Trabalhadores da limpeza urbana de Florianópolis, em greve contra terceirização, enfrentam repressão

Com o processo de terceirização e privatização da limpeza urbana acelerado, os trabalhadores da Autarquia de Melhoramentos da Capital (COMCAP), em Florianópolis, aprovaram uma greve por tempo indeterminado. A pauta exige a retirada dos editais que terceirizam as funções executadas há mais de 50 anos pelo serviço público.

O responsável pela decisão da assembleia é o prefeito Gean Loureiro (DEM) pois descumpre uma decisão judicial que proibiu a terceirização da Comcap. Além de desrespeitar o Acordo Coletivo com a categoria, também faz a população pagar duas vezes pelo serviço.

Prefeito busca manipular opinião pública
Irritado pela forte mobilização da categoria e sabendo da simpatia da população com o movimento, Gean Loureiro não para de manifestar pelas redes sociais e veículos oficiais da prefeitura sua guerra ao serviço público e particularmente aos trabalhadores que ousam resistir.

Algumas horas depois da deliberação de greve, o movimento já sofreu forte repressão policial a mando do governo. Balas de borracha, spray de pimenta e pancadaria contra grevistas sentados no chão.

Mobilização nos bairros
O sindicato envolveu a categoria e população em atos e panfletagens pela cidade. Com foco nos locais em que a empresa terceirizada deixa um verdadeiro rastro de incompetência, as denúncias comprovam os efeitos do desmantelamento de um serviço que era referência nacional em qualidade. Mesmo com o silêncio da mídia local, o assunto já sensibiliza lideranças comunitárias, pequenos comerciantes e as famílias que sentem o mal cheiro da terceirização em frente às suas casas.

Amazon Fort não recolhe lixo
A empresa vendida como solução mais eficiente e barata que a Comcap, na verdade “economiza” até mesmo nos EPIs dos garis, muitos deles, por exemplo, não recebem nem ao menos o calçado adequado e trabalham de chinelo. O despejo de chorume de maneira indiscriminada e a falta de coleta fora das ruas principais são algumas das denúncias que a própria população tem feito. O prejuízo fica com as periferias e o meio ambiente.

“A Comcap é do povo!”
A luta agora segue pelo cumprimento das promessas arrancadas na última greve da categoria, que teve adesão histórica. Entre elas, a realização de concurso público e o maior investimento na autarquia ganham cada vez mais destaque entre as urgências para garantir o atendimento da demanda não só na coleta de lixo, mas também em todo o conjunto de outros serviços prestados pela Comcap que os trabalhadores lutam para que terceirizada alguma assuma.

Artigo anteriorReforma administrativa encontra resistência e patina
Próximo artigoNa Venezuela, oposição participará das eleições