SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT
As demandas do povo esbarram no Superávit – 6 perguntas e respostas
10 de agosto de 2013
Foto_hospitais

DINHEIRO PARA O TRANSPORTE,
SAÚDE E EDUCAÇÃO, NÃO PARA
OS BANQUEIROS

 

1 – O que é o superávit fiscal primário?

É o quanto o governo, a cada ano, arrecada (com impostos, lucros de estatais, privatizações etc.) a mais do que gasta com investimentos e despesas com manutenção da administração, com funcionários, previdência, programas sociais etc. (sem considerar os gastos com juros da dívida).

 

2 – Qual é a dívida pública brasileira?

A dívida bruta (interna e externa) dos governos federal, estaduais e municipais e as estatais é de cerca de R$ 2,5 trilhões (mais da metade do PIB). Cerca de 75% disso é devido aos bancos e grandes especuladores. Nos anos 70, os governos militares tomaram dinheiro lá fora, supostamente para investimentos industriais, mas entregaram boa parte à empresários e muito se perdeu em negociatas. Nos anos 80 e 90 os juros explodiram. O montante devido originalmente já foi pago várias vezes. E a dívida não parou de multiplicar-se. Hoje, o grosso da dívida pública é interna.

 

3 – Por que se criou a meta de superávit?

Desde 1998 o governo tem se obrigado a garantir uma meta para tal arrecadação “a mais” (gasto “a menos”), destinando-a, justamente, para o pagamento dos juros da dívida pública brasileira.

Em 1998, a dívida crescia explosivamente devido às exorbitantes taxas de juros do governo FHC. Os bancos e especuladores, preocupados com a incapacidade do governo em pagá-los pontualmente, exigiram que o Brasil adotasse um “sistema de metas de superávit primário”, imposto naquele ano no acordo fechado com o FMI.

A primeira meta passou a valer em 1999: o setor público tinha que “economizar” o equivalente a 3,1% do PIB. Em 2000, FHC tornou obrigatório tal sistema de metas anuais, inscrevendo-o na Lei de Responsabilidade Fiscal que dificulta ou mesmo impede estados e municípios a investir, contratar e até re- ajustar salário do funcionalismo. Nos anos seguintes, a meta subiu, chegando a 4,25% do PIB no início do governo Lula e voltando agora aos 3,1%.

 

Grafico

 

4 – A dívida continua a crescer?

As barras do gráfico representam o orçamento da União (o total arrecadado) como proporção do PIB a cada ano. Com tal orçamento, paga-se juros (a parte clara) e faz-se os gastos (a parte escura). Percebe-se aí que o superávit (a linha cinza) nunca é suficiente para pagar juros da dívida no ano, que chegaram a cerca de 8% do PIB (R$ 300 bilhões) em 2012. Isso equivale a mais de 20% de todo o orçamento da União (equivalia a algo entre 30% e 45% no governo FHC e nos primeiros anos de Lula). Por isso, ano após ano, mesmo com o governo cortando gastos, cumprindo e até ultrapassando a meta de superávit, a parte dos juros que não se consegue pagar num ano tem de ser refinanciada com novos empréstimos. A diferença entre os juros e o superávit (a parte que não se consegue pagar) é o quanto o estoque da dívida aumenta no ano seguinte (conforme indicado nas setas da gráfico).

 

5 – Quanto se corta em gastos sociais?

Esses 3,1% do PIB que o governo gasta a menos do que arrecada para cumprir o superávit equivaleram, em 2012, a cerca de R$ 111 bilhões – quase o mesmo aplicado em Saúde, Educação e Transportes somados.  Como gastar menos significa cortar verbas que deveriam estar sendo aplicadas em áreas sociais, pode-se dizer que, se parássemos de fazer superávit para pagar juros a banqueiros), poderíamos dobrar as verbaspara Saúde, Educação e Transportes de uma só vez!

 

6 – Superávit é prova de responsabilidade?

No dia 24 de junho, numa reunião com prefeitos e governadores, quinze dias depois do início das mobilizações, a presidente Dilma propôs cinco pactos. Sobre o primeiro, a presidente disse: “O pacto que quero propor é pela responsabilidade fiscal para garantir a estabilidade da economia”.

Estaria ela tentando acalmar e agradar os “mercados financeiros”, reafirmando a disposição de cumprir com as metas de superávit? Seria isso uma prova de que o governo do PT é “responsável”? Responsável com quem? Com o pagamento aos banqueiros parasitas de uma dívida injusta e ilegítima?

Pois é essa “responsabilidade” que faz com que os gastos em Saúde, Educação e Transportes, outros três pactos propostos por Dilma, sejam minguados. Não há como cumpri-los e, ao mesmo tempo, manter o superávit primário. Se Dilma ficar com esses três pactos, terá o apoio das ruas.

 

CORTES E PRIVATIZAÇÃO

Banqueiros e mídia (sobretudo “jornalistas” econômicos) fazem enorme estardalhaço a respeito da “ameaça da volta da inflação”. Eles exigem o aumento dos juros para combater tal ameaça.

Há, é claro, um certo aumento de preços, o que tem a ver com a procura de empresas em compensar sua baixa lucratividade no atual ambiente de crise internacional. Mas o aumento de juros só fará aumentar a dívida pública.

O alardeado fantasma da inflação já fez o Banco Central elevar a taxa de juros da dívida pública (a Selic) de 7,25% para 8,5% nos últimos três meses. O último aumento foi em 10 de julho.

Esse 1,25% a mais equivale a um aumento de R$ 27 bilhões. Ou seja, num “passe de mágica” passamos a dever a mais aos banqueiros essa dinheirama, que equivale a mais que o dobro de todos os gastos da União em Transportes – ou a cerca de metade dos gastos em Educação!
MAIS DESONERAÇÕES, MENOS PRODUÇÃO

A Câmara dos Deputados ampliou a novos setores empresariais a desoneração na folha de pagamentos, ao aprovar, na semana passada, a Medida Provisória 610, a chamada MP da Seca, os deputados incluíram nela a ampliação na desoneração.

Se a lei for sancionada, empresas de construção civil, transporte ferroviário e metroviário de passageiros deixarão de contribuir com os 20% da folha de pagamento ao INSS de seus empregados, passando a pagar apenas alíquota de 2% sobre o faturamento. Já o comércio varejista em geral, os serviços navais, as empresas de transporte rodoviário e ferroviário de cargas e empresas jornalísticas (inclusive TV e Rádio), pagarão apenas alíquota de 1%.

Esses benefícios ameaçam o futuro da aposentadoria de milhões de trabalhadores. Os empresários vêm exigindo isso do governo, alegando que precisam de ajuda para superar a crise. Mas a produção industrial continua crescendo quase nada.
“AMEAÇA DA INFLAÇÃO”

Banqueiros e mídia (sobretudo “jornalistas” econômicos) fazem enorme estardalhaço a respeito da “ameaça da volta da inflação”. Eles exigem o aumento dos juros para combater tal ameaça.

Há, é claro, um certo aumento de preços, o que tem a ver com a procura de empresas em compensar sua baixa lucratividade no atual ambiente de crise internacional. Mas o aumento de juros só fará aumentar a dívida pública.

O alardeado fantasma da inflação já fez o Banco Central elevar a taxa de juros da dívida pública (a Selic) de 7,25% para 8,5% nos últimos três meses. O último aumento foi em 10 de julho.

Esse 1,25% a mais equivale a um aumento de R$ 27 bilhões. Ou seja, num “passe de mágica” passamos a dever a mais aos banqueiros essa dinheirama, que equivale a mais que o dobro de todos os gastos da União em Transportes – ou a cerca de metade dos gastos em Educação!

 



MATÉRIAS DA MESMA EDIÇÃO DO JORNAL O TRABALHO

22 de junho de 2013
23 de julho de 2014
23 de julho de 2014
16 de julho de 2014
13 de julho de 2014
13 de julho de 2014
5 de junho de 2014
4 de junho de 2014
15 de maio de 2014
13 de maio de 2014
9 de abril de 2014
9 de março de 2014
24 de fevereiro de 2014
10 de agosto de 2013
25 de julho de 2013
18 de julho de 2013
18 de julho de 2013
3 de julho de 2013
18 de maio de 2013
14 de maio de 2013
7 de maio de 2013
18 de abril de 2013
16 de abril de 2013
25 de junho de 2013
25 de junho de 2013
Outras publicações

3 de julho de 2014

Publicamos abaixo trechos do documento de orientação adotado no último dia 1º de junho pelos delegados eleitos reunidos no 31º ENOT, em São Paulo (SP). Se você, leitor, quiser discuti-lo, solicite a íntegra ao difusor do jornal. “(…) Estreitou-se a margem de manobra para qualquer regime que, confrontado à luta de classes, resista ou não […]


16 de março de 2014

A acumulação primitiva do capital nos  Estados Unidos, a acumulação nacional e a gênese do Estado estadunidense Artigo publicado originalmente na Revista A Verdade, órgão teórico da 4ª Internacional, edição 58/59 (Abril de 2008). Introdução “A descoberta das terras do ouro e da prata, na América, o extermínio, a escravização e o enfurnamento da população […]


18 de fevereiro de 2014

Informe apresentado no Secretariado Internacional da 4ª Internacional por João Alfredo Luna [ Texto publicado na Carta da 4ª Internacional, N°24-25 (nova série – n°295/296)    12 de fevereiro de 2014  ] Nos últimos meses, o Brasil conheceu importantes desenvolvimentos em dois planos: há os elementos da situação objetiva, mais conhecidos, e os elementos subjetivos, isto […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -