11 de setembro no Chile: Só o que se conhece é comemorado

Luis Mesina

Por Luis Messina

Este 2021 marca o 48º aniversário do nefasto golpe cívico-militar perpetrado pela direita chilena nas mãos do governo dos Estados Unidos liderado por Nixon e Kissinger. Esta ruptura da democracia, que afogou nosso país em uma política sistemática de violações dos direitos humanos, ainda não encontrou uma verdadeira reparação, porque, enquanto não houver verdade e justiça, a dor permanecerá latente por muitas décadas.

Comemorar significa lembrar, mas você só pode se lembrar do que conhece. Três quartos da nossa população nasceram depois de 11 de setembro, portanto, é relevante lembrar esses eventos em nossa história.

O crime perpetrado por quem costuma arvorar a bandeira é um ato da maior gravidade, que infelizmente em nosso país tem sido ignorado por muitos que governaram nosso país nestes 30 anos, em benefício daqueles que traíram o país e conspiraram desde o primeiro dia em que assumiu o governo popular para acabar com a vida do Presidente mártir, Salvador Allende.

Naquela terça-feira, 11 de setembro, quando a democracia foi suplantada pelo crime, pelo terror e pela violação extrema e permanente dos direitos humanos, ficou claro que esse flagrante episódio em nossa história não foi aleatório, respondeu a um planejamento rigoroso muito anterior a Allende assumir o poder. A direita golpista em cujo seio estavam os Edwards, os Jarpa, os Allamand, os Matte, os Larraín, nunca aceitou o triunfo democrático de um governo popular e, desde o primeiro dia, conspirou para acabar com ele.

Muitos deles ainda ocupam cargos importantes na direção do Estado, de ministros, de parlamentares, de empresários. São mais um exemplo de que, quase 50 anos depois, ainda não foi feita justiça total sobre esse crime traiçoeiro à República do Chile.

Comemorar implica em lembrar. Lembramos que o eixo central da política do governo Salvador Allende foi restaurar a dignidade e o papel que o mundo do trabalho desempenha na sociedade e quem são seus principais protagonistas, os trabalhadores.

As palavras permanentes do Presidente Allende nos momentos anteriores ao bombardeamento do La Moneda, confirmam a sua lealdade e confiança para com o mundo do trabalho. Recordemos algumas delas

“Somos três milhões de trabalhadores contra 50 mil golpistas!

“A melhor arma são os punhos, as máquinas, as ferramentas, as pás. Povo do Chile: não se deixe ser esmagado pelo fascismo! À luta pelas conquistas conseguidas em três anos de lutas ferozes! Para não ser derrotado ou desanimado! Cada minuto que passa está a nosso favor! Viva o Chile!”

Aos 48 anos, evocar essa data histórica implica comprometer-nos na luta que tantos deram para tornar o nosso país um país mais justo. Isso significa apoiar aqueles que hoje disputam no processo constituinte a possibilidade de redigir pela primeira vez uma nova Constituição Política, texto que sem dúvida deve refletir parte importante do legado pelo qual Salvador Allende lutou e pagou com a vida, e é o reconhecimento total a todos aqueles que tornam possíveis a riqueza e o progresso do nosso país, os trabalhadores.

Artigo anteriorVolta às aulas em MG: “greve sanitária” é derrotada
Próximo artigoSituação segue instável no Peru