SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Sobre a candidatura a presidente do PC do B

24 de novembro de 2017

Depois de passar o ano defendendo uma “frente ampla”, quando se esperava o apoio à candidatura de Lula, o PCdoB lançou a deputada estadual gaúcha Manuela D´Ávila para a presi­dência da República.

Não se discute o direito do partido lançar o nome, mas a oportunidade política.

Entrevistada, Manuela negou que sai para negociar uma vice de Lula ou outro candidato, e tentou escapar da questão de ser, então, ela o nome para encabeçar a “frente ampla”, respondendo que “tem segundo turno”, sem explicar o que quer dizer.

Mas o PCdoB não pode fingir que vamos a uma eleição normal. O favo­rito nas pesquisas, Lula, pode ser im­pedido pelo Judiciário no 1o turno ou 2o turno. E vistas as relações do PCdoB com Lula, sobra o argumento para a Lava-jato que “nem o PCdoB acredita na candidatura Lula”!

Mais que cálculo eleitoral, essa é hoje a questão central para todo movimento de massas contra o golpe – é só Lula candidato quem pode vencê-los.

Mas parece que o PCdoB que não era Lula antes das Caravanas – associava Ciro Gomes à uma “frente ampla” – continua não sendo Lula depois, agora vai de Manuela, não se sabe bem aonde.

O senador Lindberg (PT-RJ), que na juventude militou no PCdoB, acerta ao comparar à atitude do ve­lho PCB stalinista contra o governo progressista de Vargas, em 1954. As forças pró-imperialistas, então, que­riam derrubá-lo e o partido pediu sua “renúncia”. Depois do suicídio de Vargas, as massas enfurecidas empas­telaram a sede de seu jornal no Rio.

Hoje, é preciso confrontar cada Diretório do PCdoB a esse grave erro, cada quadro e cada militante. Eles costumavam afluir às Caravanas de Lula, como ficarão nas próximas?

“Esquerda”?

Entre os petistas, as reações foram em geral desconfiadas.

Alguns desorientados, órfãos do “marxismo-leninismo” (stalinismo), saudaram a candidatura do PCdoB porque levaria “à esquerda” a frente com Lula. Não se sabe porque atribuem esse dom ao PCdoB, mais conhecido pelas estranhas alianças, como o voto em Rodrigo Maia (DEM) para presidente da Câmara, quando tentou atrair o PT.

Um blogueiro chegou a comparar Manuela com a proposta de candida­tura do poeta Pablo Neruda pelo PC chileno nos anos 70, que teria levado à esquerda depois, o candidato comum do PC com o PS e outros na “Unidade Popular”, Salvador Allende. Deixemos de lado a comparação entre o significado de Neruda e Manuela para o povo – não para as letras, é claro -, o que já é “forte”. Não temos espaço aqui para examinar o freio stalinista do PC, inclusive sobre o PS de Allende. Concentremos no que propõe a candidata do PCdoB: “Não há razão para o mercado se assustar com o PCdoB. Vamos procurar os setores econômicos vinculados à indústria nacional. O PCdoB é um partido sério”.

Bem, os trabalhadores estavam fartos de “partidos sérios” como esse, quando se identificaram com o PT, partidos que corriam atrás da miragem de um setor burguês para aliar (erro que o PT parece começar a entender).

O interesse dos trabalhadores é reali­zar a mais ampla unidade ao redor da candidatura de Lula, inclusive com o PCdoB que se declara anti-imperialista, e deve ser possível trazê-lo outra vez.

Markus Sokol



Outras publicações

5 de maio de 2018

Hoje completam-se 200 anos do nascimento de Karl Marx, aquele que, ao lado de Engels fundou o socialismo científico. Em homenagem a Marx, publicamos o texto de Engels, escrito em 1877 para publicação num almanaque alemão no ano seguinte, enquanto o próprio Marx ainda trabalhava na sua principal obra: O capital. O homem que primeiro […]


3 de maio de 2018

No dia 19 de abril, cerca de 3 mil trabalhadores metalúrgicos da Ford, em São Bernardo do Campo, participaram da criação de um Comitê Lula Livre. A discussão aconteceu logo antes da assembléia que aprovou um acordo coletivo garantindo a estabi­lidade no emprego até novembro de 2019, reposição da inflação e a cláu­sula de salvaguarda […]


1 de maio de 2018

É com muito orgulho que come­moramos 40 anos de publicação ininterrupta de “O Trabalho” neste 1° de Maio de 2018. O número zero de nosso jornal foi lançado com data de 1° de maio de 1978, trazendo como lema “a eman­cipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores”. “O Trabalho” se apresentava como um jornal […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -