SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Uma discussão atual: 1964; por que não houve resistência ao golpe?

13 de maio de 2016
tropas-dituradura

Golpe de 1964 faz 51 anos.

Neste ano, ocorre o 51º aniversário do golpe de 1964 que derrubou o presidente constitucionalmente eleito, João Goulart (Jango), e instaurou a ditadura militar. Discute-se até hoje por que a resistência para impedir o golpe foi pequena. É impossível entender essa questão sem se avaliar a política traidora do Partido Comunista Brasileiro (PCB), então principal partido da classe trabalhadora.

O golpe foi orquestrado pelo imperialismo estadunidense desde 1961 (governo Kennedy e depois Johnson) como se sabe hoje em reação a uma crise revolucionária no país forjada pelas mobilizações das massas. A ação foi articulada não apenas pela cúpula militar, mas também por empresários, latifundiários, a igreja e a mídia. Todos temiam o avanço popular num quadro continental marcado pela revolução cubana de 1959.

No Brasil do início dos anos 60, trabalhadores faziam inúmeras greves, camponeses mobilizavam-se pela reforma agrária “na lei ou na marra”, soldados e marinheiros rebelavam-se contra a hierarquia militar. Faltava ao movimento, porém, um elemento central: organização independente.

O PCB era uma organização stalinista, empenhada em manter a ordem mundial negociada entre o imperialismo e a burocracia que dirigia a União Soviética. No caso brasileiro, isso significava não abrir uma perspectiva de organização para as amplas massas.

Embora sem existência legal, o PCB atuava abertamente e dirigia importantes sindicatos. Mas não lutava pela independência sindical. Não questionava a estrutura sindical inspirada no fascismo criada no primeiro governo Vargas. Nos sindicatos, aliava-se aos pelegos do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), o mesmo partido de Jango, para frear as mobilizações e colocá-las a reboque do governo.

Coerente com sua busca permanente por “alianças” com uma inexistente burguesia nacional progressista, o PCB recusava-se a constituir-se plenamente como partido do proletariado. Não oferecia um canal para que a classe operária pudesse organizar-se no seu terreno próprio, desde as bases, por suas próprias reivindicações. Contentava-se em atuar com o PTB e influenciar, por cima, o governo de Jango. Poucas semanas antes do golpe, Luiz Carlos Prestes, principal dirigente do PCB, afirmava: “Já estamos no poder, embora ainda não tenhamos o governo nas mãos”.

Grandes mobilizações

Apesar do stalinismo, os trabalhadores realizaram grandes mobilizações nesse período. As condições objetivas levavam a isso: o aprofundamento da penetração imperialista durante o governo de Juscelino Kubitschek (1955-1960) piorou ainda mais as condições de vida. A inflação crescia, assim como a dívida externa, e inúmeras conquistas trabalhistas sofriam golpes.

O número de greves realizadas foi ascendente: das 15 de 1955, chegou se a 70 em 1960, sendo que em 1959 houve duas greves gerais em São Paulo e uma outra em 1960. Em 1961 houve 105 greves; em 1962, 123, sendo uma delas nacional. Em 1963 foram 152 greves. Toda essa mobilização combinava-se com ocupações de terras em vários Estados.

Jango era vice-presidente em 1961, quando ocorreu a renúncia do presidente Jânio Quadros. Setores mais reacionários da burguesia não aceitavam a posse de Jango. Uma mobilização semi espontânea – a Rede da Legalidade – comandada e até armada por Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, exigiu a posse de Jango. Mas, ela foi “negociada” com os militares com a introdução do sistema parlamentarista, onde a chefia de governo ficava a cargo de um primeiro-ministro.

Em 1963, um plebiscito aprovou com mais de 80% dos votos o retorno do presidencialismo o que, nas condições, ensejou uma radicalização da massa popular que se sentiu vitoriosa. Em setembro, a “revolta dos sargentos” por questões profissionais e democráticas ocupou pontos de Brasília contra a decisão do Supremo Tribunal Federal de mantê-los “inelegíveis” impedindo a posse de eleitos. Governando em meio a um grande embate entre as massas e a classe dominante – onde se incluía a cúpula das Forças Armadas ligada ao imperialismo – o novo presidente tentava se equilibrar.

Em 1963, Jango apresentou o Plano Trienal: medidas que atacavam as condições de vida do povo, numa tentativa de obter apoio à direita. Mas o setor majoritário da burguesia não confiava em sua capacidade de deter as massas. Jango manobrou então à esquerda, agitando as “reformas de base” (como a reforma agrária).

Mas, enquanto os trabalhadores realizavam greves, o PCB, controlando os organismos intersindicais de cúpula – Comando Geral dos Trabalhadores (CGT), Pacto de Unidade e Ação e vários sindicatos rurais – simplesmente pressionava o Congresso e o presidente para que realizasse as “reformas de base”.

O grupo de Julião que controlava as Ligas Camponesas assim como a ala nacionalista-revolucionária do PTB ligada a Brizola, apesar do discurso mais combativo (corretamente chegou a falar de uma Constituinte) tampouco organizaram o povo trabalhador.

Ausência de organização

O país sofria com a carestia que minava as conquistas salariais. Havia desabastecimento. A mídia e a Igreja acentuavam o descontentamento da classe média, principalmente.

No comício de Jango na Central do Brasil, no dia 13 de março de 1964, o presidente, pressionado contra as cordas, assinou vários decretos “populares” tardios em busca de apoio. Como o golpe militar já estava em marcha dentro e fora do país desde o semestre anterior a resistência, naquele momento possível, devia integrar a autodefesa entre as medidas de organização.

Mas, tanto os setores no governo como o PCB confiavam num mítico “dispositivo militar” de Jango apoiado na hierarquia dos generais leais que, depois, viu-se que não existia.

A “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, puxada pelo clero, governadores, empresários e políticos, com centenas de milhares em São Paulo e outras cidades, ajudou a criar o clima de busca desesperada de solução na classe média.

Entre os trabalhadores, nenhuma medida concreta de mobilização.

Enquanto os golpistas das Forças Armadas, àquela altura, já agiam abertamente com apoio da embaixada dos EUA e da CIA os setores populares eram embalados a confiar no “dispositivo militar” de Jango.

Quando o governo foi derrubado veio junto a desmoralização. O CGT e os sindicatos não haviam organizado de fato uma greve geral ou medidas amplas de reação.

Houve resistência, mas desarticulada, sem coordenação. Milhares de marinheiros e soldados, centenas de milhares de trabalhadores com seus sindicatos, nas ligas camponesas no Nordeste e nas organizações estudantis poderiam resistir se houvesse uma direção disposta a unificar de forma independente seus movimentos desde antes. Quanto ao PCB, depois desta traição nunca mais se levantou.

Cláudio Soares e Markus Sokol

Um registro da época: Jacob Corender, Combate nas Trevas


“JANGO, NÃO VACILE!”

“No dia 23 de agosto de 1963, 60 mil se reuniram na Cinelândia no Rio de Janeiro em homenagem à memória de Getúlio.

Discursaram parlamentares, o CGT, a UNE e outras entidades da Frente de Mobilização Popular. No meio da massa faixas diziam: ‘Jango, não vacile!’, ‘Jango, chega de conciliação com os inimigos do povo. Reforma Já!’.

O Presidente não se deu por achado e iniciou um discurso de frases vazias. A massa o interrompeu com o grito cadenciado: ‘De-fi-ni-ção!’”.

Sem definição de Jango nem alternativa de massas a situação se degradou e 7 meses depois o golpe triunfou.


 

artigo  e registro originalmente publicado no jornal O Trabalho, edição nº763 de 31 de março.



Outras publicações

25 de outubro de 2017

Com ampla maioria no Congresso dos Sovietes, bolcheviques organizam a insurreição e a tomada do Palácio de Inverno O mês de setembro foi marcado por uma maré bolchevique nos sovietes de toda a[…]


1 de outubro de 2017

1o de setembro de 1917: a prisão do general Kornilov O golpe de Estado contrarrevo­lucionário do general Kornilov fra­cassou militar e politicamente nos últimos dias de agosto, sem que suas[…]


21 de agosto de 2017

Bolcheviques lideram resistência à contrarrevolução e aumentam sua influência Como vimos na parte anterior desta série, após a violenta repressão às “jornadas de julho”, Kerensky formou o[…]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -