SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Análise: eleições na Alemanha

4 de outubro de 2017

Divulgamos abaixo uma análise dos resultados destas eleições alemãs realizadas em 24 de setembro, publicada num artigo do jornal Soziale Politik und Demokratie (SoPoDe – Política Social e Democracia) que é animado por militantes do Partido Social-Democrata (SPD) da Alemanha, em oposição à linha oficial da Direção deste Partido.


A entrada do Partido de extrema-direita (AFD – Alternativa para a Alemanha), com 12,6% e enquanto terceira força política no Parlamento alemão, foi considerada – por todos os círculos políticos e pelos responsáveis no poder, assim como por todos os órgãos da Comunicação social, e ainda pelas organizações oficiais e grupos da “esquerda crítica”, na Alemanha e no resto da Europa – como um corte histórico determinante nestas eleições de 24 de Setembro: a maior parte vê nele uma guinada para a direita, e alguns aplaudiram-na. Mas, acima de tudo, trata-se de uma evidente e gigantesca manobra diversionista.

O que é histórico é o desastre eleitoral dos dois partidos do Governo da Grande coligação, da União Cristã – CDU/CSU (1) e da sua chanceler Angela Merkel, assim como do SPD e do seu candidato à chancelaria Martin Schulz.

Com uma perda de três milhões de eleitores, que reduziu o seu resultado a 33% dos que votaram (o que corresponde a 24,8% dos inscritos), Merkel registrou o pior resultado eleitoral da CDU/CSU desde 1949. Pelo seu lado, o SPD – que já tinha visto afastarem-se 10 milhões de eleitores nos últimos anos – perdeu mais 1 milhão e 700 mil eleitores, sobretudo nas zonas operárias, e o seu resultado de 20,5% é o pior desde 1945.

Com os seus 150 anos, o SPD – Partido operário histórico, que é o Partido democrático mais antigo da Alemanha – está sofrendo uma crise existencial. A sua direção tornou-se politicamente incapaz de arrastar de novo o Partido para uma grande coligação dirigida por Merkel. Há vozes que preconizam “uma reorientação e uma renovação radicais”. Isto colocará, inevitavelmente, a questão da ruptura com a política da Agenda de Schröder (2) e também com a atual direção que, aplicando esta política, empurrou o SPD para um processo de autodestruição.

A derrocada destes dois Partidos é, de momento, o ponto mais agudo da crise de um sistema político que tem permitido – com a alternância entre a CDU/CSU (o principal partido da burguesia) e o SPD à frente do Governo e da oposição – uma estabilidade e um equilíbrio político relativos entre as duas classes sociais determinantes (burguesia e proletariado – NdT). Ultimamente esse equilíbrio foi conseguido com algumas dificuldades: por duas vezes ele teve por base a “Grande coligação” – prejudicial para a democracia – da qual ambas os partidos estão agora a pagar o preço.

Com a derrota eleitoral da Grande coligação exprime-se toda a extensão da rejeição, enfurecida e cada vez mais determinada, da política reforçada da Agenda, contra a qual a maioria da população operária e da juventude se têm insurgido. Eles pretendem acabar com a destruição que tem sido feita das conquistas históricas do Estado social, sujeito aos ataques da política rígida da “Regra de ouro” (3) e da desregulamentação sem fim dos contratos de trabalho – em nome da competitividade das empresas – ditados pelas exigências da crise do capital financeiro.

Esta desestabilização política da capacidade para governar – provocada por esta rejeição dos trabalhadores e dos jovens – envia um sinal a todos os governos da Europa e às instituições da União Europeia, cuja política de austeridade e de reformas estruturais se choca, em todo o lado, com a resistência da classe operária e dos povos. Ela envia-a em particular ao novo governo de Macron, que quer administrar à classe operária francesa, aos seus sindicatos e à população uma cura de austeridade brutal, tomando como exemplo a Agenda de Schröder.

O sismo político provocado na Alemanha pela modificação de forças no sistema dos partidos transforma a formação do Governo, sob a responsabilidade da CDU/CSU de Merkel, num ato extremamente difícil, ameaçado por grandes incertezas. Uma análise dos resultados eleitorais permite fundamentar esta conclusão.

Em primeiro lugar, notemos que a participação dos eleitores atingiu 76%. Afinal, a ameaça do aumento em massa da abstenção não se concretizou. A rejeição assumiu sobretudo a forma de um voto de protesto.

Os 3,7 milhões de novos eleitores da AFD provêm de 1,2 milhões que nunca tinha votado, de 1 milhão de eleitores tradicionais da CDU/CSU, de 700 mil eleitores que já votavam antes em organizações de extrema-direita e de 400 mil eleitores do SPD e outros tantos do Partido de Esquerda (Die Link). Todos eles não decidiram abster-se em relação aos “partidos institucionais da Agenda”, mas quiseram assinalar o seu protesto contra a política da Agenda dando os seus votos à AFD. Não se trata de um “deslizar para a direita”, como argumentam o SPD e os partidos de esquerda, bem como as direções sindicais, visando desviar a atenção da sua própria responsabilidade no apoio ou “acompanhamento crítico” da política da Agenda implementada pelo Governo.

Os eleitores que protestam deste modo – na sua maioria desempregados, operários e funcionários – estão concentrados nos Länder (Estados) da Alemanha do Leste (4), tal como, por exemplo, nas cidades e regiões desindustrializadas da Bacia do Ruhr. As perdas do SPD, da CDU e do Partido de Esquerda (nos Estados em que ele está no Governo) foram aí particularmente grandes.

Assim, o SPD perdeu 1,5 milhões de votos, cerca de 400 mil em benefício de cada um dos “partidos institucionais menores ” – o Partido de Esquerda, os Verdes e o FDP (Partido Democrático Liberal). Ele perdeu eleitores que queriam protestar contra a política do SPD, dando o seu voto a esses outros Partidos.

No mesmo sentido, a CDU/CSU perdeu 1,3 milhões de eleitores para o FDP, 1 milhão para a AFD e, ainda, 380 mil por abstenção.

O fator político decisivo para o enfraquecimento de um novo governo de Merkel é a incapacidade do SPD em ajudar Merkel, como o fez quando participou no seu Governo, em empenhar-se numa nova ofensiva contra as conquistas do Estado social, com a ajuda das armas mais fortes da Agenda – a “Regra de ouro” e a destruição do Sistema das convenções coletivas nacionais – e, em ligação com as direções sindicais, tornar ineficaz a resistência dos trabalhadores e das populações contra essas armas.

Merkel começa agora a entabular negociações para uma coligação com o FDP e com os Verdes, visando constituir o único Governo de coligação possível. À pressão a favor de uma ofensiva mais forte – exercida pela CSU e pela ala mais consequente da CDU como representante dos interesses da indústria – junta-se agora a pressão exercida pelo FDP. Este Partido representa uma fracção do capital financeiro que fez campanha, durante o Verão, por uma “nova Agenda” após as eleições. Uma tal ofensiva deverá, a mais ou menos longo prazo, retirar aos Verdes qualquer base política ou social (até aqui eles têm desempenhado um papel – enquanto cisão pequena burguesa “de esquerda” do SPD – que, no fundo, é anti-sindical e inimigo do movimento operário organizado).

Por outro lado, as tendências “populistas de direita” da CSU – que pretendem a eliminação do direito de asilo, que são xenófobas e anti-islâmicas –deverão provocar conflitos não somente com Merkel, mas também com o FDP e os Verdes.

O novo governo de Merkel está, logo à partida, sob a pressão implacável das exigências da crise que se agudiza da economia capitalista e da ordem imperialista dominante. Uma série de medidas neste sentido foi diferida para o “após as eleições”. É o caso do pagamento da fatura para a salvação do Euro (incluindo, entre outras medidas, a redução da dívida da Grécia); tal como a mudança estrutural relativa ao decréscimo da capacidade de produção na Siderurgia e na Indústria do automóvel; e também a baixa suplementar do custo do trabalho, ou a diminuição do orçamento e do número de camas nos hospitais, etc. Numa palavra: é a “nova Agenda”, aplicada com os instrumentos da “antiga Agenda”.

Para lhe opôr a sua resistência, a classe operária irá agarrar-se – de modo mais generalizado –aos seus sindicatos, que deixarão de estar sob a pressão direta de um SPD a participar no Governo para acompanhar uma política governamental destruidora, “protestando, corrigindo e acompanhando-a de maneira social”. No decurso desses novos combates, a classe operária se libertará dos entraves que a impedem de fazer greve contra decisões estratégicas dos empregadores, assim como contra medidas governamentais anti-operárias.

Com o novo governo de Merkel abrir-se-á uma fase de grandes combates. E, desse modo, ele será ainda menos uma âncora de estabilidade contra a crise de decomposição da União Europeia e contra o sistema financeiro em falência. Ele se tornará, pelo contrário, num ainda maior fator de incerteza suplementar para a União Europeia e para a Europa.


(1) Esta coligação é designada por preta-amarela, visto ser formada pelos dois ramos da Democracia Cristã: a União Cristã Democrata (CDU) e a União Cristã-Social (CSU, que só existe no Estado da Baviera).

(2) A chamada Agenda de Schröder, apresentada como um instrumento legislativo para a defesa da “competitividade” da economia alemã, continha ataques centrais contra as leis que funcionam como Código do Trabalho e contra direitos sociais estipulados na Constituição alemã. O seu prazo de vigência era o ano de 2010, e daí a sua designação de “Agenda 2010”.

(3) O Tratado Orçamentário – assinado em Março de 2012 por todos os 28 países que então eram membros da União Europeia, com excepção do Reino Unido e da República Checa – inclui uma “regra de ouro” para o equilíbrio orçamentário, definido como um défice estrutural anual não superior a 0,5% do PIB.

(4) A Alemanha é uma Federação de Estados (Länder).



Outras publicações

8 de fevereiro de 2018

Em 23 de janeiro a Assembleia Na­cional Constituinte (ANC) pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organização das eleições presidenciais até 30 de abril próximo (o mandato de Nicolás Maduro terminaria em 2019). Num cenário continental marcado pela pressão do imperialismo dos Estados Unidos para impor governos a seu serviço – fraude nas eleições em […]


17 de janeiro de 2018

Nem bem começou o ano de 2018 e uma série de artigos de opinião foi publicada em jornais de todo o mundo advogando uma in­tervenção militar de países vizinhos na Venezuela. A ideia não é nova, mas é relançada diante do fracasso da oposição inter­na do país em todas as suas tentativas de derrubar o […]


9 de novembro de 2017

Não há mais desculpa para não se atacar especulação e desabastecimento A resistência do povo trabalhador aos ataques do imperialismo e seus aliados foi o que permitiu as vitórias políticas da eleição e instalação da Assembleia Nacional Constituinte e, em 15 de outubro, o triunfo nas eleiçõespara governadores. Assim foi dada uma nova oportunidade ao […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -