SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Somos a Corrente O Trabalho, do PT, expressão organizada no Brasil do combate internacional pela construção da direção revolucionária do proletariado mundial: a Internacional Operária. Somos a seção brasileira da IV Internacional, fundada em 1938 e reconstruída como organização mundial democraticamente centralizada na Conferência Mundial de Seções de Junho de 1993.

Nossa atividade está baseada no programa da IV Internacional, o Programa de Transição. Na atual situação de crise do movimento mundial do operário organizado, combatemos em cada país para agrupar militantes e trabalhadores, em torno de uma política que preserve a independência de classe para a constituição de poderosos partidos operários independentes.

No quadro dessa orientação, como seção brasileira da IV Internacional, desenvolvemos nossa atividade no interior do Partido dos Trabalhadores. Somos militantes do PT; atuamos nos marcos dos seus Estatutos e do seu Manifesto de fundação do PT cuja atualidade defendemos.

Um breve relato sobre as internacionais e da IV Internacional no Brasil

A IV Internacional foi fundada em 1938 para dar continuidade à luta pelo socialismo, empreendida desde o século 19 por Marx, Engels, Lênin, Rosa Luxemburgo e tantos outros. Sua criação foi impulsionada por Leon Trotsky.

E para que serve uma Internacional?

Desde a origem do seu movimento, os trabalhadores buscam se organizar em partido próprio.

Em 1864, no momento em que o movimento operário começava a se desenvolver e a se separar do campo republicano, com participação direta de Marx e colaboração de Engels, foi criada a I Internacional, . Ela se desagregou com a repressão que se sucedeu após a Comuna de Paris (1871).

Em 1889, com Engels ainda vivo e em meio a um grande crescimento dos partidos socialistas baseados no marxismo, foi criada a II Internacional (social-democracia). Mas, em 1914, a social-democracia deixa de ser instrumento da revolução socialista no momento em que sua direção apoia a deflagração da Primeira Guerra Mundial de 1914. Lênin, Trotsky, Rosa Luxemburgo, Karl Liebknecht rompem com a social-democracia e organizam a luta contra a guerra.

Em 1919, dois anos após a vitória da Revolução Bolchevique na Rússia, Lênin e Trotsky participam da fundação da III Internacional. Os violentos ataques sofridos pela Revolução Bolchevique e as derrotas sofridas pelos trabalhadores em outros países da Europa impõem um recuo na sua construção. Na Antiga URSS a propriedade dos grandes meios de produção continuava a ser coletiva, mas a direção política do Estado passou a ser exercida por uma burocracia extemamente violenta dirigida por Stalin que também assumiu o controle a III Internacional. Em 1933, a política stalinista dividiu a classe operária alemã e permitiu ao nazismo chegar ao poder e jogar o mundo na Segunda Guerra Mundial.

A partir da derrota provocada pelo stalinismo na Alemanha, Trotsky e seus companheiros se lançaram à construção da IV Internacional preparando um programa político conhecido como “Programa de Transição – A Agonia do Capitalismo e as Tarefas da IV Internacional”.

No seu Congresso de Fundação, em 1938, havia um delegado brasileiro: Mario Pedrosa que, em 1980, foi o filiado nº 1 do PT. A III Internacional foi dissolvida por Stalin em 1943.

No seu período inicial, a IV Internacional no Brasil combateu agrupando militantes como o próprio  Mario Pedrosa, Lélia Abramo,  Manoel Medeiros,  Lívio Xavier  e Fúlvio Abramo. Fúlvio foi secretário da Frente Única Antifascista, uma liderança fundamental da luta para barrar o crescimento do fascismo em nosso país, notadamente no episódio que ficou conhecido como “Revoada dos galinhas-verdes”, na Praça da Sé, em São Paulo, 1934.

Nos final dos anos 1930 a degeneração stalinista do PCB provoca uma crise. Em São Paulo,  setores liderados por Hemínio Sacchetta, Alberto da Rocha Barros e Patrícia Galvão (Pagu) rompem com o stalinismo para se manterem fieis aos ideais da Revolução de Outubro de 1917 e se juntam a militância na seção brasileira da IV Internacional.

Nos anos 1953/1954, durante o período Pós-guerra, desenvolve-se uma grave crise no interior da IV Internacional. No Brasil o resultado é uma dispersão dos militantes trotskistas. Apenas em 1976, três organizações brasileiras que lutavam clandestinamente contra a ditadura unificaram-se para formar a Organização Socialista Internacionalista (OSI), hoje Corrente O Trabalho. A OSI nasceu levantando a bandeira de construção de um Partido Operário no Brasil e uma Central Sindical independente do Estado.

Em 1978, a OSI começa a editar o jornal O TRABALHO, um jornal auto-sustentado que desde sua primeira edição é mantido pela contribuição dos próprios trabalhadores, mantendo o princípio de independência financeira diante da classe capitalista.

Em 1980, a OSI integra-se na construção do PT desde a batalha pela sua legalização e participa ativamente das lutas que marcaram o seus primeiros anos de vida. O OSI sustenta firmemente (e inicialmente, praticamente sozinha) o boicote ao colégio eleitoral da ditadura (janeiro de 1985) e joga papel decisivo para a fundação da Central Única dos Trabalhadores – CUT, em 1983.

Nós desenvolvemos toda essa luta como internacionalistas que somos. Como parte do movimento pela reconstrução da IV Internacional (reproclamada em 1993), combatemos sob a orientação da luta pela construção de partidos operários independentes e de ajuda à centralização da luta internacional dos trabalhadores contra o imperialismo. Combate esse que deu origem à constituição do Acordo Internacional dos Trabalhadores (AcIT) em 1991.

No mês de março de 2016, a IV Internacional realizou seu IX Congresso Mundial (clique aqui e leia o Manifesto)

Nosso combate no PT, nos sindicatos, na CUT e nos movimentos populares é a defesa da unidade dos trabalhadores em seu terreno independência  de classe  na contra o  imperialismo.

O jornal O  TRABALHO  

Sua edição número zero foi no  1º de maio de 1978, em plena ditadura militar. Desde o início O TRABALHO foi um jornal a  serviço da luta dos trabalhadores e da construção de suas próprias  organizações: SEU partido político próprio e uma central sindical  independente dos patrões e de qualquer governo.

Por isso, em todos esses anos e de maneira ininterrupta, o  jornal O TRABALHO  participou, e reportou em suas páginas o movimento da classe  trabalhadora brasileira contra a ditadura militar que deu origem à  construção do PT, como um partido sem patrões e da CUT, como uma  central sindical independente.

Em nossas  páginas reportamos a luta  dos trabalhadores em  todo mundo. Isso porque defendemos o princípio de que, a luta dos trabalhadores é nacional na sua forma e internacional em seu conteúdo.

Em toda sua  história, o jornal O TRABALHO manteve  o compromisso assumido no seu lançamento “um  jornal independente dos patrões, de seus partidos e governo”   porque se sustenta, exclusivamente, pela venda militante junto aos  trabalhadores e jovens e com o apoio dos nossos leitores porque  reconhecem no jornal um instrumento de ajuda na luta da nossa classe.

Como explicava o bônus  da campanha financeira pelo lançamento do jornal, abril de 1978:
No  Brasil, desde sempre, a classe dominante tem seus arautos, para quem  estão abertas as imprensas e fechados os cárceres. E também no  Brasil, os trabalhadores sempre tiveram seus porta-vozes e  defensores, para quem estão fechadas as imprensas e aberto os  cárceres. O TRABALHO nasce da luta dos trabalhadores contra as  mordaças e esses mesmos cárceres.

Nossa  vitalidade nasce da força que sustenta este país nas fábricas e no  campo. Nossa decisão e firmeza são apenas uma pequena parcela  daquilo que começa a surgir com o despertar democrático brasileiro.  O TRABALHO nasce  assim, das entranhas da luta pela democracia que está hoje em  andamento nas fábricas, nos sindicatos, no campo, nas escolas e nos  bairros.

É a luta que  cresce de toda a nação, de todos os trabalhadores, contra a miséria  e a opressão das grandes empresas estrangeiras, dos  grandes bancos e de suas marionetes brasileiras.”

Em diferentes  momentos e de diferentes formas, são esses os compromissos que se  expressam em nosso jornal que se mantém fiel à convicção de que a  abolição do regime da propriedade privada dos grandes meios de  produção, a emancipação dos trabalhadores, será obra dos  próprios trabalhadores.

A corrente O Trabalho é responsável pela editação da Revista A VERDADE, órgão teórico da 4ª Internacional, na lingua portuguesa. “A Verdade” é  publicada trimestralmente em diversas línguas.



SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -