SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Eleições presidenciais no México

25 de março de 2018

Em 1 de julho haverá eleições presidenciais e parlamentares no México. A campanha ocorre numa situação marcada pela ofensiva de Trump contra as nações e povos da América Latina, pressionado pela crise que sacode o sistema político dos EUA – um exemplo é a recente demissão do Secretário de Estado, Rex Tillerson.

O ponto alto dessa ofensiva é o cerco econômico montado contra a Venezuela e as ameaças de interven­ção militar, que teria graves implica­ções para todos os países da região (ver pag. 12).

No caso do México, Trump já co­meçou a construção de um muro na fronteira e, para diminuir o déficit comercial dos EUA, exige alterações no Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, da sigla em inglês), mantido com o México e Canada. Atualmente, pelo menos 62,5% das partes dos automóveis devem ser fabricadas num dos três países para não haver a incidência de impostos de importação. Trump quer elevar esse percentual para 85% e que a metade desse conteúdo tenha origem nos EUA.

Ao lado dessa medida haveria outras alterações no Nafta que, se aceitas, ampliariam o saque que as companhias estadunidenses já rea­lizam no México.

Foi para impor essas alterações no Nafta que Trump anunciou que poderia isentar México e Canadá das novas alíquotas de imposto de importação para o aço (25%) e alu­mínio (10%). Uma chantagem em meio à desordem comercial provo­cada por Trump cuja amplitude de medidas de protecionismo, vindas do imperialismo mais poderoso do planeta, expressa o impasse em que se encontra o sistema capitalista em seu conjunto, sufocado dentro das fronteiras nacionais.

“Obrador pela revogação das contrarreformas”

O atual presidente mexicano, Enri­que Peña Nieto, está no cargo graças à fraude eleitoral de 2012, patrocina­da pelos EUA dos tempos de Obama. Se o seu Partido Revolucionário Insti­tucional (PRI) se mantiver no poder, continuará protegendo os interesses da oligarquia compradora do Méxi­co e levará o país a uma situação de profunda decomposição, violência e miséria para as maiorias, acentu­ando sua condição semicolonial, de joelhos para os EUA.

Não existindo no México um parti­do dos trabalhadores, independente dos patrões e de sua subordinação ao imperialismo, o candidato Lopez Obrador, do partido Morena (Mo­vimento Regeneração Nacional) é quem expressa a resistência contra a política pro-imperialista dos partidos do regime. Além do PRI, o PAN (Partido Ação Nacional) – ficou no poder entre 2000 e 2012 com Vicente Fox e Felipe Calderón – e o PRD (Partido da Revolu­ção Democrática), assinaram o chamado Pacto pelo México, em 2012, abrindo caminho para contrarreformas na Constituição que retiraram direitos dos traba­lhadores, permitiram aumentos de tarifas de serviços públicos e abriram para a entrega de re­cursos naturais – em particular o petróleo – às multinacionais.

Entre os professores das escolas públicas, a resistência aos “par­tidos do pacto” e o chamado a votar Obrador foi tema de reso­luções em congressos regionais preparatórios ao Congresso na­cional da CNTE (Coordenadora Nacional dos Trabalhadores em Educação). Entre as medidas decorrentes do “pacto” estava uma suposta “avaliação” que, na verdade, permitiria a quebra da estabilidade e a demissão de professores. Em 2016, uma forte greve nacional de 120 dias barrou sua implantação, mas ela ainda não foi definitivamente aban­donada pelo PRI-PAN-PRD.

Lopez Obrador, em comício na ci­dade de Zacatecas, comprometeu-se a buscar “um acordo para um plano educacional que melhore a qualida­de do ensino sem afetar os direitos trabalhistas do magistério”.

Para a OST-Organização Socialista dos Trabalhadores, seção mexicana da 4a. Internacional, é hora de for­mar comitês de ação política pelo voto Obrador, pela revogação de todas as contrarreformas, por um governo que solucione as demandas da nação e da classe trabalhadora, apontando, portanto, para a convo­cação de uma Assembleia Nacional Constituinte.

Correspondente



Outras publicações

15 de maio de 2018

Milhares de trabalhadores da África do Sul (Azânia, como o povo chama sua nação) fizeram greve no dia 25 de abril, contra a decisão do presidente Cyril Ramaphosa de impor um salário mínimo de miséria e realizar uma reforma das leis tra­balhistas visando a restringir a ação dos sindicatos. A greve, acompanhada de atos públicos […]


14 de maio de 2018

A greve dos profes­sores na Virgínia Ocidental mostrou o caminho a todos os professores dos Esta­dos Unidos (EUA). Em nove dias de uma greve apoiada por assem­bleias gerais maciças, de 23 de fevereiro a 3 de março, eles con­quistaram 5% de rea­juste e a cobertura so­cial que reivindicavam. O desenvolvimento dessa mobilização é instrutivo: em […]


3 de maio de 2018

As eleições de 20 de maio na Ve­nezuela se dão numa situação de guerra de preços, escassez de alimentos e remédios, insegurança à qual se soma um caos do transporte, apagões de energia, manipulação do cambio do dólar paralelo. Tudo isso num país cada vez mais dependente de importações de bens de primeira necessidade e […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -