SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Estado de exceção e o bonapartismo do judiciário (*)

31 de dezembro de 2016
camp_proc_10_medidas

Crise institucional acentua a necessidade da constituinte soberana.

Em nome de um falso “combate à corrupção” o ministério público e o judiciário ditaram o ritmo do golpe que derrotou o governo do PT e instalou no poder uma seleção de políticos corruptos. Enquanto juízes e procuradores avançam para agir como ditadores e não se cansam de exigir privilégios (salários de R$ 40 mil!), seis ministros do golpista Temer já caíram em meio a escândalos de corrupção, o mais recente foi Geddel Vieira Lima. Na grave situação do país, as apodrecidas instituições tornaram-se transmissoras dos interesses do capital financeiro.

A saída democrática aponta para a convocação de uma assembleia nacional constituinte soberana para realizar reformas que assegurem a defesa da nação e dos direitos dos trabalhadores.

Ministério Público toma de assalto o Congresso Nacional

O Estado de exceção se desenha desde as condenações, sem prova, da Ação Penal 470 – o chamado “Mensalão” – e progrediu com a banalização das prisões preventivas e conduções coercitivas da Lava Jato, como a de Lula, em 4 de março. Avançou mais quando, em 16 de março, Sérgio Moro ousou mandar gravar ilegalmente uma conversa da Presidente da República e, no mesmo dia, entregou-a, para a exploração sensacionalista da Rede Globo, de quem o juiz havia recebido “prêmio”.

Chamado à atenção pelo Supremo Tribunal Federal, Moro defendeu que provas obtidas ilicitamente, como a gravação de Dilma, deveriam sim poder ser utilizadas em juízo. Essa ideia medieval é uma das, mal denominadas, “10 medidas contra a corrupção”. Trata-se de projeto de lei que o Ministério Público formulou e apresentou ao Congresso depois de realizar institucionalmente uma campanha publicitaria para coletar “apoio popular”, num claro desvio de função. Na tramitação, os deputados retiraram alguns dos absurdos, como o direito de usar provas ilícitas e anunciaram intenção de incluir artigo para punir abusos de autoridade cometidos por juízes e procuradores.

 

united-ccorrupcao

Dallagnol, fazendo show com sua camiseta “united” contra a corrupção

 

Foi o que bastou para uma tropa de choque de procuradores, tendo à frente Dallagnol – o que tem “convicção” contra Lula, mas não provas – adentrar o Congresso Nacional, em 14 de novembro, para pressionar o relator, Onyx Lorenzoni (DEM) que, subserviente, não somente obedeceu aos procuradores-lobistas como, no dia seguinte, foi se confraternizar com eles num restaurante de Brasília.

Ao mesmo tempo, a corrompida base de Temer liderava uma articulação para incluir emenda de “anistia ao caixa 2”. Imediatamente MP e juízes reagem para interferir no processo legislativo (o que nem de longe é sua atribuição legal!). Em 16 de novembro, Dallagnol tuitou, atiçando contra “manobras de líderes partidários”. No meio da tarde fascistas interromperam a sessão da Câmara gritando “contra os corruptos”.

E em pleno domingo, 27 de novembro, os golpistas Temer, Renan e Rodrigo Maia, numa patética entrevista coletiva, anunciam que baixaram a cabeça aos procuradores-lobistas. Mas em 29, contrariando essa trinca, na aprovação do projeto, foi incluída a tipificação de crime de abuso de autoridade por parte de juízes e procuradores, inclusive quando desrespeitarem prerrogativas de advogados. O indefectível Dallagnol, ainda de madrugada, pelo twitter, acusa os deputados de “intimidar promotores e juízes”. Ele quer ser intocável e impune. A crise das instituições apodrecidas só tende a se agravar.

Edison Cardoni

(*) Bonapartismo: vem do nome do Imperador francês Luiz Bonaparte; um tipo de governo burguês que procura apresentar-se como quem estaria “acima” dos demais poderes e de todas as representações políticas; geralmente surge em momentos de crise das instituições e ou de representação política da burguesia. No caso, o Judiciário procura alçar-se como um poder por cima dos demais poderes (nota do editor).


Lava Jato a serviço dos EUA

Quando se diz que a Operação Lava Jato está objetivamente a serviço do imperialismo, isso não é figura de retórica. De um lado, é evidente que a operação, conduzida pelo Judiciário com auxílio do Ministério Público e da Polícia Federal, busca criminalizar o PT, na tentativa de destruí-lo. Para isso, vale tudo: manipulação da mídia, cerceamento de defesa, acusações feitas com base em convicções, e não em provas etc.

Um outro lado é o ataque à Petrobras e a empresas brasileiras em geral, em proveito das multinacionais. A defesa de Lula levantou a suspeita de colaboração dos procuradores e do juiz Sergio Moro com o Departamento de Justiça dos EUA, cujo governo busca acordos de delação com alguns acusados na operação, como reforço aos processos movidos contra a Petrobras.

Ao menos quatro testemunhos nas últimas semanas deram indicações nesse sentido. Só que os advogados de Lula foram impedidos por Moro de aprofundar as perguntas a respeito.

Lava Jato: intermediária dos EUA

Em seu depoimento, Eduardo Leite, que foi executivo da empreiteira Camargo Correa, falou da discussão de um acordo. Inicialmente, disse: “Na verdade foi uma busca do governo americano através da força-tarefa [da Operação Lava Jato], no qual nós fomos procurados para saber o intuito e interesse de haver um partilhamento, de a gente participar do processo lá”. Quando um dos advogados de Lula perguntou se a Lava Jato tinha sido a intermediária no contato, um procurador tentou impedir a resposta. Leite então disse que “gostaria de consertar”, porque só seu advogado saberia dizer como foi o procedimento.

O depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, foi ainda mais claro. Quando o advogado perguntou sobre o acordo que ele negocia com os EUA, Costa disse que “pessoas ligadas à Procuradoria” participaram das reuniões.

 

lavajato_eua

“foi uma busca do governo americano através da Lava Jato para saber o interesse de um partilhamento, de a gente participar do processo lá”.

 

São autoridades do Brasil que colaboram com os EUA contra os interesses brasileiros!

Depois da abertura do Pré-sal para exploração de multinacionais estrangeiras, a Lava Jato dá a sua contribuição à tentativa de desmantelar a Petrobras. Um dos efeitos imediatos é a perda de milhares de empregos no país.

Cláudio Soares


Artigos originalmente publicados na edição nº 799 do jornal O Trabalho de 1 de dezembro de 2016.



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -