Encontro nacional de estudantes petistas

Entre os dias 4 e 7 de abril, estudan­tes petistas reuniram-se Curitiba. Delegados eleitos nos estados, dentre eles da Juventude Revolução do PT, discutiram conjuntura e tarefas no Movimento Estudantil e participaram do ato Lula Livre no dia 7, em frente à sede da Polícia Federal.

Defesa da Previdência e da Educação

O encontro decidiu como central a luta para derrotar a tentativa de Bolso­naro de destruir a Previdência, o que comprometeria o futuro dos jovens. Assim, somando-se aos trabalhadores que em 22 de março (dia nacional de mobilização chamado pelas centrais sindicais), demonstraram sua disposi­ção de luta contra contra a PEC 06/19, foi decidido se engajar na coleta de adesões do abaixo assinado do PT – que chama os deputados a votarem não à reforma – nas portas de escola e universidades.

Em relação à Educação o projeto de Bolsonaro é o obscurantismo, corte de verbas e todo tipo de ataque. Os petistas estão chamados a organizar a luta contra a destruição do ensino.

Retomar o trabalho de base para de­fender direitos como a matrícula de inadimplentes e endividados com as novas regras do FIES, assistência estu­dantil, restaurantes, bolsas e ensino de qualidade nas escolas, e também lutar contra a “lei da mordaça”. O encontro decidiu participar da greve nacional Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE­-CUT), em 15 de maio.

Lula Livre

Ao final do encontro, os jovens pe­tistas participaram do ato com muita animação e garra, segurando faixas como da JR do PT que dizia “Lula Livre, tirem as mãos da previdência” (foto). De fato, são lutas inseparáveis.

A resolução do encontro afirma que “o pico da escalada foi a prisão arbitrá­ria e injusta de Lula, o impedimento da sua candidatura, articuladas pelo sistema de justiça, por isso a ‘defesa do STF’ é incompatível com a defesa da liberdade de Lula”. Uma crítica à assinatura da UNE ao manifesto em apoio a esta instituição, protagonista no impeachment de Dilma e respon­sável por man­ter Lula preso político.

Contribuição da JPT ao Conune

O debate le­vantou a ne­cessidade de fazer o balan­ço da atuação nas entidades estudantis. Por proposta da JR do PT, foi for­mada uma Comissão para elaborar uma carta de contribuição da JPT ao 57º congresso da UNE (ver box). Uma decisão importante que pode contribuir para ação comum dos jovens petistas na disputa política da direção das entidades. 

Hélio Barreto