França: solidariedade com Jean-Luc Mélenchon

Photo Stéphane Lagoutte pour Libération
Manifestação em frente à sede de França Insubmissa, contra a perseguição

O movimento França Insubmissa (FI) e seu dirigente Jean-Luc Mélenchon estão sendo seguidamente atacados por intensa campanha política e midiática. Sedes do partido e a residência de Mélenchon e de outros dirigentes foram alvos de busca e apreensão. A data escolhida para esses ataques está evidentemente ligada ao anúncio da reforma ministerial do governo Macron.

Impossível não enxergar na desproporção de forças policiais engajadas nessa investigação, bem como na brutalidade empregada, uma imagem concentrada da situação na qual estamos entrando. Um poder cada vez mais isolado, convencido desde o primeiro minuto que sua reforma ministerial foi um fracasso, decidiu mostrar seus músculos.

Um poder que decidiu lançar uma cortina de fumaça colocando seu “chefe”, o presidente Macron, para pretensamente combater o populismo, que seria representado por Mélenchon.

Os fatos que acabaram de acontecer, martelados insistentemente pela mídia oficial, indicam que entramos numa deriva perigosa.

Essa deriva tem uma razão: o poder concedido pelas instituições da Quinta República ao presidente bonaparte para prosseguir na “transformação” do país contra a vontade de sua imensa maioria. O POI manifesta seu apoio incondicional à França Insubmissa, à sua direção e a seu dirigente Jean-Luc Mélenchon, grosseiramente caluniado. (17 de outubro).