Parem os massacres contra os palestinos!

Alertamos os camaradas e organizações que participam das atividades do Acordo Internacional dos Trabalhadores e dos Povos sobre os acontecimentos dramáticos que ocorreram na Palestina nos últimos dias.

Em 30 de março, quando se comemora o “Dia da Terra”, dezenas de milhares de palestinos se manifestaram atendendo ao chamado de um coletivo de organizações sob a palavra de ordem “a marcha do retorno”, em direção à rede de arame farpado e de muros que encerra os habitantes de Gaza em um verdadeiro gueto onde dois milhões de habitantes sobrevivem dentro de 360 quilômetros quadrados. Em sua maioria, eles são os netos daqueles que foram expulsos de suas terras em 1948.

Quando essa manifestação pacífica estava ainda a cem metros da barreira, os soldados do exército de ocupação israelense atiraram com balas verdadeiras sobre a multidão de homens, mulheres e crianças, matando dezesseis pessoas e ferindo centenas de outras.

Palestina

Essa “marcha do retorno” estava prevista para permanecer até o dia 15 de maio, dia da Nakba (“catástrofe”). A Nakba é celebrada desde 15 de maio de 1948, data em que as milícias sionistas expulsaram 800.000 palestinos de suas terras, os empurrando para as estradas do exílio, principalmente nos países da região. São essas famílias que compõem os mais de 5 milhões de refugiados, sem contar os refugiados do interior.

A continuidade entre os acontecimentos de 15 de maio de 1948 e esse 30 de março de 2018 é aquela da longa opressão, da repressão e dos massacres cometidos contra o povo palestino. Em outras palavras, a negação do direito do povo palestino a viver em sua terra. Mas não haverá paz na Palestina enquanto esse direito não for concretizado.

De imediato, e conforme a moção unitária adotada pela 9ª Conferência Mundial Aberta de Argel, nós apelamos, sob as formas próprias a cada país, a denunciar os massacres cometidos pelos soldados israelenses, a repressão feroz que prossegue e a apoiar a luta legítima do povo palestino para recuperar seus direitos democráticos nacionais.

Os coordenadores do Acordo Internacional dos Trabalhadores e dos Povos

Louisa Hanoune, Secretária do Partido dos Trabalhadores da Argélia,
Dominique Canut, em nome da executiva nacional do Partido Operário Independente da França

2 de abril de 2018