SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Desmoralização do Judiciário e crise de Estado

17 de setembro de 2017

“Putrefação da instituição”, reconhece Gilmar

geddel

 

Nas últimas semanas, o Procura­dor-geral da República (PGR) Rodrigo Janot, engrossou e improvisou denúncias, para tentar se safar do fiasco das “delações premiadas” de Joesley Batista/Ricardo Saud. E também o ministro do STF, Gilmar Mendes, subiu o tom contra a PGR acusando a “putrefação da institui­ção”. O próprio STF “corre o risco de se ver conspurcado” por seu colega, Facchin, que avalizou tudo que Janot fez. Acrescentemos, consultando a presidente da corte, Carmen Lúcia.

Gilmar tem razão. O que não apa­ga o fato de ele mesmo estar sob “pedido de suspeição” do Ministério Público pela atuação para libertar o empresário de transporte do Rio, Jacob Barata, amigo de família. Seria o enésimo caso de promiscuidade dele, sua mulher advogada e seus sócios, em julgamentos. Além dos “casos” do seu Instituto Brasiliense de Direito Público, e da sua família no Mato Grosso natal, em negócios com o ex-governador, Silval Barbosa, hoje “delator” também. Finalmente, se soube que a JBS financiava os seminários do IBDP em Portugal, onde pontificam Aécio e Fernando Henrique Cardoso, de cujo governo, Gilmar foi consultor-geral, ganhan­do ali a vaga no STF, numa rede de favores e relações de poder.

Como não há mais o grande con­senso na coalizão golpista (devido à resistência popular a sua política) – embora Janot, Gilmar e os outros não deixem de atacar o PT – vem à tona muita coisa. A Globo e mídia tentam filtrar ou manipular, mas acaba che­gando no povo, como mostram os índices de credibilidade em queda das figuras do Judiciário, do STF, o PGR e Moro, inclusive. A ponto de Cármen Lúcia gravar no Jornal Nacional um patético pedido de esclarecimentos para “restabe­lecer a dignidade do STF” – quanta fragilidade!

Euforia econômica e fim de feira
Em sua defesa, Temer, alvo de nova denúncia do Procurador Geral da República (PGR) cujo julgamen­to a Câmara deverá votar, invoca que Joesley armou para ele com o PGR, e que a economia do país está melhorando (não para os milhões de desempregados nem os serviços públicos estrangulados). Mas no dia seguinte à prisão de Joesley, a Bolsa de São Paulo bateu seu recorde histórico de 2008 e a mídia passou a amplificar um clima “positivo”, ainda mais depois do depoimento de Palocci ameaçando comprometer a candidatura de Lula.

Um especialista, professor do IBMEC, explicou que se “reduz as chances de uma can­didatura de Lula em 2018 e o mercado prefere um governo de direita”. O que se sabia. Mas como bater recordes com a reconhecida, para os padrões do merca­do, “inconsistência macroeconômica”, em bom português, a “queda no abis­mo fiscal a caminho” (Estadão, 12/9)? Era para baixar as notas das agências de ris­co e os investidores tirarem dinheiro do país. Só que não, e a explicação realista e cínica dão os mesmos analistas. Já agora “fazem apenas uma ressalva, para a possibilidade do governo falhar com as reformas”. Tudo viraria muito rápido. Mas enquanto isso, “todos tentam estar entre os últimos a sair da bolha para ganhar o máximo antes que tudo desabe”.

“Crise de Estado”
Vai desabar, não vai ficar assim. Na economia como na política.

Todos estão vendo o envolvimen­to do STF nos esquemas. Alguns já sabem, muitos mais saberão que “Edson Facchin na época de sua cam­panha para o Supremo circulou pelos gabinetes do Senado na companhia de Saud” (Valor, 6/09). Saud é o braço de Joesley para negócios sujos. Assim, como o atual ministro da Fazenda, o ex-banqueiro Henrique Meirelles, “no auge da JBS, era seu (Joesley) braço direito”. Ou esse ex-procurador Marcelo Miller, braço direito de Janot, comprado por Joesley para preparar sua “delação” em condições ultra­-favoráveis, era antes na Procuradoria o elo oficial de ligação com a procu­radoria dos EUA que “alimentou” os procuradores brasileiros.

O próprio Moro, agora se sabe, enrolado nos negócios da mulher advogada com um advogado espa­nhol operando vantagens para a Ode­brecht. Sobre este Moro, em 2009, o Wikileaks divulgou que “vazara” participar da confêrencia “Bridges Project” (Projeto Pontes), vinculada ao Departamento de Estado, cujo objetivo é “consolidar treinamento (!) bilateral para aplicação da lei”.

Gilmar, Facchin, Meirelles, Miller e Moro como o Temer dos áudios, tá tudo dominado! Dominado pelo dinheiro que os move e o seu siste­ma em crise, todos sob pressão da potência hegemônica, os EUA, que usa a Justiça para recuperar  merca­dos.

Vem daí a “crise de Estado”, segun­do Carlos Melo, professor do Insper, insuspeito de marxismo. “Somos testemunhas de uma história de de­composição”, escreveu ele a pedido do Estadão (6/09), “para onde se olhar, haverá buracos. A grande re­forma será um dia tapá-los. Hoje não há liderança para isso”, afirma, com “a certeza que o sistema ruiu. Nem há vergonha que baste (…). Mais um auxiliar do presidente escondia malas de dinheiro; tantas a não poder mais carregar. A mente do povo cria nexos. Isto ficará.”

O liberal, aí, confessa o temor de toda a elite, de que a “a mente do povo que cria nexos” se lance numa “grande reforma”. Na verdade, o povo é o único que pode fazê-la!

Constituinte neles!

Markus Sokol



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -