SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Espanha: Pedro Sánchez vence eleição interna no PSOE

18 de junho de 2017
pedro sanchez psoe

Na disputa pela secretaria-geral do partido, base operária reuniu-se em torno de sua candidatura

No dia 21 de maio, depois de duas semanas de campanha interna, com dezenas de reuniões públicas e de comícios, houve a eleição para o cargo de secretário-geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). A votação registrou comparecimento de 92% dos 187,6 mil filiados ao partido. Desses, 50% votaram no ex-secretário-geral Pedro Sánchez, 40% em Susana Díaz e 10% em Patxi López.

O que cada um deles representa?

Sánchez conseguiu reunir em torno de si a maioria dos militantes do movimento operário que desejam se reapropriar de seu partido para colocá-lo à frente da luta contra o governo direitista de Mariano Rajoy e pelas reivindicações centrais: revogação da reforma do Código do Trabalho, do artigo 315.3 do Código Penal (que criminaliza greves), defesa do regime público de aposentadorias, de uma solução política para a Catalunha. Uma carta, assinada por mais de mil sindicalistas filiados ao partido, havia manifestado apoio a Sánchez.

De outro lado, a quase totalidade da velha direção do PSOE, a começar por Felipe González (apoiador maior da monarquia e do capital financeiro), com a ajuda dos grandes jornais, do “El País” ao “ABC” (porta-voz da Casa Real), fez campanha por Susana Díaz, atual presidente do governo regional de Andaluzia. No ano passado, ela orientou a abstenção da bancada do PSOE no Parlamento, permitindo assim a constituição do novo governo Rajoy.

O terceiro candidato, Patxi López, sem ter uma posição em particular, foi colocado pelo aparelho do partido para tentar dividir os votos.

A batalha no PSOE continua. Neste mês ocorrerá o congresso do partido, quando novamente vão se enfrentar os apoiadores de Sánchez e de Díaz.

Ataques dos jornais

Logo após o anúncio do resultado da eleição, houve várias declarações contra Sánchez. Os editoriais do “El País”, jornal que se diz “progressista”, do “ABC” e de “La Razón” (extrema direita) tiveram o mesmo tom. “Quem ganhou foi a cultura da revanche histórica, o questionamento da transição (da ditadura), de ruptura da Constituição. Reconduzir esses militantes ao compromisso, aos valores da política de pacto com a direita foi impossível. A divisão social está aí.”

Esses mesmos jornais fizeram apelo ao aparelho partidário para usar o bisturi, ou seja, limpar o PSOE da maioria de seus militantes. Sem pudor, escreveram que Sánchez conduzirá o partido à marginalidade. Esse argumento ignora que, na Alemanha, por exemplo, o Partido Social-Democrata (SPD) acaba de sofrer uma derrota histórica em seu reduto da Renânia do Norte-Vestefália, por abandonar posições defendidas por sua base social operária.

O declínio do PSOE, a perda constante de militantes e de votos teve como ponto de partida o dia 10 de maio de 2010, quando o primeiro-ministro José Luis Rodríguez Za­patero aprovou um plano brutal de austeridade e uma primeira reforma do Código do Trabalho. Isso provocou, segundo o então secretário-geral da central sindical UGT, Cándido Méndez, uma ruptura com a classe operária.

O resultado dessa eleição interna é um reflexo direto da resistência da classe operária, que se manifesta em todas as suas organizações. A luta prossegue, e nenhum militante operário comprometido com a defesa dos direitos sociais e democráticos pode se considerar neutro.

artigo originalmente publicado na edição nº 808 do Jornal O Trabalho



Outras publicações

8 de novembro de 2017

“Labour” se inclina para a esquerda e é favorito em eleições no Reino Unido O congresso do Partido Trabalhista (Labour Party) – o mais antigo partido socialdemocrata do mundo, ligado desde a origem aos sindicatos britânicos – registrou muitas novidades. A começar pelo número de 1.200 delegados, o maior em 30 anos, dos quais cerca […]


4 de novembro de 2017

Em defesa da república, contra o artigo 155 da constituição monárquica Em 27 de outubro, o parlamento da Catalunha aprovou a Declaração Unilateral de Independência (DUI), contrariando a posição de diversos setores da classe operária, como as centrais sindicais CCOO eUGT, que pediam uma solução política, negociada. Imediatamente, com apoio da direção do Partido Socialista […]


26 de outubro de 2017

Mais de 400 mil servidores se manifestam em todo o país Todos os setores do serviço público da França foram atingidos pelas greves e manifestações do dia 10 de outubro, chamadas unitariamente pelas mais diversas organizações sindicais, contra a política do governo Macron. Hospitais, creches, serviços municipais foram paralisados. Cerca de 30% dos voos foram […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -