Sindicato de professores da UNIFESP lança campanha contra corte de salários

A associação dos docentes (professores universitários) da UNIFESP (ADUNIFESP), seção do ANDES -SN, lançou nesta semana uma campanha dirigida ao congresso nacional para que não vote projetos de redução de salário que podem chegar ao plenário antes mesmo da reforma administrativa de Guedes ser votada.

A sugestão da ADUNIFESP é que sejam enviados emails a cada um dos deputados conforme o modelo abaixo:

Exma(o). deputad(a)o Federal Xxxxxx Xxxxxx ,

São Paulo, 26 de março de 2020

O Brasil vive um momento gravíssimo. Para salvar vidas e garantir a saída da crise sanitária e econômica, o país precisa de mais serviços e servidores públicos, mais empregos, mais Saúde, mais Educação e mais pesquisa para o tratamento da doença que ameaça a vida de milhões de brasileiros.

Cortar salários para manter os lucros dos bancos e dos especuladores e o torniquete da emenda constitucional EC 95/2016, que só da Saúde já retirou R$ 22,5 bilhões, é um crime contra o povo.

Pedimos aos deputados e ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que retirem definitivamente da pauta a proposta de corte salarial aos servidores públicos.

O funcionalismo, que há anos têm seus salários defasados frente à inflação, acabaram de ter seus rendimentos reduzidos pela reforma da Previdência. Usar agora, oportunisticamente, a calamidade atual para aprovar cortes momentâneos ou, pior, permanentes é perverso, além de injustificável.

É inaceitável, aliás cortar justamente de quem está à frente da luta contra a Covid19 e da implementação das políticas de recuperação econômica e de proteção social, nos hospitais públicos, postos de saúde, escolas, agências de assistência e de desenvolvimento, universidades e institutos de pesquisa científica.

Ao invés de enfrentar a pandemia como recomenda toda a comunidade internacional e de especialistas, o governo federal faz o oposto. Insiste em cortar recursos e salários dos profissionais científico-acadêmicos que, além de educarem e formarem as novas gerações, empenham neste momento sua expertise e capacidade técnica única num esforço sistemático de investigação das origens e do comportamento do vírus bem como da avaliação dos impactos sócio-econômicas de sua contaminação. O que é indispensável para o poder público melhor enfrentar e solucionar a comoção social gerada pela pandemia de modo a evitar maiores perdas humanas e degaste econômico em curto, médio e longo prazos.

Ademais, mesmo econômica e financeiramente falando, a poupança trazida com tais cortes salariais ao erário será pífia. E, pior, terá inclusive efeitos multiplicadores e colaterais negativos ao reduzir a renda de milhões de pessoas e portanto o consumo agregado das famílias brasileiras. Justamente quando é necessário reforçar tal renda e consumo para compensar a depressão econômica, agora em muito agravada pela Covid-19.

Há inúmeras outras fontes de receitas, muito mais eficientes e responsáveis, para garantir o aumento dos gastos necessários ao combate à Covid-19 e a recuperação econômica. Damos aqui apenas alguns exemplos:

1) revogar a EC 95, que congelou os gastos sociais;

2) elevar gastos mesmo que isso acarrete em elevação momentânea do endividamento. Este certamente voltará a reduzir-se assim que a economia se recuperar com a retomada da arrecadação, daqui a alguns meses;

3) Redução dos juros e suspensão da amortização da dívida pública. Há apenas uns poucos meses atrás o governo havia usado reservas cambiais para recomprar títulos, amortizando mais de R$ 142 bilhões, algo totalmente desnecessário em meio a uma recessão econômica e absurdamente inaceitável em meio à calamidade da pandemia.

4) Elevação de impostos dos multi-milionários e dos bilionários, além de taxação de operações financeiras especulativas. Apenas Itaú, Bradesco e Santander lucraram R$ 69 bilhões apenas em 2019. E pagam menos impostos (como proporção da renda auferida) do que micro empresários, servidores e assalariados em geral.

5) Utilização antecipada dos fundos orçamentários que sobram dos três poderes;

6) Utilização (intermediada pelo STF) de verbas dos fundos de precatórios.

Enfim, estes são apenas alguns poucos exemplos de fontes de receita disponíveis de imediato à utilização no combate à pandemia e na recuperação das crises econômica e social decorrentes das quarentenas. Todas elas muito mais eficientes economicamente, pois não teriam efeitos (multiplicadores e colaterais) negativos no consumo e na renda agregada nacional. Seriam também muito mais justas do ponto de vista social.

Contamos com o vosso compromisso em opor-se a incluir na pauta ou votar qualquer projeto que reduza salários de servidores ou de direitos de trabalhadores em geral para que a economia possa rapidamente se recuperar, garantindo sempre justiça social em nosso país.

Assinado xxxx

Lista de deputados Federais em exercício 2019-23

Artigo anteriorEstudantes não podem pagar pela crise
Próximo artigoMais de 50 sindicatos de Santa Catarina ameaçam “greve pela vida” caso governador recue da quarentena