SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Espanha: o discurso do Rei ameaça as liberdades

9 de outubro de 2017

Divulgamos a Declaração do Partido Operário Socialista Internacionalista (POSI, Seção da IVª Internacional na Espanha) feita logo depois do Rei de Espanha ter pronunciado um discurso sobre o resultado do referendo na Catalunha.

Milhões manifestam-se, em toda a Catalunha, pela democracia e contra a repressão organizada pelo Regime monárquico. Ontem (dia 2, nota do editor) os cortejos das CCOO e da UGT tiveram um peso importante na manifestação de Barcelona. De Madrid, Sevilha, Bilbao, Valencia… trabalhadores e povos começaram a fazer causa comum com o povo catalão. Tudo isto é insuportável para a Monarquia. Felipe VI pronunciou um discurso que o consagra como um digno herdeiro de Francisco Franco (tal como o é, através do seu pai) e do Franquismo.

Decepcionando aqueles que esperavam que ele assumisse o papel de árbitro – que lhe confere a Constituição de 1978 – para apelar a algum tipo de diálogo, o Bourbon apelou à intervenção imediata do Estado contra a Catalunha.

Se chocou várias vezes contra o Governo e as instituições da Catalunha, ao mesmo tempo que fechava os olhos às cenas de repressão indiscriminada que todos podemos ver em 1 de Outubro e que despertaram a indignação de tantos democratas, na Catalunha, no resto do Estado espanhol e fora das nossas fronteiras. A sua mensagem só pode ser entendida como a ordem para efetuar uma escalada na repressão, ao dizer que “é responsabilidade dos legítimos poderes do Estado assegurar a ordem constitucional e o normal funcionamento das instituições, a vigência do Estado de Direito e o autogoverno de Catalunha, baseado na Constituição e no seu Estatuto de Autonomia”.

O editorial do jornal ABC, considerado como porta-voz oficioso da Casa Real, explica que a Catalunha caminha para uma insurreição generalizada e que, nestas circunstâncias, pode não bastar aplicar o artigo 155 da Constituição, que suspenderia a autonomia da Catalunha, tornando-se necessário declarar o Estado de Sitio.

O Rei, em tom ameaçador, terminou o seu discurso com um “compromisso como Rei com a unidade e a continuidade da Espanha”. O que significa que a liberdade dos cidadãos e dos povos requer a República, para liquidar as instituições antidemocráticas que vêm da ditadura.

Após este discurso, só podemos esperar o pior: intervenção sobre a autonomia da Catalunha, detenção dos responsáveis do seu Governo (a Generalitat), ocupação pelas “forças da ordem” tanto das instituições autonómicas e municipais da Catalunha como da rua. Há um perigo sério de que se abra uma situação nada favorável à classe trabalhadora, que – com a sua luta unida, desde Bilbao a Cádis, e desde a Corunha a Barcelona – conquistou e defendeu os direitos democráticos e sociais. Querem impor-nos um enfrentamento com o povo da Catalunha que acabe com essa união.

Até agora, muitos têm esperado em vão que as principais organizações – que falam em nome da classe trabalhadora e a organizam – apelem a unir as forças operárias e democráticas, em todo o Estado, para deter o braço que golpeia o povo catalão e, com ele, as liberdades de todos. Os dirigentes sentem-se atados ao Regime? O que tem que ver o socialismo ou o movimento operário com a sanha franquista contra as urnas de voto e a democracia? Em nosso entender, está na hora de Pedro Sánchez (PSOE), Unai Sordo (CCOO), Pepe Álvarez (UGT), Pablo Iglesias (Podemos) e Alberto Garzón (Esquerda Unida) darem um passo em frente e é preciso exigir isso por todos os lados: que apelem as demais organizações e a classe operária a intervirem, com as suas próprias propostas, contra a repressão e em defesa das liberdades ameaçadas. Só a classe trabalhadora pode impor uma saída política, baseada na defesa dos direitos dos trabalhadores e da fraternidade ente os povos.

4 de Outubro de 2017



Outras publicações

8 de fevereiro de 2018

Em 23 de janeiro a Assembleia Na­cional Constituinte (ANC) pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organização das eleições presidenciais até 30 de abril próximo (o mandato de Nicolás Maduro terminaria em 2019). Num cenário continental marcado pela pressão do imperialismo dos Estados Unidos para impor governos a seu serviço – fraude nas eleições em […]


17 de janeiro de 2018

Nem bem começou o ano de 2018 e uma série de artigos de opinião foi publicada em jornais de todo o mundo advogando uma in­tervenção militar de países vizinhos na Venezuela. A ideia não é nova, mas é relançada diante do fracasso da oposição inter­na do país em todas as suas tentativas de derrubar o […]


9 de novembro de 2017

Não há mais desculpa para não se atacar especulação e desabastecimento A resistência do povo trabalhador aos ataques do imperialismo e seus aliados foi o que permitiu as vitórias políticas da eleição e instalação da Assembleia Nacional Constituinte e, em 15 de outubro, o triunfo nas eleiçõespara governadores. Assim foi dada uma nova oportunidade ao […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -