A juventude quer emprego

A piora das condições de vida se agrava no país, principalmente entre os jovens de 18 a 24 anos para os quais o desemprego, comparado à média nacional, chega a ser o dobro, com 22,8%.

Muitos desses jovens vêm sobrevivendo através de bicos e, quando arrumam trabalho, são desregulamentados. Tudo isso é reflexo da destruição do país, acelerada desde 2016 com a contrarreforma trabalhista e tem no governo Bolsonaro um ponto de apoio para continuar “passando a boiada”.

Esses jovens que não têm mais emprego, muitas vezes, acabam indo parar em situação de rua, pois, sem dinheiro para o aluguel, a rua se torna ponto certo, alvo fácil para as drogas e o tráfico. Ao andarmos pelas ruas das capitais do país podemos observar o número de jovens nessa situação. O jovem que deveria estar estudando, trabalhando, construindo um futuro, se vê em uma situação muito difícil.

Empregos e direitos
A questão do emprego é um tema necessário, sobretudo no processo eleitoral. Durante o governo Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes (Economia) e ex-ministro Onyx Lorenzoni (Trabalho) apresentaram propostas absurdas em relação ao primeiro emprego da juventude. Criaram projetos que ofereciam à juventude empregos com menos direitos como Bem, Pronampe e Lei de Liberdade Econômica que têm como objetivo ampliar a exploração da juventude, acabar com direitos e aumentar, ainda mais, a margem de lucro dos empresários.

É por isso que Lula deve colocar a revogação da contrarreforma trabalhista como um dos carros chefes da campanha para presidente. Não se pode pensar duas vezes! É preciso revogá-la para retomar os direitos que foram perdidos, pois a juventude passa fome sem emprego, está cada vez mais exposta a situações como a que vimos no início deste ano com o bárbaro assassinato de Moïse.

Não queremos esse Brasil aonde os interesses da juventude são bloqueados por esse sistema podre. Queremos empregos com direitos!

A defesa da revogação da contrarreforma trabalhista exige mudanças radicais nas instituições mas traria, certamente, cada vez mais apoio dos jovens que esperam poder sonhar novamente.

Jeffei

Artigo anteriorHá saída. É preciso construí-la
Próximo artigoGoverno da Bahia quer privatizar Embasa