SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Rio: Governo Federal impõe cortes sociais

22 de setembro de 2017

Rodrigo Maia, chora ao assinar acordo com Pezão. Foto- Sergio LimaPoder 360.

Em troca de brutais cortes de gastos sociais e aumento de receitas (incluindo privatizações e aumento de impostos), o Estado do Rio de Janeiro obteve do governo federal um “socorro” chamado de “plano de recuperação fiscal”.

No acordo anunciado no início de setembro, o primeiro passo do plano é a concessão no próximo mês de um empréstimo para pagamento de contas atrasadas – a fornecedores e salários de servidores. Depois, ainda este ano, o Rio obterá uma moratória temporária de R$ 5 bilhões na dívida com a União.

No total, entre 2017 e 2020, estão previstos R$ 11 bilhões em empréstimos coordenados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) e R$ 30 bilhões em suspensões de débitos com o governo federal. Os empréstimos terão como garantia, em parte, a Cedae – empresa de saneamento em processo de privatização.

Ditado dos bancos e cortes
Em troca pela suspensão da dívida e pelos empréstimos, o Estado do Rio de Janeiro será obrigado a diminuir R$ 4,77 bilhões em despesas, como gastos com pessoal. Também terá de aumentar as receitas em cerca de R$ 22 bilhões, elevando impostos (em gás natural, por exemplo).

Um comitê – composto pelo governo federal, Tribunal de Contas e Controladoria Geral da União, além do governo do Rio – irá ditar a execução do plano, tendo poder de suspender o pacote. É a imitação da “Troika” que impõe medidas draconianas em nome dos bancos aos países europeus. Tal comitê liquida a autonomia do Estado e, assim, anula a soberania dos eleitores e suas demandas sociais.

Juros são a causa da crise
Em situação de calamidade financeira desde maio de 2016, o estado do Rio tem deficit de mais de R$ 21 bilhões de reais. Destes, R$18 bilhões referem-se a juros da dívida pública. São eles – e não os gastos sociais – o principal causador da crise financeira.

O governo tem cortado gastos nos últimos dois anos como nunca. Salários do funcionalismo estão atrasados há meses. O governo até leiloou os serviços da folha de pagamento (vencido pelo Bradesco). O aperto compromete a prestação de serviços essenciais à população. Hospitais estaduais não renovam contratos com prestadores de serviços e estão suspendendo atividades. O Instituto Pinel fechou o setor de emergência por falta de médicos.

Calamidade Social
A Universidade Estadual (UERJ), quinta maior do Brasil, suspendeu o ano letivo devido ao atraso nos salário de funcionários e bolsas além do não pagamento dos serviços empresas terceirizados de limpeza, vigilância e Restaurante Universitário.

Os cortes de gastos levam a um efeito dominó, inclusive no setor privado (empresas cujos contratos com o governo foram cortados). Ademais, o Rio sofre particularmente das consequências da Lava Jato, que tem destruído e economia do petróleo e a indústria naval. O resultado é um aumento no desemprego maior do que no resto do país: 15,6% da população no segundo trimestre (contra 6,4% em 2014). Com o consumo despencando, apenas no mês de junho 914 lojas de rua fecharam na capital fluminense. Com a economia tão enfraquecida, não há como a arrecadação (de impostos) se recuperar.

Sabendo disso, o governo federal já alertou que se o Rio não conseguir cortar gastos e elevar receitas como “planejado”, exigirá a “extinção de mais empresas públicas” e até a “revisão da oferta do ensino superior”.

O ministério da Fazenda anuncia agora sua intenção de estender tal presente de troia a outros Estados. O próximo na fila é o Rio Grande do Sul, que já começou a conversar com a Fazenda.

Alberto Handfas


“INDIGNAÇÃO”!

“Esse é o sentimento de todos os dirigentes e militantes ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) do estado e dos sindicatos e Federações CUTistas do Ramo da Educação Rio de Janeiro diante da sinalização do Governo Federal, sob a batuta do ministro banqueiro Henrique Meirelles, que que o executivo estadual tome medidas drásticas de desmonte da educação pública superior, dos serviços de saúde e segurança, como moeda de troca para a liberação de recursos federais que amenize a grave crise financeira provocada por administrações corruptas do PMDBismo local (…) A CUT RJ e suas entidades filiadas repudiam com veemência tais medidas. Pezão em conluio com o governo federal tem aplicado o manual de privatização dos serviços públicos: (1) Reduz drasticamente os investimentos primários até que os serviços se deteriorem e baixem em qualidade; (2) Fazer com que a população acredite na ineficiência do serviço público; e (3) Promover a privatização dos serviços para, de preferência, uma empresa ‘amiga’ que se comprometa com o financiamento de campanhas eleitorais futuras.

Nesse sentido, conclamamos toda a população a ganharem as ruas contra as intenções e ações de desmonte do serviço público no estado do Rio de Janeiro” (Site da CUT Nacional)



Outras publicações

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República. Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política. Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice […]


22 de novembro de 2017

MP 805 ainda aumenta alíquota previdenciária para 14% O golpista Temer editou a Medida Provisória 805 que suspende o reajuste salarial de mais 30 categorias do funcionalismo público federal, entre elas os servidores Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), dos médicos peritos do INSS e dos analistas […]


21 de novembro de 2017

Atos em todo o país repudiam a entrada em vigor da lei 13.467 A entrada em vigor, em 11 de novembro, da infame lei 13.467 da contrarreforma trabalhista de Temer e do congresso vendido aos empresários, não passou em branco. Na véspera, sexta-feira 10 de novembro, em todas as capitais e várias cidades de norte […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -