Sindicatos em SP denunciam morte de trabalhadores no combate à COVID 19 e exigem EPIs

Diversas entidades sindicais como Sindicato dos médicos, dos psicólogos, do trabalhadores da saúde e servidores municipais, realizaram neste domingo um “ato silencioso” na Av. Paulista para denunciar a morte de trabalhadores essenciais, especialmente da saúde, e homenagearem os primeiros trabalhadores mortos no combate à COVID – 19.

As entidades denunciaram ainda a falta de Equipamentos de Segurança e exigiram das autoridades a solução para o problema.

De acordo com o SINDSEP (sindicato dos servidores municipais de São Paulo) “denúncia após denúncia enviadas pelo trabalhadores e trabalhadoras da saúde municipal e do Sindsep são encaminhadas aos meios de comunicação e aos trabalhadores através das redes do sindicato. A Prefeitura Municipal de São Paulo segue se manifestando apenas através de notas vazias falando sobre máscaras cirúrgicas e N95 que nunca chegam na quantidade necessária para uso dentro das normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).”

Apesar da prefeitura e do Estado de SP até aqui não terem uma lista oficial dos trabalhadores mortos em função do combate ao coronavírus, o SINDSEP tem mantido uma lista em homenagem a esses trabalhadores, para que não sejam esquecidos. Veja a lista abaixo feita pelo sindicato:

Gloria (ainda não localizamos sobrenome), técnica de enfermagem do Hospital Municipal Cidade Tiradentes, Cidade Tiradentes.

José Antônio da Boa Morte, técnico de enfermagem em uma empresa de ambulâncias que atendia o serviço de saúde de São Paulo.

Juraci Augusta da Silva, de 72 anos, auxiliar de enfermagem no  Hospital Municipal Carmino Caricchio.

Idalgo Moura dos Santos, de 45 anos, enfermeiro, funcionário da Organização Social de Saúde SPDM, trabalhava no Hospital Municipal Carmino Caricchio – Hospital do Tatuapé.

Eduardo Gomes da Silva, de 48 anos, auxiliar de enfermagem no Hospital Tide Setúbal, funcionário SPDM.

José Alves Galdino da Silva, 38 anos, trabalhador terceirizado da vigilância do Hospital Municipal Dr. Benedicto Montenegro (Jardim Iva).

Paulo Fernando Moreira Palazzo, 56 anos, médico clínico, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Marceliane Maciel, de 53 anos, trabalhava na Unidade Básica de Saúde – UBS Sacomã.

Luzanira Odílio, de 61 anos, auxiliar de enfermagem do Hospital Municipal do Campo Limpo.

Maria Elisa Reis de Oliveira, 66 anos, auxiliar de enfermagem municipalizada que trabalhava na UBS Jardim Peri, Cachoeirinha.

Angela Maria Salomão, 64 anos,  agente comunitária de saúde na Unidade Básica de Saúde – UBS Jardim Guairacá, no Jardim Guairacá.

Jaime Takeo Matsumoto, médico ortopedista do Hospital Municipal Tide Setúbal, São Miguel Paulista

Adelia Maria Araujo de Almeida Oliveira, médica pediatra do Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, Bela Vista.

Marina Santos, enfermeira do Hospital Municipal de Pirituba, na região de Pirituba e do Hospital Estadual do Mandaqui, Santana.

Elisangela Ferreira, técnica de farmácia AME Maria Zélia, Belenzinho (trabalhadora da saúde estadual).

Carlos Rogério de Carvalho, técnico em enfermagem do Hospital Estadual do Mandaqui, Santana  (trabalhador da saúde estadual).