SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Que lições tirar?

2 de fevereiro de 2017
JOT_801-capa

Afirmando o PT, militantes dizem “chega de conciliação

Há momentos em que uma questão secundária ganha relevância maior e concentra os desafios a serem enfrentados.

Foi o caso da eleição da presidência das mesas da Câmara e do Senado. Uma questão que vinha sendo tocada como há muito tempo – as bancadas são levadas a acordos de votação em nomes que ultrapassam limites aceitáveis, em nome de uma proporcionalidade que a rigor não existe e a vida continua. Mas, desta vez, a eleição foi atravessada pela combinação de existir um governo golpista e uma profunda crise interna no PT.

A resolução adotada pelo Diretório Nacional do partido, que admitia o voto do PT em candidatos golpistas e a imediata reação da militância revela duas questões centrais.

A primeira remete à permanência de uma política que alicerçou a crise partidária, sua fragilização e, portanto, abriu espaço para o golpe.

Adaptada às atuais instituições e, como se vivêssemos uma situação de normalidade, esta política levou a maioria do Diretório Nacional à posição de convivência com o golpe, através de acordos por cargo, enredando o partido no jogo das instituições golpistas.

Essa política se choca com a sobrevivência do PT como partido de massas ancorado nos interesses dos trabalhadores.

A segunda mostra que no PT, apesar dos erros e das derrotas sofridas em 2016, há uma expressiva militância que resiste e quer recuperar o partido como instrumento de luta da classe trabalhadora. Ao levantar-se com os meios que dispõe e numa situação em que as instâncias partidárias esvaziadas não lhe permitem controlar a vida do partido, a militância em peso, disse Não! Num contundente recado de unidade  – apesar de certas manobras divisionistas – e de afirmação do partido, um chega de conciliação!

É a militância que, conectada aos trabalhadores, quer seu partido a serviço dessa luta, a única capaz de derrotar o golpe e todas as políticas que ele pretende avançar.

Contra a destruição da previdência, pelo cumprimento do piso salarial nacional, os professores decidiram ir à greve da educação a partir de 15 de março. A CUT decidiu propor às outras centrais um dia nacional de paralisação por nenhum direito a menos, no mesmo 15 de março.

São dois caminhos irreconciliáveis. Ou o PT, e seus parlamentares, se somam e ajudam a organizar – tarefa de um partido dos trabalhadores – a luta contra o golpe e seus ataques às conquistas de classe e de aniquilação da soberania, reatando assim com sua base social; ou, se permanece a atual política, o desenlace da crise que atravessa o PT, jogará água no moinho dos golpistas que querem entregar o país aos interesses imperialistas.

É nesta esquina que o partido prepara seu 6º Congresso.

Apesar dos reveses sofridos, o PT segue sendo o único partido que pode colocar o freio na ofensiva contra o país e sua maioria trabalhadora. À condição de livrar-se da política que o jogou na atual situação.

Não é tarefa fácil. Como mostrou o episódio das mesas, o uso do cachimbo entortou a boca de vários. Mas é uma tarefa necessária e, como também mostrou o episódio das mesas, há uma militância disposta a lutar por isso, trilhar o caminho de reconstrução do PT como um partido dos trabalhadores.

Por isso, nesse mês de fevereiro, renovamos o chamado à construção das chapas “Unidade pela Reconstrução do PT”, o que “não é tarefa exclusiva de nenhuma de suas correntes ou de suas direções. Na verdade, é a sua militância, maior que a soma de todas as correntes, que está chamada a protagonizar a resistência à regressão do país, que passa pela reconstrução do PT” (clique aqui e leia o Manifesto de cinco pontos para a reconstrução do PT). Foi o que se demonstrou no episódio das mesas, no quase uníssono “não votem em golpistas”, vindo de baixo, de todos os cantos do país.



Outras publicações

19 de maio de 2017

Lula em Rio Grande/RS em 29 de abril: “Quem está passando fome não pode esperar até 2018.” A força da greve geral, escondida pela mídia, mas presente nas organizações dos trabalhadores e na vida das famílias trabalhadoras, aprofundando o que se anunciava em 15 de março, abriu uma nova situação no Brasil. Apesar do golpista […]


3 de maio de 2017

“Quem está passando fome não pode esperar até 2018” A força da greve geral, escondida pela mídia, mas presente nas organizações dos trabalhadores e na vida das famílias trabalhadoras, aprofundando o que se anunciava em 15 de março, abriu uma nova situação no Brasil. Apesar do golpista e seu Congresso pretenderem prosseguir na guerra, o […]


19 de abril de 2017

Enterrar as contrarreformas e abrir a saída política A poucos dias da greve geral de 28 de abril, se confirma que no 15 de março se iniciou um giro na situação do país, com os trabalhadores retomando a iniciativa. Isso pode se acentuar neste dia de greve geral que se prepara. Uma ampla unidade se […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -