SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Crise no Rio de Janeiro

10 de agosto de 2017

23892_0_gr

Com o exército na rua, o governo Pezão (PMDB) quer fazer o ajuste fiscal

O exército está na rua em todo o estado do Rio de Janeiro.

A justificativa dada por Raul Jungmann, ministro da Defesa do governo golpista, é a de que é preciso fazer uma “assepsia” no Rio (entrevista CBN, 25/07). Jungmann tenta conquistar a simpatia da população ao dizer que a presença das Forças Armadas é uma “declaração de guerra” contra o tráfico e os “bandidos”. O governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), disse ter certeza que a intervenção militar “vai ajudar o Rio” e que “o importante é que vai até 2018”! (O Globo, 28/07). O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), colocou a Guarda Civil Municipal “à disposição” do exército. O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comemorou a decisão. A Globo golpista, é claro, apoia.

Entretanto, o drama do funcionalismo continua e Pezão, que deixou o estado à deriva, é visto com descrédito pela população. A maior parte das categorias está sem receber desde abril. Os servidores disputam cestas básicas em filas quilométricas. Como pode haver segurança, saúde, educação se o governo aplica uma política de desmonte das instituições públicas, como no triste caso da Universidade do Estado do Rio de Janeiro?

Não é coincidência que o exército esteja na rua enquanto o governo Pezão negocia com Henrique Meirelles, o pacote de ajuste fiscal, esse sim uma verdadeira declaração de guerra contra a população e os servidores do Estado.

Rio, “laboratório” do Plano de Segurança Nacional
Temer, em acordo com Pezão, colocou o exército na rua por meio da assinatura de Garantias da Lei e da Ordem (GLOs) – em que os militares podem atuar enquanto poder policial –, prevendo a ação inicial de 8.500 homens. Sérgio Etchegoyen, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), disse há meses atrás que o Rio seria o “laboratório” do Plano Nacional de Segurança.

De fato, parece que a ideia dos golpistas é fazer da experiência do Rio um ensaio geral. Em 24 de maio, quando 200 mil trabalhadores foram a Brasília protestar contra as contrarreformas trabalhista e da previdência, Temer também chamou o exército (fazendo uso da GLO), para reprimir violentamente os manifestantes.

Os atos no Rio contra Temer e as contrarreformas são reprimidos com brutalidade pela polícia.
Agora, às vésperas do ajuste fiscal, costurado num conluio entre o governo federal e estadual, quem pode se sentir mais seguro vendo o exército na rua?

O ajuste fiscal, ataque contra o povo do Rio
Meirelles diz que a condição para a “ajuda” do governo federal ao Rio, de empréstimos de cerca de 3 bilhões junto a bancos privados e BNDES, é a privatização da Cedae (estatal de águas e esgoto) e a venda da folha de pagamentos dos servidores para uma instituição financeira.

Sem esconder a satisfação, o jornal O Globo (28/07) festeja que, depois do Rio, o próximo estado a ser “beneficiado” é o Rio Grande do Sul.

Durante todo o período, não faltaram protestos contra o pacote de Pezão. Entretanto, os longos anos de aliança e colaboração do PT com o PMDB no estado não passaram sem duras consequências. O episódio em que André Ceciliano, deputado estadual pelo PT, presidiu a sessão da Alerj em que votou no ajuste, é um exemplo. É de se perguntar porque o PT-RJ ainda aceita este deputado em suas fileiras!

No Encontro Estadual do PT, foi aprovada a luta contra o ajuste do Pezão. Resolução justa, mas que exige a recusa, pelo PT, seus dirigentes e parlamentares, de toda aliança ou colaboração com os partidos e interesses dos golpistas.

Francine Iegelski



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -