Todos democratas só podem se felicitar pela absolvição da presidente do PT, Glei­si Hoffman, pela 2a Turma do STF no último dia 19. Basta imaginar a consequencia de uma condenação. Mas podem haver recursos, e ela está denunciada em dois outros proces­sos no STF, além de um terceiro inquérito.

“Infelizmente, não se pode chamar a isso uma vitória da Justiça. É, antes, a conde­nação de um sistema policial-judicial que, impunemente e por mais de três anos, en­xovalhou a reputação de uma pessoa contra a qual nada tinha além dos depoimentos dos dedos-duros de Sérgio Moro”, escreveu o jornalista Fernando Brito (O Tijolaço). “A máquina engasgou na hora de devorar Gleisi, mas continua funcionando a todo o vapor”, ele completa. “Mesmo quando ocorre a de­monstração de que não há provas, chegamos ao ponto de que dois ministros fazem um malabarismo antijurídico para que, afinal, a alguma coisa se possa condená-la”. Realista, ele conclui, “vai custar até que se desmonte esta máquina perversa e, com toda a sinceri­dade, não se deve ser muito otimista quanto ao julgamento do recurso pela mesma 2a Turma do STF, marcado para terça-feira”.

É Lula, o recursante da terça-feira, dia 26, quem diz em carta comemorativa a Gleisi: “Nada espero dos que te acusaram falsamen­te. Mas tenho certeza de que o povo brasileiro saberá reconhecer seu exemplo de coragem mentiras da Lava Jato e da TV Globo”.

De fato, só podemos contar com a força do povo. O resto será a consequencia, no dia certo.

É com o que conta Lula, preso político candidato do PT à presidencia, para chegar ao registro dia 15 de agosto. Ele tem a maior parcela do povo que sabe ser o único meio de derrotar os golpistas. É favorito disparado nas pesquisas, ao ponto que, caso seja reti­rado por um atropelo judiciário, as mesmas pesquisas dão que o vencedor seria a soma da abstenção, votos brancos e nulos! O re­sultado não teria legitimidade. A eleição sem Lula é uma fraude!

Como é possível que, em particular, Gui­lherme Boulos (PSOL) e Manuela (PCdoB), não percebam o triste papel que lhes reser­vam? Marcar posição numa eleição destas, seria mais que um desserviço divisionista da luta socialista. Apoiar Ciro Gomes com seu ajuste fiscal e a reforma da Previdencia, é normal para PP e DEM, mas o PCdoB !?

Os inimigos golpistas estão divididos, as­ sustados e sem discurso. “Há um contraste cruel entre o que o mercado idealizou e a realidade crua da política brasileira”, diz o banqueiro Paulo Leme Seu mundo está fazen­do água, um tumulto “comercial” tolda-lhes a visão do planeta capitalista em crise.

No Brasil, temos uma situação inédita e dramática, mas é possível vencer, a condi­ção de uma direção determinada. Todavia o alcance da Executiva Nacional do PT se mostra curto. A maioria parece hesitar entre a força do povo e os cálculos da improvável “coligação nacional com PSB”, ao preço do sacrifício injustificado com crise certa em Pernambuco (v. pág. 4).

O debate a respeito continua.

O Diálogo e Ação Petista assume suas res­ponsabilidades.

Na Declaração “Firmes na luta por Lula Livre, Lula Presidente com Constituinte!” (17/06/18) lançou um “alerta” ao partido para a casca de banana, convidando a um Encontro Extraordinário do DAP em 18 de agosto: “a discussão é necessária, para clarifi­car o caminho da vitória, e não se desviar para fantasias ou aventuras que não resolvem”.

É assim que nos engajamos como nunca na campanha do PT em todos os níveis, nos Comitês “Lula Livre, Lula Presidente” nos bairros, escolas e sindicatos, com os candida­tos majoritários e proporcionais do partido nos Estados.