O dia em que a cidade de Rio Grande (RS) parou

Rio Grande é uma cidade situada no litoral sul gaúcho onde estão instalados o Super-porto e o principal polo naval do estado, um dos mais importantes do país com cerca de 15 mil trabalhadores.

Na última 5ª.feira a cidade parou. Os ônibus não circularam, as empresas e o comércio fecharam e várias rodovias do entorno ficaram bloqueadas por horas.

A paralizalização foi convocada e organizada pelo Sindicatos dos metalúrgicos local – filiado à CUT, pela CUT – Regional Litoral Sul, outras centrais e uma dezena de sindicatos da cidade.

Ao final do dia cerca de 5 mil trabalhadores participaram de um ato no centro da cidade onde foi aprovada a carta abaixo:

“Carta de Rio Grande 

Rio Grande parou em defesa da Petrobras, do polo naval e dos empregos

Nesse 12 de fevereiro, ao final de um vitorioso dia de luta em que a cidade de Rio Grande parou, milhares de trabalhadores cruzaram seus braços para refletir e se posicionar sobre a grave situação que ameaça a cidade e o país.

Há quase um ano o País acompanha uma operação policial que detectou evidências de crimes, pelos quais são investigadas pessoas que participaram da gestão da Petrobrás e de empresas fornecedoras. A ação contra a corrupção tem o nosso mais firme apoio. Queremos o esclarecimento dos fatos e rigorosa punição dos culpados.

É urgente denunciar, no entanto, que esta ação tem servido a uma campanha visando à desmoralização da Petrobras, responsável por investimentos e geração de empregos em nossa cidade, no Estado e no Brasil.

Não vamos abrir mão de exigir o esclarecimento de todas as denúncias, o julgamento e a punição dos responsáveis; mas não temos o direito de ser ingênuos nessa hora: há poderosos interesses contrariados pelo crescimento da Petrobras. Há setores ávidos por se apossar da empresa, de seu mercado, suas encomendas e das imensas jazidas de petróleo e gás. Estamos atentos aos setores que ameaçam desviar o sentido dessa luta.

Cabe ao governo não vacilar diante de pressões indevidas, garantir o início imediato da construção da P75 e P77, a manutenção da produção e conteúdo local, a garantia dos investimentos sociais e a destinação da riqueza oriunda do petróleo para a maioria do povo brasileiro, particularmente à saúde e à educação pública.

Estão em jogo os interesses da esmagadora maioria da nação. Esta é a dimensão da luta que iniciamos hoje.

Desde já, como continuidade desta mobilização vitoriosa, anunciamos a constituição de um amplo comitê unitário em defesa da Petrobrás, do Polo Naval e dos empregos em nossa cidade. Sua tarefa é imediatamente dar início à preparação da mobilização convocada nacionalmente para o dia 13 de março pela centrais sindicais com os movimentos sociais em torno da defesa dos direitos e da Petrobrás, não ao PL4330 da terceirização, entre outras.

O futuro de Rio Grande depende da mais ampla mobilização!

Nenhum retrocesso, nenhum direito a menos!

Dia 12 de fevereiro de 2015, cidade de Rio Grande”

Artigo anteriorProjeto de Lei da terceirização é desarquivado e pode ir ao plenário da Câmara Federal
Próximo artigoPara mudar o rumo das coisas