SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

VENEZUELA: após 30 dias da constituinte, Trump decreta sanções.

9 de setembro de 2017
apoiadores-maduro

O povo se mobilizou para participar nos exercícios cívico-militares “Soberania Bolivariana 2017”, nos dias 25 e 26 de agosto. O grito “Gringo go home, Venezuela no se interviene. Venezuela se respeta”, foi ouvido em todo país. Organizações populares e sindicais, a Milícia Nacional Bolivariana, a Força Armada Nacional Bolivariana e líderes políticos, juntos, percorreram as ruas.

Mais de 50 mil trabalhadores se inscreveram voluntariamente na Milícia. “Na sexta se deu a parte teórica e hoje (sábado) foi a prática”, informou o deputado constituinte e presidente da Central Bolivariana Socialista de Trabajadores (CBST), Wills Rangel, “mais de 860 corpos combatentes de trabalhadores estão prontos a participar nestes exercícios frente às ameaças militares estadunidenses”.

Embargo econômico encoberto

A mobilização respondeu à ordem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que impôs novas sanções econômicas à Venezuela, ao proibir seus sócios comerciais, empresas estadunidenses ou com capital nos EUA, de transacionar com a petrolífera PDVSA, principal industria que sustenta o país. Proíbe transacionar novos títulos emitidos pelo governo venezuelano, a estatal PDVSA e os bônus do setor público, assim como pagar dividendos ao governo. Assim, avança para deixá-lo sem dólares para pagar a dívida externa.

Trump poderia ter sancionado a PDVSA, proibindo o uso do sistema financeiro dos EUA, de contratar empresas nos EUA e obstaculizar todas transações em dólares. Seria uma medida mais dura. Tudo caminha para essa fase aguda do iminente bloqueio financeiro do país.

O atual embargo econômico encoberto, deve ser a oportunidade para debater a questão da dívida na Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

É o que propõem os documentos do Coletivo Trabalho e Juventude, que tem um membro na ANC: “Abrir na ANC a discussão do Não pagamento da dívida externa, ademais de reverter esses recursos em inversões. Tenhamos em conta que tanto a velha como a nova dívida externa se contraem para favorecer importadores, a quem se entregam as divisas (valores) para seu enriquecimento, assim como à burguesia parasitaria que sempre sangrou o país. E que se faça pública a lista das empresas que receberam dólares e seus donos”.

Após 30 dias

Há 30 dias da eleição da ANC se logrou garantir a paz e a estabilidade para reorganizar o Estado, ficando para trás o cenário de guerra nas ruas. Mas seguem pendentes questões fundamentais para a ANC. Há 4 semanas da sua posse, a ANC ainda não tomou medidas, enquanto o estrangulamento dos trabalhadores pela burguesia se agrava. As condições de vida se deterioram. A especulação ataca os preços da comida, roupas, calçados, outros bens e serviços, destruindo o último aumento de salários decretado por Maduro.

Há um ataque à moeda. Ademais do aumento exorbitante do dólar paralelo, após a eleição, ficou clara a pouca disponibilidade de dinheiro em circulação até nas agencias bancarias. É parte de um esquema de assédio financeiro de fora, apoiado pelo governo dos EUA.

Com a instalação da Comissão Econômica da ANC, um lobby de empresários ditos “patriotas” insiste que falta “estabelecer garantias de respeito à propriedade privada”. A posição dos “empresários bolivarianos” na ANC é flexibilizar os controles existentes atualmente, inclusive desmantelá-los progressivamente, para que os capitalistas “se animem a investir no país”. É grande a pressão nos debates no seio da ANC, para ela “elabore medidas que o governo, mesmo se sabia que eram as que devia tomar, não pode fazê-lo”, o que sinaliza, na verdade, o retrocesso.

É provável que estes dias algumas medidas sejam tomadas pela ANC para enfrentar a especulação, o açambarcamento e o desvio de alimentos com os dólares “preferenciais” (os vendidos mais barato no sistema de cambio triplo do país – NdT). Estes são desviados e vendidos no mercado negro, somando-se ao bloqueio financeiro.

Havendo navios na costa carregados com medicamentos e alimentos, como explicar que não se tenha como pagar esses bens essenciais para a povo, por que? Porque há um bloqueio financeiro contra o país.

Decisões são urgentes: o congelamento de preços a nível nacional, medida evidente na feroz luta de classes no país; outra questão é o monopólio estatal do comércio exterior; numa situação de embargo, o controle social das empresas de alimentos monopólicas e oligopólios é imprescindível. Pois enquanto se entregar dólares aos capitalistas, eles desviarão ao mercado negro onde tem lucros fabulosos com baixo investimento, e venderão suas mercadorias a preço de mercado negro ainda as comprem subsidiadas, ou simplesmente tirarão seus capitais do país.

Alberto Salcedo, de Maracaibo (Venezuela)



Outras publicações

8 de fevereiro de 2018

Em 23 de janeiro a Assembleia Na­cional Constituinte (ANC) pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organização das eleições presidenciais até 30 de abril próximo (o mandato de Nicolás Maduro terminaria em 2019). Num cenário continental marcado pela pressão do imperialismo dos Estados Unidos para impor governos a seu serviço – fraude nas eleições em […]


17 de janeiro de 2018

Nem bem começou o ano de 2018 e uma série de artigos de opinião foi publicada em jornais de todo o mundo advogando uma in­tervenção militar de países vizinhos na Venezuela. A ideia não é nova, mas é relançada diante do fracasso da oposição inter­na do país em todas as suas tentativas de derrubar o […]


9 de novembro de 2017

Não há mais desculpa para não se atacar especulação e desabastecimento A resistência do povo trabalhador aos ataques do imperialismo e seus aliados foi o que permitiu as vitórias políticas da eleição e instalação da Assembleia Nacional Constituinte e, em 15 de outubro, o triunfo nas eleiçõespara governadores. Assim foi dada uma nova oportunidade ao […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -