SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

E aí, Lula?

16 de abril de 2015
lula

Em 31 de março, atendendo ao chamado da CUT, MST, Central dos Movimentos Populares (CMP), de outras entidades e movimentos, a quadra dos Bancários em São Paulo, capital estava lotada. O sentimento geral era o de uma militância em pé de guerra para enfrentar a ofensiva reacionária manipulada pela mídia e a oposição tucana pelo “Fora Dilma, Fora PT”.

O plenário aplaudiu com entusiasmo falas como a de Raimundo Bonfim (CMP) e Gilmar Mauro (MST) que cobravam do governo Dilma medidas a favor dos trabalhadores do campo e da cidade para soldar a resistência popular a qualquer tentativa de abreviar o mandato legítimo obtido pela candidata do PT nas eleições de outubro de 2014.

O tom de cobrança só não esteve presente nas falas de oradores ligados ao PCdoB – estranhamente 5 em 12 oradores que, agitando a “luta contra o golpe”, nada disseram sobre qualquer reivindicação, limitando-se ao “fica Dilma”.

Vagner Freitas (CUT), penúltimo orador, afirmou que não se deve admitir corte de direitos. Criticou os ajustes do governo e o papel do ministro Joaquim Levy. Cobrou a taxação sobre fortunas e o limite às remessas de lucro para o exterior, dando um o recado que a base estava “brava” com o governo.

A fala de Lula, a mais esperada, foi uma decepção!

Lula contornou todos os problemas sentidos pela base social que garantiu a reeleição de Dilma para dar como exemplo seu próprio governo que “também fez um ajuste fiscal”. Chegou até a pedir “compreensão” com os manifestantes enraivecidos que pedem o impeachment de Dilma e o “Fora PT” e ainda disse que “não queremos perturbar o andar de cima, mas eles que não venham nos perturbar”.

Houve gente, e não foi meia dúzia, que saiu do plenário antes de Lula encerrar sua fala.

Em 14 de abril, na abertura do congresso da Confederação Metalúrgica da CUT (CNM), Lula pediu a Dilma que “tente evitar” a aprovação do PL 4330, mas novamente defendeu o ajuste fiscal do Levy.

Mas Lula: não está na hora de ouvir os trabalhadores?



Outras publicações

13 de abril de 2018

A reunião extraordinária da Execu­tiva Nacional (CEN), dia 9, em Curitiba, com Lula preso, afirmou a sua candidatura e outras inicia­tivas (ver notas abaixo). Ninguém defendeu “plano b”, nem na versão Haddad, lançada pelos assessores do ex-prefeito semanas antes, nem na versão Jaques Wagner, que só 48 horas depois foi a Curitiba, e cogitou de […]


9 de abril de 2018

No dia 6 e 7 de Abril uma enorme resistência em São Bernardo do Campo e que repercutiu com atos em todo o país desafiou as instituições apodrecidas deste país que ousaram decretar ilegalmente a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva. Por quase 48h Lula e o povo mobilizado ao redor do Sindicato dos […]


3 de abril de 2018

Publicamos abaixo a curta entrevista de Markus Sokol, da executiva nacional do PT e da coordenação do Dialogo e Ação Petista, concedida hoje ao jornalista Renato Dias, do Diário da Manhã. Renato Dias: Boa tarde! É o jornalista Renato Dias. Olá, uma pergunta apenas: A prisão após a condenação em segunda instancia não fere a Constituição […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -