“Milhões de Lulas” vão se pôr em movimento

Começou a campanha eleitoral da chapa Lula-Haddad

A campanha Lula Presidente está ganhando as ruas, depois do dia 31, quando começou horário eleitoral gratuito no rádio e na TV. Até o 1o turno o tempo é curto, 5 semanas.

Fernando Haddad, o vice de Lula, começou um giro bem recebido pelo Nordeste (abaixo), visitando bairros e participando de passeatas e atos massivos. Nenhuma outra candidatura presidencial fez isso!

Haddad apresenta propostas do Plano de Governo e explica que representa Lula, enquanto segue a batalha jurídica para devolver-lhe o registro da candidatura.

Nos Estados em geral, os candidatos a governador do PT e os proporcionais puxam o diálogo com o povo sobre o Plano de Governo de Lula e as propostas estaduais. Por fim, os Comitês Lula distribuem panfletos da chapa Lula-Haddad pela coligação “O Brasil Feliz De Novo”, abrindo a discussão nas empresas e nos bairros.

Enquanto Barroso adota medidas de proibição de Lula no horário eleitoral, numa censura descarada, todos juntos, ampliados nas redes sociais, são os “milhões de Lulas” que o próprio Lula convocou antes de ser preso.

Cartas-compromisso
A candidatura de Julio Miragaya ao governo do Distrito Federal tomou uma iniciativa que pode ser generalizada. Junto aos diretores do Sindlurb, sindicato dos garis (CUT), estabeleceu uma carta-compromisso (abaixo) com as demandas da categoria, que seguirão em pauta após a eleição, e já criam um vínculo de mobilização. Outros candidatos a governador do PT ou a deputado e senador, podem fazer o mesmo com setores interessados. A campanha ganha em organicidade.


CARTA COMPROMISSO COM OS GARIS (Candidatura Julio Miragaya ao governo do DF)
– Diminuir a sobrecarga de trabalho e impedir o aumento da exploração:
a) reabertura de 400 postos de trabalho de garis que foram demitidos em 2018;
b) aumento do quadro de pessoal de acordo com o crescimento das cidades e limitação à mecanização;
– Jornada aos sábados em regime de plantão de modo que o trabalho seja realizado apenas por escala, com direito a hora extra.
– Participação do Governo do DF nas negociações da Convenção Coletiva de Trabalho visando a preservar o equilíbrio nas mesas e a transparência nas
informações em todas as licitações
– Folga geral no Dia do Gari: enviar para a Câmara projeto que torna o dia feriado para os concursados e terceirizados.
– Realizar licitação coerente com a realidade do DF de contratação das empresas de limpeza pública preservando os valores de referência do sindicato, sem cortar postos de trabalho enquanto a população cresce.
– Recomposição do poder de compra do salário, perdido nos últimos três anos.


Chapa Lula-Haddad em Fortaleza

Caminhada com milhares no centro da capital cearense

O PT mostrou sua força em Fortaleza no dia 31. Mais de 10 mil acompanharam a caminhada por Lula Presidente que culminou num ato público numa praça do centro, com a presença do vice, Haddad.

Em sua fala, Haddad explicou que o PT não vai aceitar o veto a Lula e insistirá em sua candidatura, única que pode revogar as medidas de destruição da nação aplicadas desde o golpe de 2016. Ele indicou ainda que a coligação já tinha prontos os recursos em face do julgamento que se realizava naquele momento no TSE. O Diálogo e Ação Petista esteve presente com uma coluna, ao lado dos apoiadores da candidatura do vereador Guilherme Sampaio a deputado estadual. A faixa e os pirulitos expressavam a luta pela saída política do golpe, Lula presidente com Constituinte.

Camilo na contramão
Na contramão desta força, o governador Camilo Santana (PT) fez uma fala estranha no ato: disse que Lula fez o melhor governo da história, mas não chamou a votar no candidato do PT. O fato se deve ao arranjo feito com a anuência da maioria da direção estadual e nacional do partido, com o PDT. Pelo acordo, Camilo não apoiaria nem Lula nem Ciro. Assim, o comitê de Camilo e sua campanha não têm relação coma de Lula. As sedes das campanhas são separadas e os materiais do governador não fazem referência a Lula.

Na prática, Camilo tem declarado seguidos apoios a Ciro, como na inauguração de um comitê do PDT onde, de mãos dadas com o seu candidato, bradou, “tamo junto!”

A Coordenação do DAP encaminhou à direção do PT uma petição para barrar o apoio do governador a Ciro e para que se engaje na campanha Lula-Haddad.

Leda Vasconcelos


Povo recebe Lula abraçando Haddad

Em Salvador, das janelas das casas e dos ônibus, se ouvia “Olê,olê, olá, Lula!”

Em campanha por Lula Presidente, Haddad esteve em Salvador no dia 21. A agenda incluiu reuniões com lideranças dos movimentos populares, sindicais e da juventude, e um ato de rua com o povo.

O vice foi recebido aos gritos de “Lula livre, Lula presidente” numa caminhada com cerca de 5 mil no tradicional bairro da Liberdade, na capital, ao lado do governador petista Rui Costa.

Rui corretamente afirmou: “Lula presidente, Haddad vice, e de quebra Rui governador”. Em seu discurso, Haddad ratificou ser vice de Lula, injustamente preso sem provas. “Nós não vamos abrir mão da candidatura do Lula, não vamos abrir mão da defesa do Lula”, afirmou.

O DAP marcou presença numa coluna com sindicalistas e professores. Ao lado da Juventude Revolução do PT, eles agitaram a caminhada com a afirmação da candidatura de Lula.

A população do bairro, nas janelas e dentro dos ônibus respondia com gritos de “Olê, olê, olê, olá, Lula, Lula!”

A vibração das ruas não esconde alguns problemas da chapa majoritária baiana que não tocou o jingle de Lula no carro de som. Também estava lá a “base aliada” azulzinha do PSD e PP que surfa na onda Lula, mas votou as medidas golpistas de Temer como a Emenda 95 e a entrega do Pré-sal.

Mas é Lula com “a força do povo” quem deu o tom.

A mídia foi obrigada a cobrir a atividade relatando que “Haddad fez caminhada por Lula em Salvador” e que “Haddad foi recebido pela população aos gritos de ‘Lula’”, já que foi o desejo de Lula ser presidente e o vermelho das bandeiras do PT e da CUT que marcaram a atividade.

Maira Gentil