SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Eleições na Itália causam sobressalto

20 de março de 2018

“Um terremoto político”, escre­veu o jornal “Il Corriere dela Sera” após as eleições italianas de 4 de março. “Um cataclismo eleitoral”, segundo o “Le Monde”. Na votação, manifestou-se uma rejeição ampla aos herdeiros dos partidos que há dé­cadas governam o país em função dos interesses dos patrões, dos banqueiros e dos especuladores, eliminando di­reitos e conquistas dos trabalhadores.

O Partido Democrata (PD), do governo em exercício desde 2013, obteve menos de 19% dos votos (ante 41% nas eleições europeias de 2014). O Força Itália, de Berlusconi, que esteve no poder por diversas vezes entre 1994 e 2011, atingiu 15%. É um sobressalto que atinge toda a União Europeia (UE), já atolada em uma crise profunda. A Itália é a terceira maior potência da zona do euro.

Foi o Movimento Cinco Estrelas (M5S) que ficou à frente, com 32% dos votos. Esse grupo, que se diz “nem de direita nem de esquerda”, capitalizou, com seu slogan “varrer a velha casta de políticos”, a profunda rejeição a esses partidos no poder há décadas, em particular o PD, qualifi­cado como “ninho de corruptos”.

Denunciando de maneira demagó­gica as políticas de austeridade da UE e o euro, apoiando-se no isolamento da Itália diante dos 600 mil imigrantes que entraram na península nos últi­mos anos, comprometendo-se a rever a Lei Fornero (que adiou a idade de iní­cio da aposentadoria para 67 anos) ou o Jobs Act (contrarreforma trabalhis­ta), do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi (PD), o M5S conseguiu ganhar os votos do eleitorado decepcionado do PD, dos jovens ditos da “geração desemprego” e dos abstencionistas.

Não é de se admirar, portanto, que esse grupo tenha atingido mais de 50% dos votos na Campânia ou 48% na Si­cília, regiões do sul onde o desemprego é uma praga endêmica. Regiões que, ano após ano, são empurradas para a pobreza, nas quais os serviços públicos têm sofrido desmantelamento por parte do Estado, e que fornecem uma mão de obra sem direitos.

Uma política desenvolvida por dé­cadas, qualquer que fosse o governo, o do PD de Renzi, ou o de Berlusconi, outro grande perdedor das eleições. Berlusconi foi superado por seu aliado da coalizão de direita, a Liga (ex-Liga do Norte), que teve 17% dos votos.

Tranquilizar “mercados”

Há um pouco mais de um ano, em dezembro de 2016, os trabalhadores, os jovens, os aposentados impuse­ram uma derrota contundente ao governo Renzi. Depois de ter aprova­do o Jobs Act, a reforma do serviço público (que introduziu a possibi­lidade de demitir os servidores) e a “modernização” da escola pública (que abriu a via à sua destruição), o chefe do governo propôs uma refor­ma constitucional. Pretendia alterar a Constituição de 1945, em vigor após a derrota do fascismo, para fazer uma reforma do Senado (que tem os mesmos poderes que a Câmara dos Deputados) e a supressão das províncias. A principal central sindi­cal italiana, a CGIL, chamou o voto “não”, e a reforma foi rejeitada por uma votação esmagadora de 60%. Renzi foi expulso do poder.

Agora, após as eleições de 4 de março, nenhum partido pode pre­tender formar sozinho um governo. São necessários 40% dos votos. Uma situação de incerteza política que alimenta a grande inquietação das instituições europeias.

Os “vencedores” estão pressionados a tranquilizar os “mercados” e a UE. Luigi Di Maio, líder do M5S, afirmou: “Nós sentimos a responsabilidade de oferecer um governo ao país. Dizemos isso em primeiro lugar aos investidores”. E Matteo Salvini, pela Liga, dirigindo-se também aos meios empresariais, disse: “Eles não têm nada a temer”. À UE, garantiu: “Nós estamos na Europa e queremos uma Europa que faça pouco, mas bem”.

O certo é que, qualquer que seja o governo formado, quaisquer que se­jam as combinações entre as diferentes forças políticas, será um governo de grande fragilidade e instabilidade, que terá como encargo continuar uma po­lítica rejeitada pela imensa maioria de uma população que deverá enfrentar.

Marie Stagliano, do jornal “Informações Operárias”, da França



Outras publicações

15 de maio de 2018

Milhares de trabalhadores da África do Sul (Azânia, como o povo chama sua nação) fizeram greve no dia 25 de abril, contra a decisão do presidente Cyril Ramaphosa de impor um salário mínimo de miséria e realizar uma reforma das leis tra­balhistas visando a restringir a ação dos sindicatos. A greve, acompanhada de atos públicos […]


14 de maio de 2018

A greve dos profes­sores na Virgínia Ocidental mostrou o caminho a todos os professores dos Esta­dos Unidos (EUA). Em nove dias de uma greve apoiada por assem­bleias gerais maciças, de 23 de fevereiro a 3 de março, eles con­quistaram 5% de rea­juste e a cobertura so­cial que reivindicavam. O desenvolvimento dessa mobilização é instrutivo: em […]


3 de maio de 2018

As eleições de 20 de maio na Ve­nezuela se dão numa situação de guerra de preços, escassez de alimentos e remédios, insegurança à qual se soma um caos do transporte, apagões de energia, manipulação do cambio do dólar paralelo. Tudo isso num país cada vez mais dependente de importações de bens de primeira necessidade e […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -