SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Espanha: Pedro Sánchez vence eleição interna no PSOE

18 de junho de 2017
pedro sanchez psoe

Na disputa pela secretaria-geral do partido, base operária reuniu-se em torno de sua candidatura

No dia 21 de maio, depois de duas semanas de campanha interna, com dezenas de reuniões públicas e de comícios, houve a eleição para o cargo de secretário-geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). A votação registrou comparecimento de 92% dos 187,6 mil filiados ao partido. Desses, 50% votaram no ex-secretário-geral Pedro Sánchez, 40% em Susana Díaz e 10% em Patxi López.

O que cada um deles representa?

Sánchez conseguiu reunir em torno de si a maioria dos militantes do movimento operário que desejam se reapropriar de seu partido para colocá-lo à frente da luta contra o governo direitista de Mariano Rajoy e pelas reivindicações centrais: revogação da reforma do Código do Trabalho, do artigo 315.3 do Código Penal (que criminaliza greves), defesa do regime público de aposentadorias, de uma solução política para a Catalunha. Uma carta, assinada por mais de mil sindicalistas filiados ao partido, havia manifestado apoio a Sánchez.

De outro lado, a quase totalidade da velha direção do PSOE, a começar por Felipe González (apoiador maior da monarquia e do capital financeiro), com a ajuda dos grandes jornais, do “El País” ao “ABC” (porta-voz da Casa Real), fez campanha por Susana Díaz, atual presidente do governo regional de Andaluzia. No ano passado, ela orientou a abstenção da bancada do PSOE no Parlamento, permitindo assim a constituição do novo governo Rajoy.

O terceiro candidato, Patxi López, sem ter uma posição em particular, foi colocado pelo aparelho do partido para tentar dividir os votos.

A batalha no PSOE continua. Neste mês ocorrerá o congresso do partido, quando novamente vão se enfrentar os apoiadores de Sánchez e de Díaz.

Ataques dos jornais

Logo após o anúncio do resultado da eleição, houve várias declarações contra Sánchez. Os editoriais do “El País”, jornal que se diz “progressista”, do “ABC” e de “La Razón” (extrema direita) tiveram o mesmo tom. “Quem ganhou foi a cultura da revanche histórica, o questionamento da transição (da ditadura), de ruptura da Constituição. Reconduzir esses militantes ao compromisso, aos valores da política de pacto com a direita foi impossível. A divisão social está aí.”

Esses mesmos jornais fizeram apelo ao aparelho partidário para usar o bisturi, ou seja, limpar o PSOE da maioria de seus militantes. Sem pudor, escreveram que Sánchez conduzirá o partido à marginalidade. Esse argumento ignora que, na Alemanha, por exemplo, o Partido Social-Democrata (SPD) acaba de sofrer uma derrota histórica em seu reduto da Renânia do Norte-Vestefália, por abandonar posições defendidas por sua base social operária.

O declínio do PSOE, a perda constante de militantes e de votos teve como ponto de partida o dia 10 de maio de 2010, quando o primeiro-ministro José Luis Rodríguez Za­patero aprovou um plano brutal de austeridade e uma primeira reforma do Código do Trabalho. Isso provocou, segundo o então secretário-geral da central sindical UGT, Cándido Méndez, uma ruptura com a classe operária.

O resultado dessa eleição interna é um reflexo direto da resistência da classe operária, que se manifesta em todas as suas organizações. A luta prossegue, e nenhum militante operário comprometido com a defesa dos direitos sociais e democráticos pode se considerar neutro.

artigo originalmente publicado na edição nº 808 do Jornal O Trabalho



Outras publicações

16 de agosto de 2017

As armas de destruição em massa da coalizão militar conduzida pelo exército estadunidense transformaram Mosul, segunda maior cidade do Iraque, em um grande campo de ruínas. A aviação francesa efetuou 1.307 ataques aéreos no Iraque e na Síria desde setembro de 2014, sendo 600 só na batalha de Mosul. O objetivo era desalojar os militantes […]


14 de agosto de 2017

Delegação é recebida e entrega carta ao Secretário Geral Uma delegação internacional se apresentou na sede da ONU, em Nova York, atendendo ao chamado lançado em fevereiro por organizações políticas, sindicais, populares, democráticas do Haiti, que lutam pela soberania do país, pela imediata retirada da Minustah e de toda forma de ocupação. A delegação foi […]


10 de agosto de 2017

 Mais de 8 milhões votam na Constituinte, resistindo às ameaças do imperialismo Em 31 de julho recebemos de Alberto Salcedo, do Coletivo Trabalho e Juventude (CTJ) da Venezuela, no qual participam militantes da 4ª Internacional, uma nota que expressa o estado de ânimo dos que votaram nas eleições para a Assembleia Constituinte no dia 30: […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -