Em ato no Anhembi, em São Paulo, sindicatos cobram condições de trabalho e atendimento digno aos pacientes

Com informações do SINDSEP

Entidades que representam os trabalhadores da saúde foram a frente do hospital de campanha construído no Anhembi, nesta segunda feira (8), para cobrar condições de trabalho e atendimento digno aos pacientes

O ato foi motivado depois de denúncias vindas dos próprios trabalhadores, que relataram falta de material de proteção adequados e condições de trabalho insuficientes. Participaram o Sindicatos dos Servidores públicos municipais de São Paulo (SINDSEP), o Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), o Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde-SP), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Juliana Salles, secretária geral do Simesp e da CUT, abriu o ato falando que o ato “é para garantir a nossa vida, nosso direito aqui ao nosso trabalho adequado, que estas entidades estão aqui presentes.” Luba Melo, secretária da Mulher Trabalhadora do Sindsep, lembrou das vítimas no serviços de saúde, “só no município de São Paulo, tivemos mais de 30 mortes de profissionais da saúde. O Brasil é o país que mais morre trabalhadores da saúde por Covid.” E ainda frisou, “nós estamos aqui ao lado dos trabalhadores, ao lado da população, em defesa dos direitos trabalhistas, destes profissionais que entregam suas vidas diariamente”, reforçou Luba sobre o compromisso do Sindsep e das entidades presentes em preservar a vida dos trabalhadores.

Diretora da CNTSS, Célia Regina Costa, lembrou das condições de trabalho dos profissionais da saúde, “nós estamos trabalhando no limite, com péssimas condições e principalmente com as flexibilizações nas relações de trabalho.” E reforçou, “nós não podemos concordar com essa política de descarte total dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde, por isso, estamos aqui.” Já Cleonice Ribeiro, presidenta do SindSaúde-SP, falou do descaso dos governos em relação aos trabalhadores. “Na mídia, o governo é muito bom para falar, todos são ótimos na mídia. Mas a realidade dos trabalhadores, só quem está lá no dia-a-dia, sabe”, lembrou Cleonice.

O ato foi motivado pela denúncia dos próprios trabalhadores, como lembrou Vlamir Lima, diretor do Sindsep, “estamos aqui após denúncia dos trabalhadores sobre as condições que estes trabalhadores estão expostos aqui”. E continuou, “as denúncias não pararam desde o início da pandemia, vai desde a falta de condições de trabalho, de EPIs, do adoecimento dos trabalhadores e do falecimento”, complementou Lima, lembrando de outras unidades da Prefeitura que sofrem dos mesmos problemas.

João Gabriel, vice-presidente do Sindsep, lembrou da importância da segurança aos trabalhadores, pois “todos tem que ter seus direitos respeitados, tem que ter garantias de segurança, garantias que irão ao seu local de trabalho, cumprir o seu plantão e que irão voltar em segurança, sem temer contaminar a sua família, contaminar a sua comunidade. E a gente sabe que a realidade de quem está no enfrentamento é muito dura.”

Ao final, uma comissão com um representante de cada entidade entrou no hospital para fiscalizar as condições de trabalho.

Artigo anteriorItália: greve na ArcelorMittal defende empregos
Próximo artigoEducadores gaúchos protestam contra atraso, parcelamento e congelamento de salários