7 de Agosto: trabalhadores denunciam 100 mil mortos, exigem testes, defesa dos empregos e querem “Fora Bolsonaro!”

Ato em Brasília organizado pela CUT

Neste 7 de agosto o país está bem próximo da marca dos 100 mil mortos pela Covid-19. A responsabilidade repousa sobre governos em todos os níveis, em particular o governo Bolsonaro.

Bolsonaro não só desdenha da pandemia (“e daí” ou “vamos tocar a vida”), faz pouco do uso de máscaras, defende o uso de remédios não comprovados etc. Bolsonaro e seu governo vão além, e com o Ministério da saúde ocupado pelos militares, não providenciam, testes, equipamentos para profissionais de saúde, contingencia parte do pequeno orçamento que o próprio governo anunciou, enfim, trabalha (e deixa de trabalhar) para ampliar o número de mortes e o caos econômico.

Um pequeno passo foi dado para resistir a esta situação. Convocados pela CUT e demais centrais sindicais, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, ocorreram atos em diversas capitais e cidades do interior. Nestes atos teve destaque a luta por testagem em massa, em particular dos trabalhadores da saúde, pela defesa de empregos e salários e o “Fora Bolsonaro”.

São Paulo
Em São Paulo, capital um ato reuniu dezenas de dirigentes sindicais na Praça da Sé durante o dia.

Foto: Sindsep
Foto: Sindsep

Ao final da tarde, outra manifestação percorreu o “quarteirão da saúde”, local que concentra diversos hospitais e equipamentos de saúde. Cerca de 200 pessoas participaram, entre eles militantes do Dialogo e Ação Petista e o pré candidato a prefeito pelo PT, Jilmar Tatto.

São Paulo 1
No inicio da manhã foram também registradas algumas paralisações simbólicas em fábricas e locais de trabalho pelo Estado. Houve atos em outras cidades do estado que tem concentração de fábricas.

ABC
Rio Grande do Sul
Registramos atos em Porto Alegre, São Leopoldo, Caxias e outras cidades. Militantes do Diálogo e Ação Petista, assim como jovens da JRdoPT estiveram presentes nas diversas manifestações.

POA 1

Santa Catarina
Um ato em Florianopolis,  marcou a luta em frente ao prédio da secretaria do Estado do governo de Santa Catarina. Dirigentes sindicais e militantes petistas carregaram cartazes e faixas com suas reivindicações.

Floripa 1

Ceará
O dia 7 foi marcado no Ceará por mais um ato do Conexão Saúde (sindicatos com profissionais da saúde na base), no Hospital da Mulher, em Fortaleza, e por manifestações nas maiores cidades do interior. No fim da tarde, uma carreata das centrais, com dezenas de carros, percorreu bairros populares da capital.

Ceará 1

Alagoas
Em Maceió ocorreram pequenas manifestações no Viaduto do CEPA, no viaduto da Ufal e no centro, com 50 militantes representando sindicatos e movimentos sociais, que denunciaram as 100 mil mortes provocadas pela pandemia de covid-19 e pelo descaso do governo genocida de Bolsonaro.

Maceió 1
Pernambuco
o Ato em Recife contou a presença de cerca de 50 participantes, na Praça do Derby. Além do DAP, com 10 integrantes, portando pirulitos, estiveram presentes dirigentes do PT, do PCO, da CUT e da Conlutas, além de representantes de alguns sindicatos, como Aduferpe, Sindsp,  sindpetro, Sinteepe, Sinteepe, Sindbancarios,  e de movimentos sociais, como a Marcha das Mulheres.

Ato Recife 2

Um carro de som com uma gravação, denunciou o genocida Bolsonaro e seus ataques aos direitos dos trabalhadores. Havia cruzes e balões pretos foram soltos no final, alusivos às 100 mil mortes pela Covid-19. A pré-candidata do PT a prefeita de Recife, esteve presente no início do Ato.

Marília Arraes, pré candidata do PT em Recife
Marília Arraes, pré candidata do PT em Recife

Bahia
Uma manifestação em Salvador também reuniu militantes e dirigentes sindicais marcando a data.

Salvador 1

Brasília também registrou manifestações organizadas pela CUT DF e com presença de sindicatos como o SINDSEP (servidores federais). Foto acima.