Trabalhadores de Hospital em Esteio protestam por testes para todos

Hoje a tarde (20) dezenas de trabalhadores e trabalhadoras do Hospital São Camilo em Esteio – cidade da região metropolitana de Porto Alegre – protestaram com cartazes e faixas exigindo a testagem para a Covid-19 e  EPIs adequados. A manifestação foi organizada pelo Sisme (Sindicato dos Servidores Municipais de Esteio), Sindisaúde Vale dos Sinos com o apoio da CUT/RS.

Os trabalhadores da saúde denunciaram o avanço da pandemia no ambiente de trabalho e a necessidade da testagem para evitar que profissionais contaminados permanecessem em ambiente hospitalar arriscando a vida dos colegas e da própria população. Atualmente, os hospitais testam somente aqueles que apresentam sintomas da Covid-19, deixando aqueles que foram expostos ao vírus na angústia de saber se têm a doença.

A falta de testagem para todos os profissionais da saúde foi pautada pela CUT/RS e outros sindicatos do setor no TRT4 exigindo das prefeituras, governo do Estado e hospitais iniciem imediatamente uma política de controle que impeça o avanço da doença no setor, um dos mais ameaçados desde que iniciou a pandemia.

Medo de transmitir para a família faz parte da rotina
Na linha de frente, os profissionais da saúde que lidam diretamente com a Covid-19, estão mais expostos. Matéria publicada pelo COFEN (Conselho Federal de Enfermagem) retratando a situação em Belo Horizonte/MG aponta que enfermeiros e técnicos se contaminam 3 vezes mais do que médicos.

A reportagem cruzou os dados do quadro de  profissionais contratados em cada categoria, com número de casos confirmados pelo Boletim Epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Belo Horizonte. De 2.968 médicos que trabalham na rede municipal da capital, 29 estavam infectados, ou seja, 0,97%. Já entre os 3.795 enfermeiros e técnicos, o índice sobe para 3,6%. São 139 casos, ou seja, mais da metade (57,6%) dos profissionais infectados são dessas duas categorias.

Com a falta de testagem vem a incerteza, pois o convívio familiar passa a ser uma ameaça para aqueles que moram com estes trabalhadores. A testagem e o restreio de contato é uma das medidas que pode ajudar a controlar a pandemia, mas o negacionismo do governo Bolsonaro aliado à  resistência dos governos locais e dos hospitais pode ocasionar uma verdadeira tragédia para os trabalhadores, suas famílias e todo o sistema de saúde.