Sindicatos reagem contra a proposta de congelamento de salários e carreiras dos servidores públicos

(Brasília - DF, 09/04/2019) Sessão Solene de Abertura da XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Foto: Marcos Corrêa/PR

Sindicatos de servidores públicos de todo o país, nas três esferas, têm se manifestado contra a proposta de Bolsonaro, Guedes e Alcolumbre que prevê o congelamento de salários, da carreira e até a proibição de concursos públicos. Eles estão convocando todos os servidores a cobrarem dos senadores de seus estados que não votem a proposta de congelamento, que pode ir a plenário ainda neste dia 2 de maio.

O SINTRASEM, sindicato dos municipais de Florianopolis denuncia que “em uma manobra rasteira e chantagista, o ministro dos banqueiros Paulo Guedes agora condiciona o apoio aos estados e municípios ao congelamento de todos os salários no serviço público por um ano e meio. A proposta já está sendo negociada com o Senado e atingiria todos os estados e cidades.” e convoca os trabalhadores a repudiarem a medida.

Na mesma linha o Sindicato dos servidores públicos municipais de São Paulo (SINDSEP SP) denuncia que “os trabalhadores do serviço público estão na linha de frente do combate ao coronavírus e não podem sofrer mais este duro golpe.”

Para Oton Pereira, do Sindicato dos servidores públicos federais do Distrito Federal (SINDSEP DF) “Paulo Guedes está jogando todo o ônus da crise nas costas dos trabalhadores, sejam da iniciativa privada ou do serviço público”

Já o Fórum Renova ANDES, grupo de oposição no ANDES, sindicato nacional de professores universitários, emitiu uma nota em que afirma que “trata-se de um contrassenso inaceitável: um ataque aos trabalhadores e aos serviços públicos precisamente no momento em que servidores estão dando suas vidas, literalmente, no combate à pandemia. Em que estão trabalhando dobrado para atender a população realizando pesquisas à solução da crise sanitária e no combate ao vírus nas linhas de frente dos hospitais e redes de Saúde. Um ataque justamente quando o país mais necessita do funcionalismo servindo à população.”

O sindicato dos trabalhadores do judiciário federal e do ministério público do Rio Grande do Sul (SINTRAJUFE-RS) explica que “a proposta, articulada pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e lideranças parlamentares como Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AC), utiliza-se da pandemia do novo coronavírus para, novamente, atacar servidoras e servidores.”

Todos os sindicatos tem chamado os servidores a enviar e-mails exigindo que não votem a proposta e denunciado à população esse gravíssimo ataque que é uma tentativa de colocar no lombo dos servidores públicos o custo da crise enquanto o governo salva banqueiros e não adota medidas econômicas necessárias para evitar o desastre, como a emissão de moeda, o controle de capitais etc.

Artigo anteriorDeclaração latino-americana: 1º de Maio classista e de luta diante da crise do sistema e a pandemia
Próximo artigoDialogo e ação petista faz projeções no 1° de maio