Antonio Candido (1918-2017)

Morreu no dia 12, aos 98 anos, o crítico literário, sociólogo e professor Antônio Cândido de Mello e Souza. Militante socialista na juventude, fundador do PT, Antônio Cândido foi um intelectual no mais exato sentido do termo: dedicado e rigoroso em sua atividade acadêmica, e ao mesmo tempo engajado nas lutas em favor do povo. Nos últimos meses, manifestou-se firmemente contra o golpe.

Entre inúmeras obras, escreveu “Formação da literatura brasileira: momentos decisivos” (1957). Tornou-se referência inescapável nos estudos literários: mesmo os que discordam de seu método de análise reconhecem nele a erudição e a originalidade de pensamento.

Em 2009, participou de ato organizado por O Trabalho, em homenagem a dois antigos militantes trotskistas, Fúlvio Abramo e Hermínio Sacchetta (clique aqui e leia a reportagem), com os quais trabalhara ou militara. Com clareza e memória impressionantes, descreveu o ambiente político dos anos 1940. Afirmou que, em São Paulo, no Partido Socialista de então, “tudo de Trotsky nós líamos” e “toda a nossa crítica era baseada no trotskismo”, embora ele próprio nunca tenha sido trotskista.

Em entrevista concedida em 2011, disse que considerava “triunfante” o socialismo, explicando: “O que se pensa que é face humana do capitalismo é o que o socialismo arrancou dele com suor, lágrimas e sangue. Hoje é normal o operário trabalhar oito horas, ter férias… tudo é conquista do socialismo”.