Amazonas em defesa do voto 13!

Na eleição suplementar de 2017, devida à cassação do governador José Melo (PROS), o PT do Amazo­nas rompeu o jejum de candidatos próprios desde 2002, recebendo boa votação na chapa encabeçada pelos deputados José Ricardo e Sinésio Cam­pos (2o lugar em Manaus).

Agora, em 2018, apesar de que Lula lidera disparado também no Estado, nenhuma liderança reconhecida se colocou.

Por isso, a chapa Unidade Pela Reconstrução do PT e o Comitê Lula Livre do bairro Petrópolis (Manaus), lançaram um manifesto pela candida­tura própria. Ele já conta com a adesão de vários grupos e está discutindo com os filiados, chamando a atenção para a resolução do 6o Congresso que delimita o arco “anti-imperialista, antimonopolista, antilatifundiário e profundamente democrático”.

O manifesto afirma que “a candida­tura própria do PT é a única posição que garante unidade da nossa base partidária”, frente a ânsia de alguns di­rigentes por alianças sem critério, onde cabe qualquer um com o único obje­tivo de formar chapas proporcionais. Por fim, o manifesto destaca que esta é a melhor forma de ajudar à vitória da candidatura Lula, para revogar as medidas de Temer e convocar a Cons­tituinte que restabeleça a democracia e atenda às demandas sociais.

O texto será levado ao Encontro estadual de tática eleitoral, dia 20 de junho, e já tem apoio de Gustavo Pas­saneli (Executiva PT-Parintins), Mano­el Lázaro (ex-vereador Parintins), Alex Eduardo (JR-AM), Lourenzo Gondin (Núcleo Che Guevara PT Manaus), Walter Mattos (Sindsep-CUT), Walde­mir José (ex-vereador Manaus) e Ruan Otavio (Secretario estadual da JPT).

Correspondente