Campanha “Abril, respeite o Sindicato”

Manifestação em frente à Editora Abril,

Cerca de 70 moções enviadas à Editora Abril até o início de dezembro, jornalistas de redações, como as da TV Globo e da TV Cultura, manifestando-se coletivamente, além de ampla divulgação no movimento sindical e democrático. Dessa forma desenvolve-se a campanha #AbrilRespeiteoSindicato, pela manutenção da liberação sindical, sem prejuízo de vencimentos, do presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP), Paulo Zocchi.

A Abril, numa atitude antissindical e de ataque à categoria, convocou Zocchi a retornar ao trabalho em 30 de outubro. Ele estava liberado desde 2015, por meio de um acordo que reconhecia ser incompatível manter a sua jornada de trabalho e cumprir as funções de presidente do sindicato.

A decisão de convocar Zocchi é uma retaliação contra a atividade do sindicato, que é estadual com uma base espalhada em dezenas de locais de trabalho.
Atualmente o SJSP negocia a renovação de convenções coletivas com três sindicatos patronais.

Luta pela democracia
O SJSP empenha-se também na defesa da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa no país, contra os ataques sistemáticos de Bolsonaro a jornalistas e ao jornalismo. Enfraquecer o sindicato é debilitar também a luta pela democracia.
A campanha se desenvolve por meio de moções de sindicatos e entidades democráticas, parlamentares e redações. A CUT-SP e a Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) solicitam reunir-se com a direção da Abril para o retorno da liberação sindical. Por solicitação do SJSP, o Ministério Público do Trabalho investiga a atitude da empresa.