Lula é Haddad, com Constituinte!

Foto de Ricardo Stuckert

Em uma das primeiras atividades de rua, já como candidato a presidente, Haddad afirmou em Osasco (SP), no dia 13 de setembro, o compromisso com o plano Lula de governo. Plano que propõe, como medida necessária para romper com o desastre nacional orquestrado pelas atuais instituições, a convocação de uma Constituinte para revogar as medidas golpistas e avançar reformas populares. É por aí que a campanha deve prosseguir.

A acelerada subida de Haddad nas pesquisas, com apenas uma semana de campanha, mostra a força do voto Lula e do PT que vem da esperança do povo trabalhador de acabar com o sofrimento imposto pelo golpe.

Os generais se inquietam, os tribunais seguem na perseguição, e o mercado começa a fazer sua chantagem, um verdadeiro “terrorismo” como bem disse Haddad, especulando com o dólar.

“Foi o mercado que jogou o país no caos”

O mercado vai chantagear, vai tentar seduzir, vai pressionar. O capital financeiro vai fazer de tudo para neutralizar a possibilidade de que um governo do PT atenda às aspirações populares e mais, avance as medidas que o governo golpista não foi capaz de entregar, como a contrarreforma da Previdência da qual o mercado não desiste, bem pelo contrário, é uma de suas principais exigências ao próximo governo. Sobre isso não há o que tergiversar!

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, sobre a Previdência Haddad declarou que “não tem que ter tabu”, referindo-se a “todas as variáveis, idade mínima, alíquota de contribuição”. Mas, a maioria do povo trabalhador não quer saber de reforma da Previdência, ou seja, perda de diretos! Por isso em 28 de abril de 2017, na grande greve geral, derrotou a contrarreforma de Temer. E é daí, da maioria trabalhadora que pode vir a vitória do PT.

O mercado vai chantagear, tentar seduzir, mas como bem disse a presidente do PT, Gleisi, “o mercado já nos conhece. Não precisamos fazer essa interação. Não são a nossa prioridade. E foi o mercado, afinal, que jogou o país no caos em que nós estamos”. (FSP)

Nos próximos 17 dias, até 7 de outubro, é campanha na rua, dialogando com o povo trabalhador e suas reivindicações, reafirmando o plano Lula de governo, para abrir uma saída para o Brasil. O povo já não aguenta mais sofrimento e, como disse Lula em julho, “ninguém aguenta mais a sujeira da política. Virou uma política apodrecida! E a solução para isso, no meu governo, vai ser convocar uma Assembleia Constituinte”.

Misa Boito