SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Servidores de Florianópolis encerram a greve

28 de maio de 2018
31248465_2100820513530507_3141601605875400704_o

A greve de 30 dias dos municipais de Florianópolis, iniciada em 11 de abril, marcou a resistência da cate­goria contra a privatização dos serviços públicos, através das Organizações Sociais (OSs) e em defesa da data base.

A greve sofreu forte reação do empre­sariado e uma propaganda milionária na mídia para jogar o povo contra os grevistas e o sindicato Sintrasem. Na Câmara Municipal foi solicitada uma CPI contra o sindicato. No terceiro dia de greve, um despacho da justiça exigiu 100% dos servidores da saúde e educação de volta ao trabalho e impôs interdito proibitório ao sindicato, de 450 metros de locais de trabalho.

Apoio popular

O governo, que se recusava, teve que abrir negociação após 14 dias da greve que paralisou o serviço pú­blico das principais secretarias. Os grevistas fizeram um forte trabalho nas comunidades, explicando em reuniões porque combater as OSs e defender o dinheiro público para o serviço público. O apoio de organi­zações comunitárias foi importante para manter e fortalecer a greve.

Trabalhadores da Comcap (coleta de lixo), de hospitais (Sinsaúde, sindica­to estadual), transporte público e do centro de ciência da UFSC paralisaram algumas horas em apoio. A presença de dirigentes do Sindsep (municipais de São Paulo) contribuiu para uma campanha nacional em apoio à greve.

A luta continua

O movimento encerrou sem conse­guir revogar as OSs, seu objetivo desde que o prefeito a aprovou na Câmara. Em assembleia, a greve foi encerrada com 90% dos votos, contra os grupos de oposição à direção do sindicato que queriam manter. Mas a luta não acabou. Foi lançado um Projeto de Lei de Iniciativa Popular (PLIP) pela revo­gação da lei das OSs, pelo qual colhem assinaturas comitês que contam com entidades populares.

Uma plenária popular e sindical na cidade vai organizar a campanha pelo PLIP e, a partir do Sintrasem, convidar sindicatos e movimentos a realizar, em Florianópolis, um Encontro Nacional pela Revogação da Lei das OSs, recolo­cando a luta nacionalmente.

A categoria sai fortalecida. A tru­culência da prefeitura, do Judiciário e da mídia, ascendeu a luz para os grevistas sobre a situação do país. No início do movimento, a discussão da luta por “Lula Livre” era morna. No seu desenvolvimento, com o debate na categoria, em assembleia foi apro­vada a delegação de um ônibus ao 1º de Maio, em Curitiba, por Lula Livre.

Renê Munaro



Outras publicações

10 de junho de 2018

“Um momento de desalento e descrença nas instituições, nossos partidos não nos representam, o Congresso não nos representa e o Judiciário não funciona”. Essa não é a opinião de um extremista, é do banqueiro Pérsio Arida, coordenador de programa de governo de Alckmin do PSDB (Valor, 06/06). Os setores mais pró imperialistas estão em apuros. […]


1 de junho de 2018

Há “analistas” e certas lideranças do PT (que desmentem depois, quando já não falam em “off”) dizendo que Lula não será o candidato do PT. A mídia reduziu drasticamente a expo­sição de Lula e tenta desqualificar sua liderança, alegando isolamento. Ela confunde a prisão na questão do triplex do Guarujá – onde o juiz Moro […]


1 de junho de 2018

Na eleição suplementar de 2017, devida à cassação do governador José Melo (PROS), o PT do Amazo­nas rompeu o jejum de candidatos próprios desde 2002, recebendo boa votação na chapa encabeçada pelos deputados José Ricardo e Sinésio Cam­pos (2o lugar em Manaus). Agora, em 2018, apesar de que Lula lidera disparado também no Estado, nenhuma […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -