SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

ENTREVISTA: Greve do magistério gaúcho

18 de setembro de 2017

IMG-20170912-WA0044

Os professores estaduais do Rio Grande do Sul estão em greve por tempo indeterminado, desde o dia 5 de setembro. A mobilização é contra o parcelamento de salários por parte do governo de Sartori (PMDB). O Traba­lho ouviu o professor Luiz Henrique, recém-eleito diretor do 14º Núcleo do CPERS/Sindicato – professores e fun­cionários de escola – que abrange 25 ci­dades da região do Vale do Sinos, entre elas São Leopoldo e Novo Hamburgo.

Entrevista feita por Marcelo Carlini.

O Trabalho – Qual a situação da categoria?

Luiz Henrique – A situação é desespe­radora. Nos chegam relatos de profes­sores despejados de suas casas e que vivem com parentes porque não tem recursos para se alimentar.

O governo do Estado depositou R$ 350,00 no dia que deveria pagar os salários e já ameaça que pode juntar um parcelamento com outro. O 13º de 2016 foi parcelado em 12 vezes. Já são 21 meses que não recebemos os sa­lários – baixos e congelados – em dia.

OT – Como está a adesão ao movimento?

LH – A greve está crescendo na região e em todo o Estado. Na manhã de hoje (12/9) o Sindicato arrancou uma audi­ência do governo com o comando de greve a partir de um ato realizado em frente ao Palácio Piratini.

Nossa mobilização precisa avançar na organização da categoria, elegendo e reforçando os comandos de greve, representantes de escola e de muni­cípios, além de buscarmos o apoio e a participação de toda a comunidade escolar no movimento. Nesta sema­na estamos organizando uma Aula Pública para explicar os motivos da crise e as consequências do acordo da dívida que Sartori quer assinar com Temer, foi a forma que encontramos para mostrar para a categoria como o ajuste fiscal nacional se relaciona com a política local.

OT – O que o governo alega para justificar o parcelamento?

LH – O governo cria o caos de caso pensado. Dinheiro existe, mas somen­te com a Lei Kandir (isenção de ICMS sobre exportações) o estado perdeu R$ 48 bilhões, a dívida com a União leva R$ 300 milhões todo o mês, e as isenções representam R$ 14 bilhões por ano. Isso para não falarmos da sonegação estimada em R$ 8 bilhões por ano. Todo esse dinheiro daria para pagar e reajustar os salários, além de contratar novos servidores. O pro­blema é que Sartori protege os ricos e chantageia os trabalhadores para convencer o povo de que é preciso fazer o acordo da dívida com Temer, como no Rio de Janeiro. Nesse acor­do, em troca da suspensão temporária da dívida, o governo congela salários e suspende contratações até 2020, entrega as estatais como garantia e estrangula ainda mais os serviços públicos. Daí que temos que combater contra a concretização desse acordo que só vai estrangular mais os serviços e os servidores públicos do estado.

OT – Recém-eleito para direção do 14º Núcleo, quais as tarefas pela frente?

LH – Nosso núcleo era dirigido pela Conlutas. Na campanha confirma­mos nossa avaliação de que a política deles nunca foi a de organizar a cate­goria, eleger representantes de escolas e cidades. A tática era manter poucos filiados para controlar tudo com mais facilidade. Nosso principal desafio é fazer aquilo que a Direção Central reeleita começou a fazer, reconstruir a entidade para enfrentar a política de desmonte dos serviços públicos e ataque aos direitos de Sartori. E isso começa já, na batalha para reforçar nossa greve. Como também conectar nossa categoria com o movimento mais geral dos trabalhadores, com a CUT, na luta contra o golpe e as con­trarreformas dos golpistas.



Outras publicações

15 de fevereiro de 2018

O governo golpista, depois da farsa judicial da condenação de Lula, voltou à carga para tentar aprovar a PEC 287 de desmonte da Previdência em fevereiro (ver box). O presidente da CUT, Vagner Frei­tas, anunciou greve geral no dia 19, diante dos milhares reunidos na Pra­ça da República em São Paulo em 24 de janeiro. […]


8 de fevereiro de 2018

Em 23 de janeiro a Assembleia Na­cional Constituinte (ANC) pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organização das eleições presidenciais até 30 de abril próximo (o mandato de Nicolás Maduro terminaria em 2019). Num cenário continental marcado pela pressão do imperialismo dos Estados Unidos para impor governos a seu serviço – fraude nas eleições em […]


7 de fevereiro de 2018

Entre 22 e 28 de janeiro ocorreu em Salvador o 37º Congresso do ANDES-SN. Num momento em que Lula era julgado pelo TRF-4, a atual direção do sindicato esforçou-se para manter o ANDES isolado da realidade do país e dos próprios docentes. Com o falso argumento de que a de­fesa da democracia e do direito […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -