No Ceará, Lêda pelos direitos da gente!

Lêda é candidata a deputada federal pelo PT do Ceará, com o número 1331. Professora aposentada, doutora em Educação, Lêda vem de longa militância no partido, no movimento sindical e, mais recentemente no movimento popular. Foi presidente do Sindicato dos Servidores Técnico-Administrativos da UFC, lecionou na Universidade Estadual do Ceará e é hoje membro do Diretório Estadual do PT, inserida no movimento de moradores do bairro Rodolfo Teófilo em Fortaleza. Lêda integra o Comitê Estadual do Diálogo e Ação Petista – DAP.

O Trabalho – Por que essa candidatura?
Leda Vasconcelos –
Nossa candidatura não se reduz ao DAP, mas nasceu da discussão com os companheiros e companheiras do Diálogo. Nesse debate se chegou à conclusão de que era necessária uma alternativa que, na campanha, na luta para remover o Inominável por meio da eleição de Lula, apontasse para a reconstrução de tudo que foi perdido desde o golpe de 2016 e para as transformações que ficaram por ser feitas nos anos em que o PT governou.

OT – Como fazer estas transformações?
LV –
O lema de nossa campanha é “pelos direitos da gente”, partimos da luta para revogar todas as medidas que confiscaram direitos do povo e dos trabalhadores. Ocorre que a própria Constituição de 88, fruto do congresso constituinte “meia bomba”, ou seja, um poder não soberano, foi desfigurada por 125 emendas e mais de 700 alterações no texto, quase todas regressivas, em 34 anos. Só este ano, emendas de Bolsonaro introduziram 26 modificações na CF, um recorde. Neste quadro jurídico, as elites golpearam Dilma, prenderam Lula, liquidaram direitos. É inexequível retomar os direitos revogando todas as 125 emendas, uma por uma, ainda mais num Congresso eleito pelas atuais regras. Por isso nossa campanha destaca a luta por uma Constituinte com Lula, para reaver os direitos da gente.

OT – Como está sendo feita a campanha?
A campanha é uma ação solidária de militantes petistas, do DAP, independentes, por grupos do PT, como a Articulação de Esquerda e LC, e de alguns outros grupos organizados. A penúria material tem sido suprida por uma lista de colaboradores e temos, não sem dificuldades, chegado aos bairros de Fortaleza e ao interior. Tem sido uma batalha dura da qual queremos sair com um saldo de pessoas organizadas em torno das ideias que movem a candidatura.

Artigo anteriorMetroviários de BH em greve contra privatização
Próximo artigoLili, com Lula nas ruas, para mudar o Brasil!