SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Lula Candidato

11 de março de 2017
lula

Para fazer o que não foi feito.

Um manifesto de intelectuais (Chico Buarque, Leonardo Boff, Fernando de Moraes e outros) pediu para Lula se lançar candidato a presidente em 2018 “porque ainda é preciso incluir muita gente e reincluir aqueles que foram banidos outra vez”.

A discussão já existia, deve crescer. Sem dúvida, o regime golpista cada vez mais odiado, acentua a busca de uma saída política.  E a perseguição jurídico-midiática contra Lula, realça a alternativa temida pela classe dominante.

As pesquisas mostram como a impopularidade de Temer alavanca a candidatura de Lula (e também a do deputado Bolsonaro que se alimenta da desmoralização dos partidos da direita), embora falte um ano e meio para o pleito.

Mas de fato, para os trabalhadores, o quanto antes é melhor, terminar com o desmonte econômico, social e nacional de Temer.

Por outro lado, carente de legitimidade, Temer pode cair antes, sobretudo se a resistência travar a reforma da Previdência e a Trabalhista, sua sustentação no “mercado”.

O menor problema seria descartá-lo, por injunção do Tribunal Superior Eleitoral que julga suas contas de campanha. Tanto que a própria Folha de S. Paulo golpista já diz em editorial que “a cassação da chapa levaria a uma eleição indireta —por um Congresso sob níveis históricos de descrédito— para os postos de presidente e vice. Melhor seria que uma emenda constitucional impusesse a escolha por voto popular(3/3/17).

Nessa situação, Lula seria candidato a presidente para fazer o que?

Não poderia repetir 2002, e “reincluir” simplesmente. A situação internacional mudou, não há setor das elites para se “aliar” e – realismo-, tampouco há aquela expectativa de formidáveis ilusões, de que bastaria eleger o “salvador” (nas pesquisas há certa rejeição).

Lula presidente do PT

Por outro lado, com o PT abalado e ameaçado, Lula ser presidente consensual do PT, é uma forma de dar coesão ao partido. O risco da condenação jurídica de Lula é um argumento para a invalidação de sua candidatura, não para a condução do partido, bem entendido, numa linha de enfrentamento com as instituições golpistas.

A candidatura Lula cruza o debate do 6o Congresso do PT. Em especial sobre o balanço da dupla derrota sofrida na derrubada de Dilma e na eleição municipal. Dela decorrem as tarefas da hora, a luta contra a reforma da Previdência e a Trabalhista – que pede uma greve geral – e o Fora Temer. Necessidades da defesa dos trabalhadores  para potencializar a candidatura Lula que pode se colocar de imediato.

Em sintonia, a plataforma da candidatura do PT, Lula, deve superar a do primeiro mandato que, apesar das conquistas, todavia, abriu caminho à maior derrota já sofrida pelo PT. Não preparou o povo para enfrentar as instituições herdadas, optou pela adaptação, com o aliancismo de conciliação, até que as instituições o derrubaram.

Por isso, o primeiro ponto da plataforma de Lula deve ser a convocação de uma Constituinte Soberana para fazer as reformas que não foram feitas, Política, da Mídia, Tributária, Agrária e outras. Só assim, se criará novas instituições emancipadas da ditadura do superávit para pagar a dívida, compatíveis com um governo popular que atacar a desigualdade na raiz.

Como às vezes diz o próprio Lula, “voltar para fazer o que não fiz”. Ele é o melhor colocado para isso.

Markus Sokol



Outras publicações

22 de setembro de 2017

Em troca de brutais cortes de gastos sociais e aumento de receitas (incluindo privatizações e aumento de impostos), o Estado do Rio de Janeiro obteve do governo federal um “socorro” chamado de “plano de recuperação fiscal”. No acordo anunciado no início de setembro, o primeiro passo do plano é a concessão no próximo mês de […]


21 de setembro de 2017

No dia 1º de setembro foi lançado o Projeto de Lei de Iniciativa Po­pular que exige um plebiscito oficial sobre as concessões e privatizações que o prefeito Dória (PSDB) pretende fazer na cidade com os equipamentos públicos. O objetivo da campanha “São Paulo não está à venda” é reco­lher 177 mil adesões, para enviar o […]


20 de setembro de 2017

Por ocasião da retirada das tro­pas da Minustah, entrevistamos David Oxygène, membro do Movi­mento de Liberdade, Igualdade dos Haitianos pela Fraternidade (Mole­ghaf) e da Coordenação Haitiana pela retirada das tropas da ONU. David é um dos aderentes, no Hai­ti, da preparação da 9º Conferência Mundial Aberta (Argel, de 8 a 10 dezembro), convocada pelo Acordo […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -