SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Depois do TRF-4: a candidatura de Lula é possível e necessária

5 de fevereiro de 2018
Lula-no-Rio-de-Janeiro

O Tribunal Federal da 4a Região confirmou a condenação de Lula e ampliou a sentença de prisão para 12 anos, indicando a disposição de tirar Lula da eleição, até prendê-lo, e liqui­dar o PT. Cármen Lucia, do STF, esco­lheu um jantar com multinacionais (Shell, Coca-cola etc.) para anunciar que não vai “pautar” a revisão da pri­são após condenações em 2a instância.

Lula, contudo, poderá ser candidato – até se estiver preso -, pois só em 15 de agosto, após sua inscrição, começam a correr os prazos legais para impedi-lo nos tribunais superiores, e não termi­nam antes do 1o turno.

Mas o Judiciário dobrou a aposta para tentar tirar da crise a coalizão golpista, cumprindo o exigido pelo “mercado” com apoio da mídia, a co­meçar da reforma da Previdência. Há, de fato, um agravo na situação.

Tanto que um editorial do Financial Times, ligado ao mercado financeiro, se disse “preocupado” com o “vácuo” que se criaria. De fato, a ofensiva con­tra os direitos sociais e democráticos, pode empurrar, cedo ou tarde, à uma explosão, sem que o grande capital, de seu ponto de vista, disponha de uma interlocução efetiva.

A vontade de milhões

No dia do julgamento em Porto Ale­gre, e no dia seguinte principalmente em São Paulo, e também outras capitais mais de 100 mil pessoas em pleno verão saíram em defesa de Lula. Os “coxinhas” eram gatos-pingados.

Certo, os milhões ainda não se mobilizaram. Mas é diferente do impeachment, quando a aprovação de Dilma era cerca de 10% (e os coxinhas eram centenas de milha­res). Agora, após o TRF4, segundo o Datafolha, Lula lidera a pesquisa beirando os 40% e vence qualquer adversário no 2o turno. Se impe­direm Lula, mais de um terço dos eleitores declara se abster, votar nulo ou branco, algo nunca visto desde a ditadura militar.

Não é fácil, mas é possível mobi­lizar e impor a vontade popular de milhões, a candidatura de Lula. À condição de evitar as armadilhas.

Lula foi firme ao se recusar a “res­peitar a sentença” do TRF4 e apontar o dedo para “as instituições”. A reso­lução da Executiva do PT confirma o seu nome, aponta os Comitês Populares como instrumento de luta prática pela candidatura, e a Cons­tituinte como meta insubstituível da luta (ver abaixo), passando pela greve contra a reforma da Previdên­cia que deve engajar milhões.

Ao que se deve acrescentar a resis­tência às conseqüências da reforma trabalhista, aos cortes de verbas, às privatizações e ao obscurantismo, lutando pelos direitos conspurcados e pela soberania nacional.

É por aí o caminho da vitória em outubro.

Não ajuda, atrapalha desviar e arrastar a militância a um processo de “congresso do povo” ao longo do semestre. E não será o complemento de “ações exemplares” de pequenos grupos que derrotará os golpistas ou que mobilizará o povo (ao contrá­rio, isolariam). Mas tampouco se mobilizará o povo com falso realis­mo do “plano B”, bem-entendido, “B” do PT ou “B” negociado com aliados “muy amigos” – aí se perde o povo.

O caminho são mesmo as lutas de massa, a formação de milhares de Comitês Populares e as Caravanas para a campanha eleitoral antecipa­da de fato, para impor a candidatura de Lula, ganhar a eleição e garantir a posse.

É o árduo caminho da ação direta da classe trabalhadora, ganhando as amplas massas, sem bravatas, por vezes doloroso, mas que vai desnu­dando a todo o povo o que são estas instituições, a urgência e os meios para refundá -las.

Markus Sokol



Outras publicações

10 de junho de 2018

“Um momento de desalento e descrença nas instituições, nossos partidos não nos representam, o Congresso não nos representa e o Judiciário não funciona”. Essa não é a opinião de um extremista, é do banqueiro Pérsio Arida, coordenador de programa de governo de Alckmin do PSDB (Valor, 06/06). Os setores mais pró imperialistas estão em apuros. […]


1 de junho de 2018

Há “analistas” e certas lideranças do PT (que desmentem depois, quando já não falam em “off”) dizendo que Lula não será o candidato do PT. A mídia reduziu drasticamente a expo­sição de Lula e tenta desqualificar sua liderança, alegando isolamento. Ela confunde a prisão na questão do triplex do Guarujá – onde o juiz Moro […]


1 de junho de 2018

Na eleição suplementar de 2017, devida à cassação do governador José Melo (PROS), o PT do Amazo­nas rompeu o jejum de candidatos próprios desde 2002, recebendo boa votação na chapa encabeçada pelos deputados José Ricardo e Sinésio Cam­pos (2o lugar em Manaus). Agora, em 2018, apesar de que Lula lidera disparado também no Estado, nenhuma […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -