Faixa de Gaza sob bombas de Israel

Um menino palestino verifica os danos à casa de sua família após ataques aéreos israelenses no campo de refugiados de Buriej, na Faixa de Gaza, no sábado (15) — Foto: Khalil Hamra/AP

Quando as bandeiras dos Emirados Árabes Unidos são vistas em todo o território do estado israelense e as bandeiras de Israel florescem em Abu Dhabi, os palestinos, que rejeitam massivamente o acordo de normalização, são acusados de serem extremistas e de rejeitar a paz. De maneira frenética, o exército israelense procura destruir todos os quadros potencialmente capazes de resistir a ele. Mas para os palestinos em Gaza, como eles dizem, viver já é resistir.

A violência mortal em Gaza busca quebrar psicologicamente, punir coletivamente a população civil, proibir qualquer indício de resistência. Em 13 de agosto, bombardeios israelenses destruíram uma escola primária no campo de Shatea. No dia 14, mais bombardeios atingiram novamente a Faixa de Gaza. No dia 15, houve cinco ataques aéreos e no dia 16 as autoridades israelenses novamente implementaram um bloqueio total da Faixa de Gaza, com o exército egípcio que gerencia o controle da fronteira sul.

Avança a punição coletiva
Desde 18 de agosto, as residências na Faixa de Gaza recebem eletricidade apenas três horas por dia, antes eram oito. O óleo  usado para alimentar a única central elétrica do território está bloqueado pelo exército de ocupação. Os cortes de corrente impactam violentamente os serviços de saúde e o funcionamento dos hospitais. Em 21 de agosto, houve cerca de 15 ataques aéreos em todo o território.

Para marcar seu repúdio a este sufocamento, os militantes em Gaza desenvolveram o hábito de enviar balões incendiários através da fronteira, que queimam as terras agrícolas israelenses, ou queimar pneus, cuja fumaça espessa atravessa a fronteira. Com sua desonestidade costumeira quando se trata de defender o Estado do apartheid de Israel, os governos das grandes potências e a mídia a seu serviço, justificam – provavelmente sob o comando do serviço de comunicações do exército israelense – os bombardeios em resposta ao envio de balões!  Os palestinos devem morrer em silêncio. E acreditar que esta seria uma das principais disposições do “acordo do século” (o “roubo do século” segundo os palestinos) defendida por Trump e Netanyahu, como condição necessária para qualquer avanço no” processo de paz “.

Ao mesmo tempo, os ataques de grupos paramilitares de colonos israelenses com o apoio do exército de ocupação se multiplicam na Cisjordânia, destruindo plantações, pomares e olivais. Os centros de testes Covid-19 também foram destruídos. Nos últimos dias, as provocações israelenses têm aumentado ao longo da fronteira com o Líbano.

FL