recuperar terreno perdido. Não ter levado até o fim a ruptura com o imperialismo e seus aliados locais, é a explicação de fundo para a derrota eleitoral do chavismo.

É necessária uma plataforma operária e popular para defender nossos direitos e conquistas, que atue num terreno de independência e autonomia dos trabalhadores, contra a ofensiva da direita pró-imperialista. Diante do que se anuncia para 2016, é preciso a unidade de ação do movimento operário, coletivos, movimentos sociais e da Central Socialista Bolivariana dos Trabalhadores (CSBT), levantando um plano de emergência para enfrentar a crise, a especulação e a guerra econômica.

Alberto Salcedo (Coletivo Trabalho e Juventude)

Artigo originalmente publicado na edição nº778 do jornal O Trabalho de 11 de dezembro de 2015



Outras publicações

8 de novembro de 2017

“Labour” se inclina para a esquerda e é favorito em eleições no Reino Unido O congresso do Partido Trabalhista (Labour Party) – o mais antigo partido socialdemocrata do mundo, ligado desde a origem aos sindicatos britânicos – registrou muitas novidades. A começar pelo número de 1.200 delegados, o maior em 30 anos, dos quais cerca […]


4 de novembro de 2017

Em defesa da república, contra o artigo 155 da constituição monárquica Em 27 de outubro, o parlamento da Catalunha aprovou a Declaração Unilateral de Independência (DUI), contrariando a posição de diversos setores da classe operária, como as centrais sindicais CCOO eUGT, que pediam uma solução política, negociada. Imediatamente, com apoio da direção do Partido Socialista […]


26 de outubro de 2017

Mais de 400 mil servidores se manifestam em todo o país Todos os setores do serviço público da França foram atingidos pelas greves e manifestações do dia 10 de outubro, chamadas unitariamente pelas mais diversas organizações sindicais, contra a política do governo Macron. Hospitais, creches, serviços municipais foram paralisados. Cerca de 30% dos voos foram […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -