Ditadura militar: repressão aos negros, trabalhadores e a “O Trabalho”

Capa do n° 77 cuja edição a repressão tentou impedir de circular

Em matéria publicada pelo UOL neste dia 31 de março de 2019, o jornalista Carlos Madeiro revela a repressão ao movimento negro no Brasil durante a ditadura militar:

“A ditadura militar instaurada há exatos 55 anos no Brasil espionou, perseguiu e minou a luta de movimentos raciais no Brasil na segunda metade da década de 1970 e início de 1980. Documentos confidenciais obtidos pelo UOL junto ao Arquivo Nacional revelam que militares se infiltraram nos grupos, ficharam os líderes e tentaram a todo custo impedir que a luta dos negros crescesse”

Ainda segundo a matéria “durante o regime, 41 líderes negros morreram ou desapareceram após supostas ações militares, segundo dados da Comissão da Verdade de São Paulo. Há ainda relatos por todo o país de centenas de prisões políticas e casos de tortura envolvendo integrantes de lutas contra o racismo.”

Durante a ditadura, trabalhadores foram perseguidos, torturados e assassinados. Movimentos e jornais foram alvo de monitoramento e perseguição. Este é o caso do Jornal O Trabalho, citado, de acordo com a matéria, em documento do SNI num informe de “propaganda adversa” em 7 de junho de 1981: “Da análise empreendida, verifica-se que o jornal ‘O TRABALHO’, em seu exemplar n° 9 106, de 20 a 26 de maio de 1981, volta a infringir dispositivos que permitem o seu enquadramento legal.”

De fato, o Jornal O Trabalho publicou uma nota sobre as manifestações do 13 de maio daquele ano:

Matéria publicada na edição 106 do Jornal O Trabalho em 1981 (arquivo da redação de O Trabalho)
Matéria publicada na edição 106 do Jornal O Trabalho em 1981 (arquivo da redação de O Trabalho)

Esse não foi o único caso de perseguição a O Trabalho. Duas edições depois o Jornal O Trabalho descobriu e denunciou uma escuta telefônica em sua sucursal no Rio Grande do Sul, encontrada no momento em que membros do jornal faziam uma mudança de sede:

Ataque a O Trabalho denunciado em suas páginas - edição 108 (arquivo da redação)
Ataque a O Trabalho denunciado em suas páginas – edição 108 (arquivo da redação)

Essa não foi a primeira vez que O Trabalho foi alvo do aparato policial. Também não seria a ultima. Menos de um ano antes a sede do jornal havia sido invadida por agentes da Polícia federal, numa operação ilegal que tentou impedir a distribuição da edição n°77 do jornal, cuja capa abre esta matéria e que exigia “punição aos verdadeiros terroristas” incluindo fotos de Figueiredo e outros agentes do regime. Na mesma operação a PF tentava envolver numa farsa a Organização Socialista Internacionalista, atribuindo a esta organização a culpa por atentados à bomba que, na realidade, eram praticados por agentes da própria ditadura militar, grupos de extrema direita e fascistas.

Registro da Invasão a O Trabalho em 1980 - Arquivo da redação
Registro da Invasão a O Trabalho em 1980 – Arquivo da redação

Esse era o “modus operandi” da Ditadura militar, instalada com o golpe de 1964, que o atual presidente Jair Bolsonaro determinou comemorar nos últimos dias. O Trabalho nasceu da luta dos trabalhadores contra a ditadura militar e não se intimidou.

41 anos depois continuamos nossa atividade, de forma ininterrupta, sustentada pela contribuição dos próprios trabalhadores, a serviço da luta do povo trabalhador e oprimido. Neste momento concentramos nossa luta contra o aparato militar judicial instalado no país que prendeu Lula para viabilizar as eleições de Bolsonaro e que pretende liquidar os direitos dos trabalhadores com a reforma da previdência e acabar com a soberania nacional.

capa da edição 78 em 1980
capa da edição 78 em 1980
Artigo anteriorDiretório Nacional do PT avança na luta contra Bolsonaro
Próximo artigoA classe trabalhadora entrou em cena em 22 de março, rumo à greve geral!