A pirataria do imperialismo dos EUA

Que a burguesia imperialista utiliza a pilhagem como forma de opressão sobre os povos não chega a ser bem uma novidade. Geralmente, no entanto, a pilhagem vem disfarçada de alguma maneira. A guerra por qualquer motivo (como a “guerra ao terror”), endividamento de países, relocalização de indústrias etc.

O que se viu nos últimos dias com a crise do coronavírus vai além e se assemelha a atos de pirataria.

No Brasil, o governo da Bahia por exemplo teve compras de respiradores unilateralmente canceladas por uma empresa chinesa e recebeu informações de que os EUA teriam pagado mais.

Já a Alemanha teve uma carga de máscaras desviada em Bangcoc, diretamente para a terra do Tio Sam. Se Trump faz com a Alemanha, o que fará com os países mais pobres?

Para o Imperialismo norte americano, dinheiro não é problema. Afinal, depois de Breton Woods (1944), quando o dólar foi adotado como “a moeda” e principalmente, desde a decisão de Nixon em 1971 de acabar conversão dólar-ouro, quem tem a máquina de imprimir dinheiro são eles.

Os povos é que lutem.