SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Força e Fiesp juntas de braços dados com o golpe

28 de setembro de 2017

Até aí, normal. A pergunta é: o que a CTB faz com essa gente?

O golpista Temer recebeu no Palácio do Planalto cinco Centrais sindicais – Força Sindical (FS), Central de Sindicatos Brasileiros (CSB), Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Nova Central – e empresários capitaneados por Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústria de São Paulo, a Fiesp, no dia 12 de setembro.

A CUT não participou desse circo.

No mesmo dia, foi publicado em jornal de grande circulação um informe publicitário dessas centrais em conjunto com a FIESP pedindo empregos. Como é possível fazer um movimento junto com aqueles que desempregam 13 milhões de trabalhadores, que financiaram o golpe contra Dilma e votaram a contrarreforma trabalhista que pretende acabar com os direitos do conjunto dos trabalhadores?

Que a Força Sindical se preste esse serviço, através do deputado Paulinho, seu presidente, já sabemos. Afinal, estava do lado de Paulo Skaf e seu pato na armação do golpe. Ele votou com os golpistas pelo impeachment de Dilma e depois votou para salvar Temer da abertura de processo de impeachment.

Agora, as demais centrais, em particular a CTB cuja direção é identificadacom o PCdoB, se envolver nesta operação, é um papelão!

A FS, UGT, CTB, Nova Central e CSB vem se reunindo para buscar uma forma de assegurar o custeio sindical, diga-se, o famigerado imposto sindical. Afirmam que é para enfrentar a reforma trabalhista.

Bem ao estilo do peleguismo, Paulinho afirma que “haverá entrega de um importante documento dos trabalhadores e do empresariado de São Paulo. É um documento que cobra a volta do crescimento econômico, a volta do emprego. ” (Agência Sindical).

Mas não para aí! Botando fé nesse reacionário Congresso Nacional, afirma ainda: “Eu acho que o movimento sindical, de certo modo, pecou em algum período no enfrentamento com a política nacional, com o Congresso Nacional”. Ele afirma que, depois de 28 de abril, é hora de “entrar no período de negociação e diálogo com cada um dos líderes dos partidos, com o próprio governo, para que a gente possa voltar a garantir os direitos dos trabalhadores”.

E ainda diz que está negociando um Medida Provisória (MP) com o governo: “Estamos discutindo os detalhes dessa MP, quais as questões que podem modernizar e moralizar o movimento sindical e manter aquele sindicalismo que realmente defende os interesses dos trabalhadores”.

Certa está a CUT, que combateu a contrarreforma trabalhista e agora quer mobilizar pela sua revogação. Para isso lançou em seu Congresso Extraordinário um Projeto de Lei de Iniciativa Popular que pede a revogação da contrarreforma trabalhista e da terceirização.

Esse é o caminho: a luta em defesa dos direitos trabalhistas. E não negociar com um governo que rouba direitos e entrega a soberania, um golpista odiado pelo povo brasileiro.

O que dizem os sindicalistas da CTB? Integram a Frente Brasil Popular que luta contra o golpe, mas se aliam à Força e a Fiesp para negociar a retirada de direitos dos trabalhadores com golpistas?

João B. Gomes



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -