Carreatas da morte enfrentam resistência das janelas

Atendendo ao apelo do presidente, grupos de bolsonaristas espalhados pelo país tentam arrastar empresários e comerciantes no cortejo fúnebre de carreatas que pedem o fim do isolamento social, com a reabertura do comércio e a volta a uma suposta “normalidade”.

Para eles e para Bolsonaro milhares de mortes pelo Covid-19 são aceitáveis para preservar seus negócios. Hipocritamente, no entanto, estes senhores não tem coragem de descer de seus carrões para se manifestar a pé, expostos a possibilidade de contaminação.

Além de cruel, o movimento é prisioneiro de uma falsa dicotomia (Economia x Pandemia). Num momento de crise como esse é o governo que deveria preservar os empregos dos trabalhadores, criando condições para que inclusive comerciantes e pequenos empresários possam sobreviver à crise e reabrir ao fim do período de quarentena.

Bolsonaro, no entanto, aposta no caos.

Enquanto desfilam pelas cidades algumas carreatas enfrentam a fúria e a resistência de pessoas nas janelas que gritam “Fora Bolsonaro” e “assassinos”. Há relatos de objetos atirados nos carros.

Algumas carreatas foram impedidas pela polícia, cumprindo ordem de governadores e prefeitos.

Outras foram ameaçadas de multa pelo judiciário, como no caso do Rio de Janeiro.

Artigo anterior“Um mundo em colapso”
Próximo artigoMetalúrgicos do ABC lançam campanha para denúncia de trabalhos não essenciais