Na Venezuela, oposição participará das eleições

SONY DSC

O governo de Nicolás Maduro e a oposição seguem negociação neste início de setembro, depois da rodada realizada na Cidade do México em agosto, mediada pelo governo da Noruega. Foi adotado um memorando de entendimento que estabelece: direitos políticos para todos, garantías eleitorais, cronograma eleitoral e observadores; levantamento das sanções, restauração de direitos a ativos; respeito ao Estado Constitucional de Direito, convivência política e social, renúncia à violência; proteção da economia nacional e da seguridade social; garantías de verificação do que foi acordado.

Em 31 de agosto, a oposição agrupada na Plataforma Unitária, aonde estão os principais partidos e organizações da oposição, incluído o setor ligado a Guaidó, comunicou que participará nas eleições regionais e municipais em 21 de novembro, com o registro da Mesa da Unidade Democrática (MUD), como resultado dos acordos feitos no México.

Os acordos e negociações não são apenas eleitorais, mas também acomodações para a abertura econômica que o governo avança, com a qual a oposição está de acordo. Também tratam de temas políticos, incluindo os acordos com os EUA. O imperialismo pretende retomar o seu papel hegemônico, agora com Biden, que declarou estar disposto a revisar as sanções à Venezuela.

Reunião da CAIT
Em 23 de agosto reuniu-se a Coordenação Nacional Autônoma e independente de trabalhadores (CAIT) para avaliar a nova situação.

Concluímos que, de alguma forma, a negociação e os diálogos no México constituem uma derrota do golpismo e da operação Guaidó. E também dos EUA, que sofre quebras em todas as frentes de sua política externa, para além das explosões sociais na América Latina. A burguesia venezuelana e suas organizações foram obrigadas a reconhecer o governo Maduro que o povo elegeu.

A base dessa derrota do plano original do imperialismo está na resistência do povo trabalhador. Um triunfo parcial que custou muito, pois o ataque à nação arrasou nossa economia. Um quadro de crise econômica e social potencializado pela crescente corrupção estatal e pelos terríveis efeitos da pandemia da Covid-19.

Derrotamos a direita apátrida, agora vamos ter que reconstruir o país. Sobre que base se dará essa reconstrução? É o que estamos discutindo na CAIT.

Alberto Salcedo, de Maracaibo

Artigo anteriorTrabalhadores da limpeza urbana de Florianópolis, em greve contra terceirização, enfrentam repressão
Próximo artigoVacinas vão pro lixo nos países ricos, enquanto continente africano só tem 3,5% de vacinados