Dia 29 foi uma vitória histórica!

O grande derrotado dia 29 foi o inimigo, Bolsonaro com seus generais, mas também foram derrotados os golpistas da “direita” e do “centro”. Acabrunhados, nenhum dos líderes deles saiu à rua na maior manifestação desde a eleição presidencial há três anos. Nem o MBL nem os “democratas” da véspera – sumiram todos!

Dia 29 foi uma vitória da independência política dos trabalhadores. E como em outras jornadas históricas, deixou vários órfãos políticos. Não queremos exagerar, não chegou a meio milhão na rua, a maioria eram jovens, mas é nesse caminho – não em outro! – que é possível avançar contra Bolsonaro. Sempre com base em reivindicações concretas, e não em elucubrações abstratas sobre a democracia em geral e o calendário eleitoral em particular.

A hesitação e a dúvida são do pensamento humano, além do medo. Mas, com todo respeito, na oposição um erro é um erro – e quem desconversou do dia 29 em algum momento, errou!

Quando o poeta tem a razão
Segue abaixo uma listinha de argumentos da rede social. Não é preciso identificar autores, pois foram repetidos às centenas na última semana. Publicá-los para que não se repitam é uma ajuda à construção das vitórias futuras do nosso povo:
1 Não temos dinheiro, organização e nem força para criar um fato político contundente.
2 A represa vai estourar em breve, quando um número razoável de brasileiros estiver vacinado.
3 Temos que mobilizar nossa tropa de forma remota para estourar a mobilização no pós-pandemia.
4 Se a narrativa do genocida está convencendo a esquerda a ir pra rua, aí sim, fomos derrotados.
5 Defendemos lockdown. Os bancários lutando por home office não vão pra rua. O MST tá em casa, só saiu para doar alimentos.
6 Erro brutal, reforça o argumento do imbecil Bolsonaro, e enfraquece a união para combater a pandemia com base na ciência.
7 Somos os principais divulgadores do “fique em casa” e do distanciamento social, prisioneiros do discurso correto. Vamos ter que ter sangue frio.
8 Nossos governadores estão na linha de frente da luta contra o negacionismo. Ao propor aventureiramente atos de massa estamos nos contradizendo.

Todos vaticínios e argumentos derrotados. Não, o dia 29 não foi uma derrota da esquerda ou da ciência. Foi uma vitória popular e uma derrota do “fique em casa”, da conciliação de governadores, dirigentes pálidos e burocratas sindicais, derrota da política de caridade para acabar a fome, derrota da união nacional contra o vírus, enfim, uma derrota da tara pelo “centro democrático” para a sucessão institucional, única e estreita esperança de quem “pode” esperar outubro de 2022 em casa.

A esperança que partilhamos é a esperança maior de quem não pode esperar. Como disse o poeta, citado dia 29 na cartolina de um jovem na avenida Paulista, “quem espera nunca alcança”, por isso, “fora Bolsonaro!”, acrescentou ele. Tem razão, fora já!

Markus Sokol

Artigo anteriorVira, vira, vira… No dia 29 de maio, a prova foi feita!
Próximo artigoJornalistas e gráficos demitidos fazem manifestação por readmissão em São Paulo